Leal Porto

Leal Porto

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2647-5341

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Acompanhamento do Processo 7122 (antigo 101).


CORIP

30/08/2010 13:12

Enviado para GABJUR2. Autos conclusos com o relator


As 13h do dia de ontem, 30 de agosto, o processo 7122 (antigo 101) retornou as mãos de seu seríssimo Relator Juiz Leonardo Antonelli, que deve julgar os Embargos de Declaração (Protocolo: 72.310/2010) interposto pelo PMN contra a absurda decisão que manteve Marcos Mendes na cadeira de Prefeito de Cabo Frio.


Agora ficam algumas perguntas:


1 – Quando esse seríssimo Juiz Relator pretende julgar este Embargo de Declaração?


2 – Qual será o parecer desse seríssimo Magistrado?


E o Blog Cartão Vermelho pega uma cadeira (em pé cansa) para aguardar a decisão dessa nobre e respeitosa instituição, TRE-RJ.


Praça de Figueira – Abandonada por Andinho.


É deprimente a situação que se encontra a praça do bairro Figueira no município de Arraial do Cabo, essa praça é um exemplo clássico do descaso que o governo de Andinho vem tendo com a população Cabista.


Obra da Estrada Cabo Frio x Búzios segue lenta.


Segue lentíssima a obra de melhorias da estrada que liga o município de Armação dos Búzios a Cabo Frio, é um exercício de paciência utilizar essa estrada que sempre está funcionando em apenas uma mão em certo trecho da estrada.


Se essas obras não se aprofundarem teremos um verão caótico, é preciso um rigor do MP para apurar o que levou a esse atraso absurdo.


QUENTINHAS DO CARTÃO VERMELHO.


Tremam AUTORIDADES INEFICIENTES! As quentinhas voltaram... Algumas - como os leitores/eleitores hão de perceber um tanto requentadas; mas com o tempero especial que só um recesso forçado (processo por “crime de Opinião”) pode dar! Nossa Central de assuntos Aleatórios quase entra em colapso tentando manter a temperatura em graus adequados á validade requerida, mas se sobrepujou e conseguiu fazer frente a mais este desafio. Parabéns e eterna gratidão a toda nossa equipe!



O Dia da Vergonha teve um sucesso de público que se pode chamar de moderado (apesar da alegação dos organizadores do horário). Não se pode culpar o “tema” - que não foi só a construção do prédio na praia do Forte, mas todas as outras atrocidades cometidas pelo atual desgoverno, então por que só 1.000 pessoas compareceram? Tendo em vista as ameaças, retaliações e virulência dos ataques indiscriminados da prefeitura – talvez esteja grassando o MEDO, que é um péssimo companheiro e turva o raciocínio. Da próxima vez talvez seja bom fazer o dia da Sanidade Mental. O povo anda louco de medo...



Aconselhamos a todos os leitores/eleitores a leitura do livro The Peter Principle - - Laurence J. Peter e Raymond Hull - que na tradução para o português recebeu o titulo “TODO MUNDO É INCOMPETENTE inclusive você” Ed. José Olympio. Nele os autores elaboram dedicada e exaustivamente as leis que regem da incompetência, através da investigação do por que este nosso mundo funciona tão mal, no sentido prático, a começar pelas coisas que enguiçam, pifam, desabam, saem ao contrário, não dão certo, porque há tantos erros, equívocos, enganos e confusões kafkianas no mundo de hoje. Cai como uma luva na atualidade da vida sócio/política de Cabo Frio.



O uso de Óculos cor-de-rosa está em plena moda aqui e em todo o país. Qualquer pessoa com certa notoriedade diz qualquer barbaridade em um tom um pouco mais enfático; e para o público todo o besteirol vira uma verdade bíblica (para os religiosos) ou um dogma cientifico (para os incréus), e inconteste. As pedras colocadas na praia do Forte - quem assistiu ao Fantástico de domingo? O dia sem carro - ônibus não polui só carro, é verdade que a Salineira produz milagres, mas nenhum tão portentoso... E a claque APLAUDE!!!



Ambientalistas omissos. Alguém se lembra de algum movimento ou reação efetiva contra as atitudes criminosas perpetradas por este ou qualquer governo e que tenha sido encabeçado por auto denominados Ambientalistas (pessoas ou entidades)? Vamos lá façam um esforço gente! Vocês vão acabar se lembrando... Quando a prefeitura rebaixou a Secretaria de Meio Ambiente, ou quando a Lagoa virou banheira de espuma tóxica, onde estavam a Amarla, Amacabofrio, PV, Asaerla, IPHAN, OAB, INEA, escritores, biólogos, pesquisadores... Não sabem? Estavam debaixo de suas caminhas mortos de medo de perder suas boquinhas ou levar um puxão de orelha das “otoridades”.



Surpreendentes os novos lances que surgem a cada passo na discussão de quem é o real proprietário do terreno em frente à Praça das Águas, uma senhora escreveu um comentário em um blog amigo alegando que o terreno era do avô dela (mas não deu o nome), outro (anônimo) em outro blog também alega que pa-ta-ti e pa-ta-ta. É tão simples resolver o caso: pedir certidão no RGI, já que nas informações dadas por partes interessadas não se pode confiar. E enquanto todo mundo discute o sexo dos anjos, a prefeitura e imobiliárias deitam e rolam em projetos mais ambiciosos e danosos ao patrimônio do município. Ora...



A revista VEJA é zarolha, mas tem um faro para grana fácil de dar inveja! Em matéria do Sr. Marcelo de tal o semanário alerta os INVESTIDORES para o potencial lucrativo que representa Cabo Frio. É lógico, que não falam assim na lata (como é nosso hábito fazer), mas em suma é isso: “aplica uma graninha em Cabo Frio que lá é moleza, aí você vende para os otários que lêem esta porcaria e acreditam que vão se alçar ao Jet - set comprando um imóvel lá, você nem precisa dar as caras que a prefeitura se encarrega de tudo”



Nossos agradecimentos aos Blogueiros solidários que além de tarjarem de preto seus blogs (ainda) não processados ou hackeados, republicam algumas matérias nossas ou de nossos colaboradores. Caso venham a ser cerceados nas suas publicações ou processados por “crime de opinião” como nós, seremos igualmente prestativos e atenciosos.


“ACABARAM-SE OS BELOS DIAS DE ARANJUEZ” - da ópera “Dom Carlos” de Giuseppe Verdi.


Convite de D. Zeti Corrêa

* Clique na imagem para ampliar

“Caras amigas,


No dia 02 de setembro, nos encontraremos na Sociedade Musical Santa Helena, às 19 horas, para fortalecer nossa luta em prol da recuperação da dignidade do povo cabo-friense.


Precisamos mostrar a força das mulheres!


Venham ouvir as propostas dos candidatos que abraçaram essa causa e estarão presentes nesse encontro: Alair Corrêa, Zete Corrêa, Delma Jardim e Jorge Picciani .


Eles merecem a nossa confiança e o nosso apoio.


É dever dos cidadãos que amam essa cidade elegerem Delma Jardim para Deputada Estadual!


Contamos com a sua presença!


Vamos lutar juntos, para que Cabo Frio retome os caminhos do progresso e da dignidade.


Com carinho,

Zete e Alair Corrêa”


EXERCÍCIO DE LÓGICA - ou SALVE-SE QUEM PUDER!


Por Beth Michel


Um hábito que me acompanha desde sempre - sendo quase uma compulsão - é um que decidi denominar de “exercício de lógica”, porque a partir de um fato vou desencavando outros na memória, que se relacionem com o primeiro, assim e vou tecendo uma cadeia de fatos que se interligam até formar um quadro claro e panorâmico de uma situação. Tenho alguns amigos que preferem chamar a isto por outros nomes: de “fábula”, ou “historinha” e até “analise comparativa”. Seja como for, o que importa é o resultado final, estejam pois à vontade para mudar o rótulo.


Neste caso, o fato “mãe” foi uma declaração que me foi dada pelo Dr. Murillo Bustamante (MPE) em setembro de 2009 de que existe um risco para o patrimônio histórico/cultural de Cabo Frio em sua totalidade, e que portanto, deveríamos nos preocupar menos com casos pontuais e mais com o conjunto. Então me remeti ao “como” chegamos a este estado de coisas.


Em primeiro lugar nos faltam os mecanismos, “vacinas” para prevenir o desastre que acomete nosso Patrimônio - e falo também do imaterial (tradições), que só conseguiu tomar a primeira dose desta vacina, com a Lei Municipal, que criou o Conselho de Patrimônio e o Instituto de Patrimônio e Cultura, que são os dois órgãos que estão aptos para decidir se qualquer imóvel com mais de 50 - isso mesmo cinquenta anos; pode sofrer reformas ou ser demolido. Importante é ressalvar que a manutenção destas duas entidades não são prerrogativa, e sim dever do executivo.


O exercício abaixo advêm de um conhecimento parcial (meu) dos fatos, pois com certeza existem muitos outros patrimônios já perdidos, outros em vias de serem destruídos (como a Casa do Wolney na rua Érico Coelho), e outros ainda “aguardando na fila” para entrar no abatedouro da especulação imobiliária. Aqueles que se interessarem pelo tema podem procurar a pesquisadora Meri Damaceno, que possui uma vasta lista de todos estes bens ameaçados e daqueles que já passaram desta para pior.


A “coisa” neste meu exercício se dá mais ou menos assim:


Construtoras, Imobiliárias e investidores públicos ou privados ficam de “olho” em possiveis “vítimas”, sabendo de antemão que o ponto vai se valorizar em futuro próximo.Uma vez cercada a área de caça procura-se a vítima mais debilitada – imóveis em inventário, ou com proprietários ausentes, ou ainda com dívidas (se for com impostos melhor ainda), começa então a fase da “solapa moral “ – fiscalização, multas, exigências de cumprir este ou aquele regulamento, lei, norma, cobranças extra judiciais, convites e intimações. Até o golpe de misericórdia : compra ou desapropriação – a essa altura o proprietário do imóvel aceita qualquer coisa para se ver livre do tormento.


No caso de bens considerados tradicionais ou históricos, às vezes a negociata vem a público, e preservacionistas e entidades e/ou agentes culturais e intelectuais se mobilizam, e os caçadores se vêem na desconfortável posição de ter sua condição de predadores revelada – o que não é bom para os negócios. Então choram pitangas, mas acabam negociando um acordo geralmente injusto para a comunidade. No caso da Casa das Águias–Banerj-Itaú, na mesma rua Érico Coelho - por exemplo - só conseguimos manter a fachada do imóvel, isto lá pelos idos de 80/90, já no caso do Mac Donald’s, foram mais espertos, abateram a presa (uma linda casa cercada por jardins de sonho) na calada da noite, e não sobrou nem árvore, nem moita, nem flor para contar a história.


Notaram que os beneficiados nestes dois casos foram o que podemos chamar de “pesos pesados” das finanças!? Um Banco do Estado - de triste e nebulosa memória; e uma franquia internacional de fast-food, que não contente em cobrar os “olhos-da-cara” por seus produtos, ainda promove a arterio-esclerose precoce de nossas crianças e adolescentes.


Negociata vai, negociata vem...E a “sociedade-civíl-organizada” consegue emplacar uma Lei/vacina como mencionei lá no começo. Um pequeno recuo dos caçadores para que os caçados relaxem - dizem os especialistas que a carne fica mais macia quando a caça não percebe a ameaça (!?). Abre-se então nova temporada: presas relaxadas e engordando, pelo lustroso, saudáveis, rifles reabastecidos com munição de última geração e com “silencioso”, todos aos seus postos, então lá vamos nós... Mas esperem, não é que os guardiões estão alertas e prontos para dar uma segunda dose de vacina!? Então para tudo! Recolham o estoque de vacinas, esse alguém reclamar digam que : "...passou o prazo de validade", ou que " vamos lançar uma vacina mais eficiente" ...Bem, digam qualquer coisa, mas recolham todas a vacinas, se não nossa temporada de caça “já era” e olhem que os depósitos (cofres) estão “à zero”!


Conclusão : desativado o Conselho de Patrimônio e o IMUPAC - salvo erro foi em 1996/7, e daí para frente foi deitar e rolar, com caça farta, bem nutrida e desamparada, para todos aqueles com munição e meios de bancar um suntuoso safári. Chegamos ao século 21 e novos guardiões de outras plagas reforçam as antigas hostes locais já cansadas e curadas de espanto, começa o movimento pela campanha de vacinação em massa, os caçadores aparecem e com grande displicência apresentam um placebo - Conselho de Cultura; que é eficaz, mas para outros tipos de ameaça e além do mais estava infiltrado por substancias exógenas.Trocam-se ofícios e nada...Realizam-se passeatas e nada...Chegamos a 2005 com o dia da Mentira Cultural, reunião com o Prefeito e nada...Em 2007 ficamos sabendo que existe uma nova vítima já moribunda, partimos para a quimioterapia pedindo auxilio ao IPHAN, com resultados pouco auspiciosos e terminamos com a Casa do Wolney na UTI do Ministério Público onde o paciente está em coma induzido e respirando por aparelhos, com alimentação intravenosa e necessitando de urgente transfusão de sangue.


Enquanto isto, surgem novas vítimas em potencial, começamos imediatamente com a quimioterapia fornecida exclusivamente pelo posto local do IPHAN - vacina nem pensar - e nisto estamos quando surge a bomba (casualmente no mesmo dia e hora em que fazíamos a entrevista com o Dr. Murilo Bustamante): O Superintendente Regional do IPHAN em coletiva à imprensa comunica que a entidade fechará as portas em Cabo Frio se transferindo para um município vizinho e de lambuja nos leva nosso paladino mor – Manoel Vieira Chefe do Escritório Técnico daquela entidade transferido (logo agora) para o Rio de Janeiro, e que a mudança se deve a que lá ( São Pedro da Aldeia) teriam sido oferecidas maiores e melhores instalações para o funcionamento. Isto, em uma cidade que em todos os sentidos está muito menos apta (financeiramente) e necessitada ( número potencial de vítimas) do que a nossa.


Gostaria de terminar meu “exercício de lógica” com uma solução ou, se assim preferirem, terminar minha “fábula” com uma moral digna de um Esopo, mas não posso agora, e nem sei se ainda poderei fazê-lo no futuro. Mas lhes deixo uma incógnita ainda por desvendar: - Quem ( ou o que ) é este agente nefasto e destrutivo que infecta a nossa memória histórico cultural? E porque?


(*) Esta matéria foi publicada no tabloide Opinião em outubro de 2009.De lá para cá o que aconteceu foi um Salve-se quem puder! E que corrobora minhas previsões de então.


Entre outros: desapropriação de uma terreno em frente á rodoviária que havia sisdo vendido a um investidor que não faz parte da patota, a Casa Wolney está cada vez pior e sem solução; um mega loteamento no Portinho ; assinatura às pressas do "convenio com o Clube Med, no Guriri; duas Marinas no Portinho sem saída direta para o canal(?) em sem calado para navegação nas proximidades; um estacionamento público construido em terreno privado na Gamboa; uma garagem de Jet Skys também na Gamboa autorizada, quando outra de uma pessoa que não é do grupo teve licença negada por motivos ambientais; aumento de gabarito no Braga para 10 andares; aumento de gabarito na Ogiva para 7 andares; aprovação (antes negada) da licença de construção da Marina da Ogiva com edificios que abrigariam 12.000 pessoas, sendo que o anal da Ogiva não tem calado suficiente para navegação; anuncio de´desapropriação de terreno para Construção de um Estádio de Futebol com capacidade para 60.000 pessoas (?) nas cercanias do Aeroporto; e licença para contrução de uma empreendimento particular em área pública na Praça das Águas e em frente ao Teatro Municipal... E isto só em se falando do que vem à público, mas com certeza existem outros. E ninguém - eu disse ninguém; está a salvo de ter seu imóvel saqueado, de uma hora para outra.


E agora, em cima das eleições, reativam os Conselhos de uma maneira atabalhoada, sem a participação da comunidade, só para ter respaldo "legal" em suas aventuras imobiliárias.


REAGE CABO FRIO!


Amadurecendo meus votos. Por Álex Garcia


A alguns meses atrás o brilhante Dr. José Francisco de Moura, mais conhecido como Professor Chicão, pediu que cada blogueiro desse a sua lista de candidatos nas eleições de outubro próximo, na época enviei meu relato de votos com várias lacunas, mas agora vou colocar todos os meus candidatos já definidos:


Deputado Estadual: Delma Jardim 11.233 (PP)


Voto em Delma por vários motivos, mas o principal deles é a coragem com que esta guerreira defendeu Cabo Frio do perverso governo de Marcos Mendes, sua coragem em enfrentar os “Donos” de Cabo Frio a fez sofrer diversas perseguições e intimidações, mas mesmo assim jamais esmoreceu em seus pilares morais. Por isso e por mais seu eficaz projeto político para a Região dos Lagos voto Delma Jardim para Deputada Estadual.


Deputado Federal: Stepan Nercessian 2323 (PPS)


Gosto da forma que Stepan faz política, é um vereador de sucesso, anda na rua, houve, conversa, um Homem humilde e simples na forma de levar a vida e que desenvolve um belo trabalho social, fico com Stepan Nercessian para Deputado Federal.


1° Senador: Crivella 100 (PRB)


Metade de meus leitores acabaram de enfartar, mas calma, gosto de pessoas que somam quando o barco parece já afundado, gosto de pessoas que estão ao nosso lado quando ninguém mais quer estar, voto em Crivella porque esse é o caso desse homem, para senador Crivella.


2° Senador: César Maia 251 (DEM)


A justificativa desse voto é bem simples, não voto em Picciani e Lindberg de forma nenhuma.


Governador: Gabeira 43 (PV)


Homem com passado brilhante, corajoso, como parlamentar teve uma atuação firme, acredito que Gabeira pode sim vencer esse câncer maligno que ancorou no governo de nosso estado, e nesse caso peço a você leitor, que não precisa me acompanhar votando em Gabeira, mas por favor, não vote em Sérgio Cabral, ele representa tudo de ruim que nós vivemos!


Presidente: Plínio Arruda Sampaio 50 (PSOL)


A justificativa desse voto é bem simples, Serra JAMAIS, Dilma só se for a única opção contra o Serra.


Ps. Vocês observaram uma salada de Partidos, mas eu não voto em legenda, voto em pessoas.


Dia da Vergonha e a realidade dos fatos.


Cerca de mil pessoas atenderam a convocação do Movimento Reage Cabo Frio e foram à Praça das Águas para protestar contra a entrega de uma área nobre para a construção de um condomínio com 16 unidades residenciais e 36 vagas de garagem que, a se consumar, vai tirar a bela vista dos turistas e veranistas e Cabo-frienses que freqüentam a feira dos artesãos e o teatro municipal.


A prefeitura, intimidada com a mobilização popular contra a autorização para a obra, correu a produzir uma placa e a colocou de frente para a Praia para que todos pudessem ler a mensagem que ao mesmo tempo em que procurava informar, tentava também explicar e apresentar uma desculpa. Segundo a placa, o empreendedor conseguiu na Justiça autorização para construir no local.


Foi justamente sobre isso que o deputado Alair Corrêa falou em seu discurso: o prefeito, poderia, se quisesse manter o local livre, desapropriar a área. Mas não o fez, segundo o deputado, por auferir benefícios pessoais. Também discursaram o empresário e ex-vereador Dirlei Pereira, o ex-vereador Vilmar Monteiro, Abílio Cesar, o militante do PT que denunciou Marquinho Mendes por tentativa de compra de votos, Ivan Cruz e o vereador Dr. Taylor.


Após os discursos, o povo, juntamente com o deputado Alair Corrêa, foi dar um abraço na obra demonstrando de que todos estão dispostos a não permitir que se construa no local um condomínio. A primeira atitude do Movimento Reage Cabo Frio será entrar com ação na Justiça com base em abaixo assinado recolhido no local, para que a Justiça impeça a construção do prédio naquele local.


Dirlei Pereira, um dos organizadores do movimento, considerou bastante satisfatória a presença das pessoas tendo em visa que o horário marcado para a manifestação foi coincidente com o horário comercial e muitas pessoas não puderam estar presentes porque estavam trabalhando.


Matéria: César Pinho.


Do Blog Cartão Vermelho:


Exmo.sr. Prefeito, você realmente acredita que o povo é IDIOTA, pobre Prefeito vítima da justiça.


Poupe-nos!


Denúncia – Casa de Festa incomoda vizinhos no Caiçara.


“Caro Álex Garcia,

Estou te escrevendo num domingo porque simplesmente não pude dormir esta noite.
Moro próximo a um salão de festas que não tem o menor isolamento acústico, o baile funk rola solto no pátio do que antes era uma casa e não tem hora para acabar.


Ontem foi um dia daqueles, festinha de 15 anos, só com adolescentes. Bebendo, bebendo , bebendo e depois? Depois dirigindo. De carro, moto, dando cavalinho de pau, aproveitando da falta de juízo deles, dos pais e de quem permitiu aquele tipo de "comércio" no meio de um bairro residencial.


E é ainda pior porque a polícia não atende o telefone. Liguei a uma da manhã e chamava, chamava mas ninguém atendia. Fui pra cama mas, as 4 horas da manhã estava passando muito mal porque não consegui dormir em meio aos barulhos de carros, festinha, muita gritaria, o que parecia um campeonato de tunning onde se disputava o som mais alto entre diversos convidados da festinha, até que enfim exatamente as 4 da manha um policial resolveu atender o telefone e ao que tudo indica encaminhar uma patrulha, afinal de contas é na rua seguinte a do Batalhão da PM.


Que o "comércio" é legalizado, tudo bem, pode ser, mas é muita irresponsabilidade que o seja, já que tira a paz de um bairro essencialmente residêncial e outra a Polícia ao que parece também não aguenta mais todo mundo ligando a noite implorando para dar-se um jeito.


Eu tenho 27 anos, não sou nenhuma pobre velhinha implicante, sou jovem e sei como é ser jovem e querer-se divertir,mas sei também que isso não justifica tantas pessoas insatisfeitas e sem poder dormir.


Aí você pode estar pensando, porque não se juntam e fazem um abaixo-assinado, o que se faz é tentar vender as casas próximas e sair de perto porque comenta-se na vizinhança que a propriétaria do negócio tem costas quentes e é muito brava chegando as vias de fato com quem vai reclamar do barulho.


Nessas horas penso que realmente cada povo tem o governo que merece, estamos aí vivendo um caos em tudo que é área na cidade e o povo ainda não pode reclamar.

O dito comércio pode ser visitado na Esquina entre as rua Alemanha e Narciso Portugal no Jardim Caiçara, atende pelo nome de Angélica Corrêa Festas.

Amigo, preserve o meu nome, não quero apanhar na rua.”


Do Blog Cartão Vermelho:

É realmente um problema ter seu sono bagunçado todos os fins de semana por uma casa de festa e show em meio a um bairro residencial.


Não conheço a Angélica Corrêa Festas, mas se você leitora se sente incomodada deve abrir uma ação civil contra a Angélica Corrêa Festas e pedir a comprovação judicial de todos os alvarás necessários para esse tipo de funcionamento, além de alegar que a casa opera com o som acima do permitido e não tem isolamento acústico.


Disponibilizo também o e-mail cartaovbermelhotv@gmail.com para que a Angélica Corrêa Festas responda sobre as acusações de nossa leitora.


Atenciosamente,


Álex Garcia


Se você leitor também tem alguma denúncia a fazer, pode nos enviar para cartaovermelhotv@gmail.com que daremos voz a sua reclamação.


Reage Cabo Frio! Dia da Vergonha. Por Dirlei Pereira




O grupo de Marquinho Mendes ama o poder e odeia a cidade!


O protesto que reuniu mais de mil manifestantes sexta-feira passada na praça do teatro municipal de Cabo Frio é emblemático porque serviu para colocar luz sobre uma verdade que todo mundo já sabia: o grupo político-jurídico-econômico, liderado pelo prefeito Marquinho Mendes, ao mesmo tempo em por um lado demonstra uma insaciável volúpia pelo poder, sendo capaz de cometer as maiores e mais absurdas peripécias para permanecer nele, por outro lado parece odiar a cidade de Cabo Frio. Isso ficou claro na entrevista dada pelo advogado Carlos Magno a uma emissora de rádio na manhã do dia do protesto.


Magno disse que a prefeitura só tinha dado a licença de construção ao condomínio Barramares, por força de uma suposta liminar que teria sido conseguida pelos proprietários do terreno. Em nenhum momento da entrevista o maior e melhor advogado do Brasil, ganhador das causas impossíveis, se dignou dizer que iria recorrer da decisão judicial. Nem arrotou, como de costume, o propagado prestígio junto aos tribunais.


Mas quando o assunto é a permanência de Marquinho no cargo, o mesmo Magno, em seguidas entrevistas em rádios e jornais, garante que seu cliente não sairá do cargo porque recorrerá até a última instância e até lá já terá terminado o mandato.


Se falta interesse, vontade política e dinheiro para contratar bons advogados para cassar a liminar da malfadada licença da obra da praça do teatro, o mesmo não acontece quando o assunto é a manutenção no cargo do prefeito mais cassado do país: aí são grandes os interesses, sobretudo os escusos. Se falta dinheiro para salvar a praça, que é do povo, sobram milhões e milhões para tentar salvar o mandato do político que é o ficha suja número um do país com mais de 400 processos.


E o pior é que a montanha de dinheiro escoada para proteger o prefeito que cometeu toda sorte de crimes eleitorais, ou seja, para defender o indefensável, é exatamente aquela que falta nas escolas, nos hospitais e postos de saúde.


Os milhões de dólares que todo mês atravessam as fronteiras de Cabo Frio na tentativa desesperada de salvar o prefeito são os mesmos que são desviados da geração de empregos, renda e riqueza, numa cidade que padece com o mais profundo esvaziamento econômico de sua história e cuja maioria dos comerciantes está falindo.


Sem falar dos falsos programas sociais, do material de construção, dos caminhões e mais caminhões de tijolo, de ferro e de cimento e das mais de cem mil cestas básicas que, não por mera coincidência, acabaram no dia 3 de outubro de 2008, juntamente com a eleição municipal.


Dirlei Pereira é empresário

dirleipereira@uol.com.br


PARÁGRAFO – Ponto e vírgula. Por Beth Michel


Hoje finalmente consegui assistir mais uma edição do excelente e lúcido programa PARÁGRAFO do canal 07, e desde já, peço a Valtenci, Sepúlveda e Buitrago minhas desculpas por surrupiar-lhes parcialmente o título nesta matéria. Agradeço também pela oportuna solidariedade dos apresentadores, quanto à tentativa de “cala-a-boca” por parte do prefeito cassado de Cabo Frio ao processar os Blogs Cartão Vermelho e Opinião, nas pessoas de seus titulares Álex Garcia e Walter Biancardine, dos quais sou (com muito orgulho) colaboradora desde a criação de ambos.


O “ponto e vírgula” é uma licença que me dou para ampliar um dos temas (notícias) tratados no programa: Segurança.


A segurança pública ou - melhor dizendo; a falta dela é também um caso de "logística urbanística", além dos aspectos “suis generis” abordados pelo prof. Sepúlveda de inversão de situação (favelas no alto e elites na várzea) e de inteligência (se antecipar aos fatos) e com certeza entra nesta ótica, o que foi levantado por Buitrago, que é a mudança de visão da droga como caso de saúde e não mais de polícia.


Chamo de logística urbanística o planejamento de desenvolvimento e/ou expansão imobiliária, que vem sendo feito de forma totalmente aleatória e irresponsável tanto no Rio de Janeiro como aqui mesmo em Cabo Frio.


Para não ser tediosa vou citar um só exemplo no Rio de Janeiro : que de tão notório deu até título de novela (Selva de Pedra), e que - salvo erro, foi no governo Negrão de Lima. Havia uma enorme favela que ia desde o Jardim de Alá até a Lagoa Rodrigo de Freitas que resistia bravamente à mudança para a Cidade de Deus construída pelo governo do estado para abrigar os favelados desalojados das favelas da zona sul (Pasmado, Cantagalo entre outras). Muitas tentativas “amigáveis” foram feitas para o governo para “limpar” a área dos indesejáveis vizinhos das elites que habitavam o entorno (eixo Ipanema/Leblon), e nada: destruía-se um barraco e surgiam mais três... O impasse foi finalmente resolvido por um “acidente”: um incêndio que lambeu todas as casas da comunidade em uma única e aflitiva noite. Os moradores foram alojados na Vila Kennedy e Cidade de Deus, mas aos poucos retornaram e engrossaram as, já grandes, favelas da Rocinha e Vidigal. E deu no que deu!


Sabem qual foi o motivo para a não adaptação ou fixação destas famílias nos locais designados? Falta de transportes rápidos e freqüentes - a maioria da força laboral trabalhava nas casas e comércios dos seus incomodados e endinheirados ex-vizinhos. E a total falta de infraestrutura (luz, água, saúde, escolas e ruas asfaltadas) e saneamento (esgotos) nos “bairros populares” feitos a “toque-de-caixa” para servir de depósito destas pessoas e suas famílias.


O empreendimento imobiliário que tomou o lugar da favela - e deu o título à novela da Globo, foi financeiramente muito bem sucedido, mas a burguesia emergente que comprou as unidades continua sendo olhada como invasores pelas elites, e o Jardim de Alá ainda é um dos lugares mais inseguros da zona sul. E quem levou a traulitada maior foi São Conrado, que também de maneira atabalhoada decidiu ser o "must" em matéria de hotelaria cinco estrelas (deve andar pelas três estrelas agora). Ou seja, quem ganhou!?


Nós em Cabo Frio não tiramos nenhum proveito dos erros cometidos no Rio e estamos entrando pelo mesmo beco-sem-saída: ganância desmedida de alguns empresários aventureiros, que vem fazer (e ganhar) aqui o que não fazem em sua própria terra, e com a conivência comprada por favorecimentos vários do des-governo local - devidamente apavorado com a anunciada perda dos royalties.


Ainda com o intuito de não entediar os meus caros, poucos e abnegados leitores/eleitores vou citar um único e recente exemplo e que ainda pode ser obstado pelo bom senso e pelo sentido de auto preservação do povo. E vou usar este exemplo por morar na vizinhança há já 11 anos e por isso conheço muito bem a situação no local.


Trata-se da recém aprovada construção de uma Marina na Ogiva que seria (espero que não seja) construída na área antes ocupada por uma salina. O projeto prevê construção de prédios de 5 andares, com capacidade para abrigar 12.000 (doze) mil pessoas, abertura de canais e construção de pontes cruzando a via pública, e píer no canal do Itajurú nas imediações do Clube Náutico, para uso exclusivo dos condôminos. Nem vou levantar o rol completo de impossibilidades técnicas, (como calado para as embarcações, por exemplo) ou empecilhos legais, que envolvem o empreendimento.


Vou tratar somente das “causas” enumeradas no exemplo supracitado do Jardim de Alá. Além de estar, tal como o Hotel Intercontinental , encravada bem no meio de áreas com índice de pobreza e criminalidade reconhecidamente alto: Jacaré, Jardim. Peró, Cajueiro e Gamboa. Não existe uma pré estabelecida infra estrutura adequada nem mesmo para as moradias já existentes, imagine-se para mais 12.000 pessoas! O piques de luz são freqüentes mesmo na baixa temporada, queimando aparelhos eletro-eletrônicos em toda a vizinhança, e na alta temporada sofremos apagões que duram mais de 36 horas, e transformadores que explodem por falta de manutenção da concessionária. A falta de água também é freqüente e a Prolagos exige a construção de cisternas para colocação de hidrômetros nas novas habitações, mas ainda assim a água chega com força e quantidade insuficiente. Todos os imóveis à beira do Canal lançam nele seus esgotos in natura, e as demais residências tem fossa/sumidouros próprios ligados à rede de águas pluviais (como em toda a cidade) e isto é o chamado "basicão" .


O esgotamento de água da chuva se provou totalmente insuficiente nas últimas enchentes, sendo que o local especifico do empreendimento ficou inacessível por dois dias após a chuva. O transporte coletivo passa a cada 40 minutos nos dias úteis e sem horário definido nos fins de semana, e está sempre superlotado nas entrada e na saída das escolas. Dos três postos de saúde locais, somente o da Gamboa funciona , e mesmo assim de forma precária. A varrição – antes diária (manhã e tarde); e feita duas vezes por semana sem horários pré estabelecidos. O recolhimento de lixo é feito em horários aleatórios e de maneira precária. Escolas? Um Ciep no Jacaré, e duas pequenas escolas Municipais. Comércio? Rua dos Biquínis (90% vestuário) e dois supermercados “populares” no Jacaré. Restaurantes? Os dos Clubes, ou o do Mercado do Peixe.Polícia? Um DPO sem viatura, nem telefone e com uma “guarnição” de dois homens. Banco? Vocês estão brincando, né!?


Mas do que eu estou falando!? Para quem vai gastar uma “nota preta” na aquisição de um apartamento na idílica e glamorosa Cabo Frio, o que importa isso tudo !? Estou louca para ver os folhetos e a publicidade na TV...É o que pensaram os hóspedes feitos reféns no Hotel Intercontinental do Rio. Mas eu aposto o que quiserem que as diárias dos clientes foram cobradas na integra, e que os funcionários não terão incorporados aos salários um bônus por risco “vizinhança”...


Ah! Esqueci de um fator muito subjetivo, mas de relevância , como será que vão se sentir os moradores do Jacaré e Gamboa, e até os da burguesa Ogiva em relação aos novos vizinhos!?


As respostas ficam por conta da imaginação de cada um e da eficiência notória das autoridades municipais. Quanto a mim: estou pensando seriamente em me mudar...


- |