LEAL PORTO TELECOM

LEAL PORTO TELECOM

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2644-4080 // 99999-5998

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Lições de Kassab, o prefeito que não cumpriu 56% das metas.




Por Pedro Nascimento Araujo

Gilberto Kassab foi um fenômeno político-eleitoral como há muito não se via. De vice-prefeito de São Paulo, discreto por natureza e por imposição de José Serra, seu chefe e mentor, Kassab tornou-se o homem que conseguiu enfrentar os maiores desafios de São Paulo. Sob seu comando, a desordem urbana começou a diminuir. Todavia, os paulistanos, que já estiveram em lua de mel com Kassab, já não têm mais a mesma paciência de antes para com seu prefeito.

Tecnicamente, isolar um fator para avaliar o desempenho de um homem público é tarefa árdua. Com Kassab não haveria de ser diferente. Ele fez muitas coisas em prol da cidade, mas acabou traído pela ambição de recriar o PSD, fiel da balança na República Democrática (1945-1964). Os paulistanos não perdoaram o que viram como uma relegação ao segundo plano da sua cidade. Kassab conseguiu criar uma agremiação política poderosa, mas perdeu apoio popular por ter feito isso. Literalmente, Kassab está se enforcando com a corda que ele mesmo teceu. E que, paradoxalmente, é sua maior contribuição para a política nacional.

O legado de Kassab é uma maneira objetiva de provar que ele fez um péssimo segundo governo. Especificamente: o ainda prefeito paulistano não cumpriu 56% das 223 metas que se comprometeu a cumprir nos 4 anos do seu derradeiro mandato à frente da cidade de São Paulo. O plano de metas municipais, uma iniciativa da ONG Rede Nossa São Paulo, lista metas de melhorias de qualidade dos serviços prestados à população que o chefe do executivo se compromete a cumprir, como a abertura de novas vagas em hospitais públicos.

O que há em São Paulo não é uma lei como meu projeto da Lei de Responsabilidade Social e, portanto, não prevê punições como a perda do mandato eletivo, mas é uma forma de permitir ao povo acompanhar, sem paixões políticas, o desempenho de um político. Já há 28 cidades no Brasil que se dispuseram a incluir em seus planos orgânicos iniciativas semelhantes. Aos prefeitos eleitos de Petrópolis (Rubens Bomtempo) e de Cabo Frio (Alair Corrêa), homens que têm a experiência de ter comandado suas cidades e que em janeiro retornam aos cargos, deixo a sugestão: adotem iniciativa semelhante. Vocês já provaram que são capazes de ter desempenhos que excedem o que a população espera. Se isso ficar claro em termos de números, seus adversários terão de procurar novas ocupações nos próximos anos.

Pedro Nascimento Araujo é economista.

0 comentários:

- |