Leal Porto

Leal Porto

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2647-5341

sexta-feira, 14 de junho de 2013

A (Des)vantagem é de quem?


Por Rodolpho Campbell

Atualmente os alguns líderes religiosos têm falado tanto da liberdade de expressão e do combate a privilégios, que escolhi a coluna de hoje para questionar e perguntar:

• Quem realmente tem privilégios no Brasil? Quem não paga impostos? Igrejas ou LGBTs?

• Num Estado Laico como o nosso há igualdade de expressão para todas as religiões ou somente as que podem pagar ganham esse direito?

• Quem tem canais e programas de rádio e TV?  Os LGBTs, todas as religiões ou somente algumas? (Vale lembrar que os canais de comunicação são concessão pública).

• Quem tem passaporte de diplomata no Brasil, pastores ou LGBTs? (Vale lembrar também que essa “igualdade” não é estendida a todos os religiosos).

• Quem tem uma lei que os protege da discriminação desde 1989? Os LGBTs ou os Evangélicos?

• Quem tem liberdade para pregar o que pensa dentro de escolas, penitenciárias, hospitais? Os LGBTs ou os pastores?

Diante dos fatos elencados e das respostas obtidas, pergunto: será que realmente esses pseudos líderes religiosos querem a liberdade de expressão e o combate a privilégios?

Agora, com os olhares mais abertos, vamos analisar três outros pontos que estão na boca do povo nessas últimas semanas:

A agressão a um pastor na manifestação contra os gays, por confundi-lo com militante gay, e sobre a pastora que escravizava uma menina de 11 anos.

Primeiro ponto – Alguns líderes “religiosos” que garantem não ser favoráveis a violência contra homossexuais, e que só não aprovam nossa prática (condição sexual) e os futuros “privilégios” de nosso segmento, são os mesmos que agrediram um pastor, simplesmente por tê-lo confundido com um militante gay. Mas isso não é PARADOXAL demais? Afinal, a manifestação não era a favor, também, da liberdade de expressão? Então, se tem alguém que não concorda com seu ponto de vista, esse alguém merece ser agredido?

Segundo ponto – A inversão e a não aplicação dos contextos culturais da atualidade de nossa sociedade faz com que retornem para períodos obscuros de nossa história. Atendendo ao livro de Levíticos, capítulo 24, onde está escrito: “E quanto a teus escravos, serão das nações que estão ao redor. Deles comprareis escravos e escravas(...) E possui-los-eis por herança para vossos filhos depois de vós; perpetuamente os fareis servir”. Em Goiânia, no estado de Goiás, uma pastora evangélica levou essas palavras ao pé da letra e mantinha uma criança indígena de 11 anos como escrava. Mas a escravidão não foi abolida? Será que agora tudo o que está na bíblia será posto em prática ao pé da letra? Tenho medo só de pensar nisso.

Terceiro ponto – O assassinato brutal de um querido e renomado cabeleireiro de São Pedro da Aldeia em um bairro nobre de Cabo Frio. O que leva um indivíduo a tirar a vida de um ser humano a pauladas? Dá pra se acreditar em homofobia?  Respondo: Claro que sim, pois 90% dos casos de homicídios de homossexuais com esses resquícios de crueldade e com esse modus operandi do autor ou dos autores, que inclui muitas vezes tortura prévia da vítima, a utilização de diversos instrumentos mortíferos e elevado número de golpes, é classificado como HOMOFOBIA.

Até quando veremos a condição sexual diferenciada de um ser humano dizimar milhares de vidas?

Como se já não bastasse uma batalha contra o fundamentalismo religioso, agora vemos refletidas e multiplicadas diariamente em todos os cantos do Brasil barbaridades como essa, acometidas única e exclusivamente por repulsa e propagação de discursos de aversão e de repreensão a homossexuais, por parte destes mesmos fundamentalistas.

Torço para que tais fatos sirvam para comoção e reflexão, pois não podemos aceitar a dizimação de seres humanos, a restrição de direitos civis por suas condições sexuais e nem tão pouco que pseudos líderes religiosos continuem propagando o ódio e vivendo uma hipocrisia.                                                                                                                                                                   

Que a SENSATEZ prevaleça e que todos nós que acreditamos no amor, possamos, de fato, dar um FIM a toda essa INTOLERÂNCIA.

0 comentários:

- |