LEAL PORTO TELECOM

LEAL PORTO TELECOM

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2644-4080 // 99999-5998

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Dreamers




Por Pedro Nascimento Araujo

“Dreamer, you know you are a dreamer / Well can you put your hands in your head, oh no”. Os versos iniciais de Dreamer, canção de 1974 do Supertramp, são uns dos mais conhecidos na história da música internacional. A letra faz graça com os sonhadores (“dreamers”), mas, atualmente, o nome Dreamers remente, nos Estados Unidos, a um movimento bastante interessante e sério, que vale a pena conhecer. Os EUA possuem aproximadamente 11 milhões de imigrantes – pouco mais de 3% de uma população de 315 milhões de pessoas. Ainda assim, 11 milhões é um número considerável de pessoas vivendo na ilegalidade. A maioria é de imigrantes da América Latina – México à frente, mas também muitos oriundos de Cuba, Colômbia e países da América Central. As propostas de regularizar tamanho contingente são debatidas no Capitólio há décadas sem que se chegue a uma conclusão satisfatória. A mais recente tentativa, promovida na presidência de Barack Obama, também fracassou. É nesse momento que surge o Dreamers.

O Dreamers é um representante daquilo que se convencionou chamar coletivos. Na prática, são pessoas que se reúnem em torno de um objetivo comum, não tendo necessariamente nenhum ponto de contato além dele. E qual é o ponto de contato do Dreamers? Simples. São tão americanos quanto aqueles americanos que pregam restrições a emigrantes latino-americanos: cresceram nos Estados Unidos – em geral, levados pelos pais, imigrantes ilegais, quando bebês. Na prática, são culturalmente americanos: foram educados em escolas americanas, falam inglês fluentemente, gostam de futebol americano. Não se identificam com a cultura dos países de seus pais – não raro, falam as mesmas poucas palavras em espanhol que um típico filho de americanos nascido nos EUA falaria. Mas não podem viver nos EUA por absoluta falta de documentação.

Para ser mais específico, os membros do Dreamers – vale lembrar que não chegam a 100 – não foram expulsos dos EUA. São exemplos daquilo que políticos que não conseguem disfarçar sua xenofobia chamam pelo neologismo “autodeportados”, como Mitt Romney fez para prejuízo de sua campanha à presidência. As razões para a autodeportação são absolutamente cruéis: por falta de uma solução para seus status, eles não podiam fazer nem coisas banais como tirar uma habilitação nem coisas mais elaboradas, como entrar em uma faculdade pública – pior ainda, quando eram alunos excepcionais (e há muitos desses no Dreamers) não podiam sequer ganhar os financiamentos que as melhores faculdades privadas lhes ofereciam. Resumindo: cidadãos que, se tivessem situação regular, certamente seriam parte da elite americana e aumentariam a média de qualificação dos cidadãos do país, simplesmente não podem sê-lo porque o Congresso não decidiu o que fazer com eles – e, aparentemente, nada mudará enquanto o claudicante Obama estiver na Casa Branca.

O que faz os Dreamers especiais é o fato de eles terem resolvido lutar contra tamanha estupidez por parte do Capitólio. Enquanto os pais eram imigrantes ilegais (que chegaram aos Estados Unidos escondidos e escondidos e sem documentos passaram a vida sem falar inglês e dispostos a fazer trabalhos não qualificados tanto para fugir da miséria ou da violência de seus países de origem quanto para poder proporcionar um futuro melhor para seus filhos), os filhos (que foram educados nos EUA, falam inglês como língua nativa e podem concorrer aos melhores empregos se sentem estrangeiros nos países nos quais nasceram e para os quais foram impelidos a retornar na chamada autodeportação) desistiram de se esconder  e decidiram atrair atenção para suas situações. Há um mês, 9 ativistas do Dreamers tentaram, ostensivamente e anunciadamente, entrar ilegalmente nos EUA apenas para serem detidos pela Border Patrol. Ficaram algumas semanas presos e conseguiram atenção da mídia mundial: eram jovens bem vestidos e bem articulados, davam entrevistas em inglês perfeito e apresentavam suas credenciais: estudaram em boas escolas nos Estados Unidos, tinham notas para entrar nas melhores faculdades do país etc. mas não podiam permanecer no país, um contraste gritante com a imagem sedimentada no imaginário americano de mexicano que tenta entrar ilegalmente nos EUA. Para essa semana, há outra ação agendada – desta vez, deverão ser 30 os voluntariamente presos.

Ao optar por essa forma inteligente e até certo ponto bem humorada de expor as inconsistências da omissão do Capitólio, o Dreamers reaviva a desbotada tradição americana de desobediência civil pacífica, que tem, nos Estados Unidos, expoentes como Rosa Parks, a negra que foi presa, julgada e condenada porque, em 01-Dez-1955, se recusou a levantar-se em um ônibus lotado para dar lugar a um homem branco, conforme mandava a lei do Alabama, dando início ao Movimento de Direitos Civis que atingiu seu apogeu nos anos 1960. Os Dreamers sabem que, ao serem presos por tentar entrar ilegalmente nos EUA, ainda que o façam deliberadamente e comunicado suas intenções às autoridades, arriscam-se a nunca mais serem autorizados a entrar no país, eliminando qualquer possibilidade de obter uma cidadania futura. A aposta é grande: se o Dreamers conseguir mobilizar a sociedade como Rosa Parks o fez, eles poderão voltar a viver no país que sentem como seu com a dignidade necessária; todavia, se não conseguir, perderão as chances individuais de conseguir cidadania americana. Um somatório de sacrifícios individuais em prol de um incerto ganho coletivo que evoca a velha canção de John Lennon, Imagine: “You may say I'm a dreamer / But I'm not the only one / I hope someday you'll join us.”. O Dreamers é uma bela mensagem que jovens forçados a sair dos Estados Unidos deixam para o mundo.

Pedro Nascimento Araujo é economista.

0 comentários:

- |