LEAL PORTO TELECOM

LEAL PORTO TELECOM

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2644-4080 // 99999-5998

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Outubro Vermelho em Novembro. Por Pedro Nascimento Araujo


Outubro Vermelho em Novembro

Karl Marx foi um frasista genial. “De cada um de acordo com suas capacidades e para cada um de acordo com suas necessidades” foi o slogan que embalou a expansão comunista (e que slogan!), enquanto “A história se repete, a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa” (usada na avaliação do período napoleônico) pode estar se provando certa, ao menos no Brasil hodierno, se tomarmos como exemplo a reforma ministerial que Dilma Rousseff ordenou na última semana. Ao dar mais espaço e mais verbas para o PMDB em troca de proteção contra a abertura do processo de impeachment, a suprema mandatária nacional (uma marxista) pôs em marcha um processo que poderá fazê-la terminar arrependida por ter aceitado a sobrevida política que o PMDB lhe deu. Ao entregar todos os anéis ao PMDB para manter os dedos, Dilma Rousseff colocou-se na incômoda situação de appeasement (“apaziguamento”, na tradução mais consagrada, conquanto algo imprecisa). Se Marx estiver realmente certo, nós já sabemos que isso não termina bem. As ideias de Marx inspiraram o golpe dentro do golpe que Lenin liderou em 1917 e que ficou conhecido como Outubro Vermelho. Pelo que se apresenta, Dilma Rousseff está em vias de encarar seu Outubro Vermelho, com ou sem appeasement do PMDB.

O appeasement mais famoso da história ocorreu em 1938 e envolveu o premier britânico Neville Chamberlain e o ditador nazista Adolf Hitler. Hitler havia tomado os Sudetos (regiões com expressiva presença germânica na então Checoslováquia) manu militari e o mundo precisava decidir o que fazer. Eis que Chamberlain entra em cena. Ciente de que não possuía apoio político para confrontar Hitler e, portanto, arriscar dar início a uma nova guerra contra os alemães apenas duas décadas após o fim da sangrenta Grande Guerra, Chamberlain voou a Munique. Hitler, ciente da claudicância de Chamberlain, se aproveitou da situação para ganhar tempo na preparação de seus exércitos. Um acordo por meio do qual os ganhos ilegais de Hitler nos Sudetos foram legitimados foi confeccionado por Alemanha, França, Itália e Reino Unido – a Checoslováquia, país cujos territórios estavam sendo tomados, sequer participou das tratativas. Hitler se declarou satisfeito com os Sudetos (além do Anschluss, incorporação da Áustria, ocorrido em março do mesmo ano) e assinou um acordo de paz com Chamberlain, que pousou em Londres triunfante no último dia de setembro de 1938, como um garantidor da paz, exibindo o acordo de paz bilateral. Obviamente, em março de 1939 Hitler não encontrou resistência quando ocupou virtualmente toda a Checoslováquia e desfiou calmamente em uma Praga ocupada. Ainda assim, Hitler anunciava não querer guerra com os europeus (e, surpreendentemente, muita gente defendia que novas concessões fossem feitas, cada vez mais, para evitar a eclosão de uma nova guerra) e, portanto, um novo appeasement deveria ser feito. Enquanto isso, Stalin, que mandava enviados para participar de conversas com os europeus nesse sentido, negociava com Hitler em segredo e, em agosto, nazistas e soviéticos assinariam o Pacto de Moscow, por meio do qual se aliavam para dividir a Europa. Poucos dias depois, a aliança nazi-soviética se colocaria em marcha na invasão e partilha da Polônia, marcando o início da Segunda Guerra Mundial e o fracasso doappeasement. Se Marx estiver certo, é bom olhar para essa lição histórica: o appeasement que Dilma Rousseff resolveu fazer para agradar ao PMDB apenas dará origem a demandas cada vez mais desmedidas, até que não seja mais possível mantê-las e o rompimento ocorra. É Marx na veia de uma marxista.

Appeasement para o PMDB é como appeasement para Hitler: mera postergação do inevitável que, quando chega, chega ainda mais devastador – seja a guerra, seja oimpeachment. O PMDB não tem compromisso algum com o governo de Dilma Rousseff. Em que pese a atávica descentralização de comando no partido, o PMDB é unido por uma coisa: instinto de sobrevivência. Seus caciques estão se locupletando no curto prazo com mais espaço e verbas no governo, mas sabem que a situação de Dilma Rousseff é insustentável. Portanto, não terão constrangimento algum em mudar de lado se ficar claro que um processo de impeachment é iminente. Dilma Rousseff e o PMDB sabem disso, mas a presidente tenta sobreviver um dia de cada vez. Ocorre que os dias dela serão cada vez mais curtos. Com a iminência de más notícias no horizonte, não há como pensar em saída para a crise política nesse início de outubro. Com a crise econômica se aprofundando (inflação chegando aos dois dígitos e PIB encolhendo quase 3% neste ano), não há loteamento de ministérios que faça políticos se indisporem com seus eleitores. O paiol está abarrotado. Basta uma fagulha que a explosão ocorre. A fagulha pode ser dada pelo Tribunal de Contas da União, que deve aprovar um parecer recomendando a rejeição das contas dela de 2014 nesta semana, fato inédito. Isso abre caminho para que o Congresso Nacional vote a rejeição e torne possível torná-la ré por crime de responsabilidade, uma das hipóteses de impeachment. Ou ainda ser dada pelo Tribunal Superior Eleitoral, que pode cassar a diplomação dela se restar comprovado que houve abuso de poder econômico na campanha de 2014. Ou, quem sabe, por um homem-bomba travestido de presidente da Câmara dos Deputados que conhece todos os atalhos regimentais. De um modo ou de outro, todos os caminhos podem levar ao Outubro Vermelho. Em tempo: a Rússia utilizava o calendário juliano naquela época; portanto, o Outubro Vermelho, na verdade, aconteceu em Novembro. Dia 15 de Novembro, aniversário do Golpe da República, o PMDB fará sua reunião nacional. Há chances reais de o partido romper oficialmente com Dilma Rousseff nela, tirando-lhe o derradeiro anteparo ante o abismo do impeachment. Assim como um appeasement que saiu pela culatra, um Outubro Vermelho em Novembro também não seria exatamente uma novidade: História se repetindo como farsa, como preconizou o inspirador de Dilma Rousseff.


Pedro Nascimento Araujo é economista.

0 comentários:

- |