Leal Porto

Leal Porto

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2647-5341

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

As paredes de Queluz. Por Pedro Nascimento Araujo


As paredes de Queluz

A memória afetiva de qualquer povo tem suas peculiaridades. Especificamente, a memória coletiva brasileira registrou D. João VI positivamente. Em pleno 1957, portanto a três anos da inauguração de Brasília, a um ano do lançamento de Chega de Saudade, marco zero da Bossa Nova, e a um ano da vitória sobre a Suécia na Copa do Mundo de 1958, todos marcos de um Brasil que se modernizava, deixava para trás o complexo de vira-latas e encantava o mundo com uma capital futurista, um futebol mesmerizante capitaneado por Garrincha e Pelé e uma música que tornaria o maestro soberano Antônio Carlos “Tom” Jobim um dos maiores artistas do mundo, o samba-enredo da Portela tratou de passado: Legados de D João VI foi o primeiro de um tetracampeonato da Águia de Madureira. A letra do grande sambista Candeia (com Picolino e Waldir) cita fatos históricos bem conhecidos, como a abertura dos portos, a fundação da imprensa e a invasão da Guiana Francesa, para introduzir o refrão: “Viva o grande monarca / Regente do destino do Brasil”. Todavia, não há na letra qualquer menção àquela que foi a Rainha do Brasil até sua morte no Rio de Janeiro já como Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves em 1816. A razão? D Maria I, a Rainha de jure, não era a Rainha de facto há muito: após a morte de seu marido, ela enlouqueceu e já não mais poderia governar, muito menos em plenas Guerras Napoleônicas. Já há muito isolada no convento do Palácio de Queluz quando da transmigração da Corte, a soberana carola foi peça decorativa até sua morte. A história sequer registra a maior parte do governo dela como sendo dela – oficialmente, desde 1792 D João assumiu o papel que já desempenhava oficiosamente há muito. Para os brasileiros, ficou para ela apenas a lembrança de “D Maria, a Louca” e de D João como o “Regente do destino do Brasil.” Exatos dois séculos após a criação do Reino Unido, a mais genial e menos celebrada obra de D João VI (malgrado sua curta duração: criado em 1815 por sugestão do Príncipe Talleyrand, representante francês no Congresso de Viena, o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves sofreria abalos terminais com o Grito do Ipiranga em 1822, com a Guerra de Independência que se seguiu a ele tornando impossível nos termos tornado uma versão lusófona da Commonwealth of Nations), vivemos uma situação semelhante: Dilma Rousseff, quem deveria governar o Brasil, não governa de fato. E, pior, falta-nos o “Regente do destino do Brasil”, aquele que comandou Portugal enquanto D Maria I gritava suas ordens insanas para as paredes do Palácio de Queluz.

Traçar paralelos entre Maria Francisca Isabel Josefa Antónia Gertrudes Rita Joana (D Maria I) e Dilma Vana Rousseff é um exercício complicado pela mais óbvia das razões: Rousseff não é louca. Todavia, entre ambas há a inegável situação de terem perdido o controle de seus respectivos governos, com clara vantagem para “A Louca”: D Maria I perdeu o poder e ponto final. Rousseff, não: ainda acha que tem poder, quando não mais o tem. Na prática, ela não é mais chefe de estado há muito. Como não foi interditada, tem espasmos de achar que comanda o Brasil e faz coisas como sabotar e fritar até demitir Joaquim Levy. Não é loucura; aliás, antes fosse, porque seria perdoável. É apenas um erro monumental, que pode parecer insanidade, mas decididamente não é. Dilma Rousseff é a pior presidente do Brasil segundo os próprios brasileiros: nunca um governante deparou-se com rejeição no nível da dela, nem mesmo Collor de Mello. Isso, per se, é um feito memorável. Mas piora. Os dados da economia são péssimos e ainda não atingiram o fundo do poço. Inflação em dois dígitos, desemprego chegando rapidamente lá, investimentos em queda livre, zero de confiança por parte do mercado etc. etc. etc. – e mais etc.: não há boas notícias nesse front e não haverá tão cedo. A origem desses problemas é 100% responsabilidade dela. A tal Nova Matriz Macroeconômica já entrou para os anais da histórica econômica nacional como um desastre comparável ao Encilhamento de Ruy Barbosa ou o confisco de Collor de Mello. Gestada com DNA fornecido pela própria Dilma Rousseff e tendo como ventre de aluguel o anódino Guido Mantega, a Nova Matriz Econômica foi embalada por Arno Augustin e Nelson Barbosa. O resultado? Depressão, um termo econômico que basicamente indica recessão para lá de grave e prolongada. Por isso, Rousseff foi obrigada a chamar Joaquim Levy para ser como uma tutora prussiana para seu filho mimado. Ótima ideia – exceto pelo fato de que admoestava a educadora sempre que esta se mostrava rígida com o miúdo. Na prática, sabotou o trabalho de Levy sistematicamente. A governanta tedesca se cansou de ser tratada como incompetente por quem sabotava seu trabalho e, germanicamente, pediu as contas sem alarde. Para educar o menino, Rousseff contratou alguém de acordo com sua ideia torta de que fazer todas as vontades do menino não o tornaria mimado: Nelson Barbosa. Não há como dar certo – e até as paredes do Palácio da Alvorada sabem disso.

D Maria I viveu mais de duas décadas alijada da condição de governante. Suas ordens só eram ecos nas paredes rococós do Palácio de Queluz e, depois da transmigração, nas paredes mais discretas do Convento do Carmo. Ninguém duvidava das boas intenções dela. Ninguém duvidada da honestidade dela. O problema é que ninguém confiava na capacidade dela de governar – e estamos falando de uma monarca absolutista, com poder lastreado no direito divino. A capacidade de governar, decididamente, D Maria I havia perdido, por mais poderosa que fosse. Finalmente chegamos ao ponto que iguala D Maria I e Dilma Rousseff: incapacidade de governar – uma pela loucura completa, outra pela perda completa de sustentação política. D Maria I, a Louca, todavia, teve mais sorte do que Dilma Rousseff: contava com seu filho, o Príncipe Regente D João, um “grande monarca” que assumiu as rédeas do reino quando sua mãe não tinha mais condições de fazê-lo. A patente loucura dela foi fator determinante para tanto. Ao gritar ordens desconexas em Queluz, não havia mais como negar seu impedimento para o cargo. Lusitanamente, o filho não fez o uso do trono da mãe para usurpá-lo; do contrário, o fez para preservar todos (Portugal, Coroa e mãe) de usurpadores que certamente grassariam em meio ao caos de um Reino que se dissolveria a olhos vistos. Dilma Rousseff não tem seu D João. Aliás, o Palácio da Alvorada mal tem paredes, sendo mais afeito a vidraças. E o Brasil tem menos esperança ainda de que Dilma Rousseff volte atrás na ideia insana de colocar Nelson Barbosa para comandar o Ministério da Fazenda. Nos tempos de D Maria I, a Louca, apenas as paredes do Palácio de Queluz aquiesceriam com seus obsequiosos silêncios diante de tão absurda ordem – e mais nenhum português. Nos tempos de Dilma Rousseff, 200 milhões de brasileiros são obrigados a sofrer com estapafúrdia ideia de que Dilma Rousseff e Nelson Barbosa usarão as mesmas medidas que usaram para criar a atual depressão econômica para debelá-la. A proposição é tão surreal que ninguém se espantaria se as parcas e inanimadas paredes do Palácio da Alvorada criassem vida e sussurrassem para a autora da ideia, com o sotaque de Portugal dos dias em que D Maria I disparava impropérios ao vento no Palácio de Queluz: “Vós também enlouquecestes, augusta senhora?”


Pedro Nascimento Araujo é economista.

0 comentários:

- |