Leal Porto

Leal Porto

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2647-5341

quinta-feira, 30 de março de 2017

Novela "A Saga da Jeitosinha" de James Santos - Capítulo 16 "SURPRESA"


Narrador - Bruno havia bebido a tarde inteira, buscando no álcool a coragem necessária para pôr a prova sua masculinidade. Por isso mesmo, a imagem de Jeitosinha, naquele bordel de luxo, observando-o em pleno ato de amor com um travesti, pareceu uma alucinação ou um sonho.

Bruno sem muita inspiração - Amor... Não é nada disso que você está pensando! - .

Narrador - Depois, recuperando a sobriedade, foi tomado por um tipo diferente de perplexidade.

Bruno - Mas... Espera aí... O que você está fazendo aqui? -

Narrador - Cheia de revolta, Jeitosinha disse a primeira coisa que lhe ocorreu para ferir Bruno:

Jeitosinha - O que lhe parece? Pelo visto você prefere as morenas... Mas nós, loiras, somos muito boas na arte de enlouquecer os homens...

Bruno -  Não pode ser, meu amor... Diga que é um sonho... Me belisca para eu sentir dor e acordar!

Jeitosinha cheia de ironia - Depois do que eu vi pela fresta da porta, tem certeza de que não tem nada doendo aí? -

Bruno -  Não! Você não! Não pode ser! Não pode ser!

Narrador - Bruno puxava os próprios cabelos com violência e rolava pelo chão num desespero patético. Jeitosinha apenas jogou os cabelos longos para o lado, com aquele gesto superior com que as loiras costumam descartar os simples mortais, e retirou-se do ambiente.

Seu coração por dentro estava em frangalhos, mas o que Bruno viu foi a imagem de uma mulher fria.

"Com passos precisos e a elegância de uma modelo, Jeitosinha atravessou o corredor e voltou ao escritório de Madame Mary. Lá dentro, tombou de joelhos e começou a chorar.

Jeitosinha - Não pode ser, Madame Mary... Meu amado, Bruno... Um homem tão puro e íntegro... Aqui! Com aquela... aquela...

Narrador  - a certeza de que não era tão diferente da exótica morena impedia Jeitosinha de achar a palavra certa.

Mary - Os homens são todos iguais, minha criança -  Uns animais capazes de qualquer coisa por um momento de luxúria. Eles nunca saberão o que é o amor verdadeiro. É justamente isso que torna tão fascinante a nossa arte de sedução...

Narrador - Jeitosinha levantou os olhos e, agarrando-se às pernas da misteriosa mulher, implorou:

Jeitosinha - Ajude-me, Madame! Ajude-me a ser como você!

Madame Mary - Claro, querida... Claro....

Narrador - Madame Mary sabia que tinha nas mãos um diamante em estado bruto. Um diamante pronto para ser lapidado na dor de um coração partido.

Do Blog Cartão Vermelho - A maioria dos leitores do Blog Cartão Vermelho que nos escreveram e-mail sobre o Folhetim acham que os ETs não têm nada a ver com a história. Eles ainda vão terminar o que começaram, depois vão embora para sempre...

Confira amanhã o próximo e emocionante capítulo!

Para reler o Capítulo 1 clique AQUI
Para reler o Capítulo 2 clique AQUI
Para reler o Capítulo 3 clique AQUI
Para reler o Capítulo 4 clique AQUI
Para reler o Capítulo 5 clique AQUI
Para reler o Capítulo 6 clique AQUI
Para reler o Capítulo 7 clique AQUI
Para reler o Capítulo 8 clique AQUI 
Para reler o Capítulo 9 clique AQUI
Para reler o Capítulo 10 clique AQUI
Para reler o Capítulo 11 clique AQUI
Para reler o Capítulo 12 clique AQUI
Para reler o Capítulo 13 clique AQUI
Para reler o Capítulo 14 clique AQUI
Para reler o Capítulo 15 clique AQUI

0 comentários:

- |