Leal Porto

Leal Porto

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2647-5341

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Respeitável Público - "VIOLÊNCIA S/A". Por Manoel Atanásio


Quando se levanta uma discussão em relação a violência em nosso estado o que não faltam são razões, explicações e desculpas para defender ou não o assunto e as respostas variam de acordo com as conveniências de quem as defende.

Em fevereiro de 2014 um menor que tentava assaltar um turista canadense em copacabana foi agredido e amarrado a um poste, na época as opiniões se dividiram e os antropólogos, sociólogos e os cientistas sociais tentaram mostrar que a violência é um conceito com muitas significações e que dependendo da ocasião um ser humano pacato pode se tornar um assassino feroz. 

Entendo que a violência não é muito bem entendida por uma parcela da nossa sociedade, pois quando se fala em violência a primeira coisa que se vem a cabeça é a guerra do tráfico, esquecem que no dia a dia existem tipos de violências bem mais sutis, temos que entender uma coisa, estamos convivendo com uma sociedade que pratica a violência de vários modos e que se quer entende que está cometendo esse ato, isso se dá pelo conceito que se tem, um conceito plantado e que enraizou em nosso meio e que hoje é visto como algo normal, o exemplo disto é que por vários anos a violência contra as crianças e mulheres dentro de casa era considerada normal e que só passou a ser reconhecida como violência quando estes maus tratos começaram a vir a público.

O TRÁFICO

É comum ouvir comentários que a comunidade/favela prefere defender os traficantes e ficar contra a polícia, claro que isto acontece e na maioria das vezes de forma indesejada, já que dentro destas comunidades/favelas a "lei" é severa e quem não segue paga muitas vezes com a vida. Estes tipos de defesas feitas pelos moradores acaba se tornando normais, já que estas pessoas não podem contar com o básico do básico de nossos governantes, não estou dizendo que isto seja uma regra, digo que é o que acontece em sua grande maioria, também não estou dizendo que o tráfico tem o poder de substituir o governo, não é isto, estou dizendo que a realidade é essa e é assim que funciona. 

A POLÍCIA 

Alguns de vocês já tiveram o prazer de visitar um batalhão em nosso estado? É assustador o abandono de alguns batalhões, não é só isto, qual é o valor que os policiais têm para quem nos governa? Numa entrevista o ex-chefe da polícia civil Hélio Luz diz o seguinte: "é polícia política mesmo, isto aqui é uma sociedade injusta e nós (policiais) garantimos essa sociedade injusta... O excluído fica sob controle, ai dele se sair disto..."

Funciona mais ou menos assim, o morro tal tá em guerra e isto já tá causando problemas no asfalto, então o governador liga para o secretário de segurança é diz: "Dá um jeito nessa porra..." O secretário de segurança liga para o coronel do batalhão próximo ao conflito e diz: " Acaba com essa porra..." O coronel mesmo com toda as dificuldades encontradas no batalhão mobiliza seus homens e vão com a cara e a coragem pois o resultado tem que acontecer e é nesta busca de resultados que explode a violência. 

A SOCIEDADE

Infelizmente sou obrigado a dizer uma verdade, nossa sociedade é canibalesca, adora ver sangue e é por isso que os principais jornais de nosso estado estampam em suas matérias de capa a violência, eles conhecem a sede de sangue que criaram dentro de nós e trabalham com isso, vendem a violência que querem e como querem para um povo que se deleita nas notícias recheadas das piores atrocidades do cotidiano carioca. Porém quando essa violência chega no asfalto essa sociedade grita e passeatas "pela paz" toma as ruas de copacabana e eu me pergunto porque essas passeatas não acontecem nas comunidades e favelas! 

A IMPRENSA

Se engana quem pensa que a grande mídia tá preocupada com a violência nas comunidades/favelas, o que importa para eles é vender ou desestruturar o governo ou até mesmo desmoralizar polícia e moradores das comunidades. Esse tipo de imprensa tá se lixando para o dia a dia de milhares de pessoas que vivem em áreas de conflitos. O que interessa para este tipo de imprensa é grana e nada mais. 

Todos os dias 16 pessoas são mortas por armas de fogo no nosso estado. ISTO É VIOLÊNCIA!

Todos os dias aproximadamente 23 pessoas morrem nos hospitais por vários motivos. ISTO É VIOLÊNCIA!

Todos os dias milhares de pessoas são discriminadas seja por religião, raça ou classe social. ISTO É VIOLÊNCIA!

Todos os dias a violência nos acompanha e é uma questão de tempo para ela nos afligir!

Manoel Atanasio da Silva Filho
atnurbano@gmail.com

0 comentários:

- |