Leal Porto

Leal Porto

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2647-5341

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Coragem irlandesa. Por Pedro Nascimento Araujo


“Coragem irlandesa” é a forma pejorativa como os americanos chamam a ingestão de bebidas alcoólicas fortes. Eivada de estereótipos formados quando da grande imigração irlandesa para o país no Século XIX, a ideia de que os irlandeses são um povo dado a brigas, bebedeiras e filhos sem parar (não necessariamente nessa ordem) permanece fortemente enraizada no imaginário popular dos Estados Unidos até os tempos hodiernos. Muito disso tem a ver com a ancestral desconfiança dos católicos que têm os herdeiros dos puritanos que emigraram no Mayflower para fugir de perseguições religiosas nas ilhas britânicas. O tempo passou e os católicos irlandeses passaram a ser vistos como simplórios e atrasados em relação a costumes, mas esse estereótipo pode estar com os dias contados. Nos últimos dois anos, os eleitores da Irlanda tiveram uma coragem legítima e sóbria de avançar em uma das pautas mais delicadas em direitos humanos: diversidade étnica e sexual. Para um país que tem no catolicismo uma fonte de identidade (os católicos respondem por quase 80% dos pouco mais de cinco milhões de irlandeses), eleger um premier gay e filho de imigrantes indianos (os brancos respondem por mais de 80% da população) é realmente um feito. Mostra tanto como o catolicismo pode ser compatível com a miríade de etnias e orientações sexuais quanto como um país pode modernizar suas instituições sem perder sua identidade. Por isso, vale conhecer mais sobre Leo Varadakar, o filho gay de indianos que é Taoiseach (premier) da branca e católica República da Irlanda.

Às duas novidades que Leo Varadakar (ser gay e não ser branco) traz, pode-se ainda acrescentar uma terceira: será o mais novo premier da Irlanda (tem apenas 38 anos). Com tudo isso, Varadakar é um reforço para o lado liberal no que parece ser uma guinada internacional rumo a novidades que seriam absolutamente improváveis há apenas um ano. A primeira – e, levando-se tudo o mais em conta, ainda a mais surpreendente – foi a saída do Reino Unido da União Europeia (relembrando: há pouco mais de um ano, David Cameron colocou a existência de um projeto de estado extremamente complexo e que consumiu esforços de gerações para ser decido por uma só geração em uma só votação com uma só pergunta, deu-se o previsível desastre e Cameron entrou para a história como o pateta que é), mas há outras. A eleição de Donald Trump foi outro fato impensável há dois anos (embora o evento fosse mais adequadamente descrito se a ênfase fosse na arrogância dos democratas, que insistiram uma candidata eleitoralmente tão fraca que, oito anos antes, perdera a indicação do partido para um desconhecido jovem senador chamado Barack Obama), assim como a eleição de Emmanuel Macron há poucos meses pode ser mais creditada à rejeição a Marine Le Pen do que a qualquer outro fator isolado. Aliás, se quisermos pensar em exemplos mais próximos, basta pensar em Rio de Janeiro e São Paulo: ninguém, em sã consciência, apostaria todas as fichas que o rejeitadíssimo Marcello Crivella e o desconhecido João Doria Jr estariam nas respectivas prefeituras – e, no mesmo diapasão, as eleições de 2018 no Brasil também dar-se-ão sob a égide da completa imprevisibilidade de resultados. Todavia, é difícil comparar qualquer um desses casos com o caso de Leo Varadakar: filho de imigrantes indianos e gay como chefe de governo na República da Irlanda é algo completamente inesperado. E, no entanto, aí está Varadakar. Vale conhecer um pouco mais sobre ele – provavelmente, o maior símbolo de uma época em que aspectos não relevantes para o exercício da função pública estão se tornando exatamente isso, ao menos no Ocidente: aspectos não relevantes para o exercício da função pública.

Há um século (1916), a Irlanda era parte do Reino Unido e começou um levante para ficar independente, o Levante da Páscoa – que seria massacrado pelos britânicos com crueldade exemplar. Com a Grande Guerra em um impasse instransponível (os americanos, fator de desempate contra os alemães, ainda não haviam sido atraído para o embate pelos próprios alemães, e os bolcheviques, que tirariam os russos da guerra, ainda eram apenas mais um grupo minoritário na miríade de oposicionistas ao tzar), ninguém imaginaria que, dois meses após a proverbial undécima hora do undécimo dia do undécimo mês, uma nova guerra eclodiria na Europa: a Guerra de Independência da Irlanda. Claro que os poucos mais de dois mil mortos pareceriam um grão de areia diante dos estimados vinte milhões que o conflito iniciado em 1914 gerou, mas ainda assim foi um choque – e, para muitos historiadores, o início do pôr do Sol no Império Britânico. As feridas foram tão grandes que apenas há seis anos a Rainha Elizabeth II efetuaria a primeira visita de um monarca britânico ao país exatamente um século após seu avô (George V) ter estado lá. As clivagens entre católicos e anglicanos são visíveis até hoje na paisagem de Belfast, capital do Ulster (Irlanda do Norte, parte do Reino Unido). O Eire (Irlanda do Sul ou simplesmente República da Irlanda, independente), que tem o catolicismo conservador como sinônimo de sua própria identidade nacional, não seria a aposta óbvia para um país pioneiro em eleger um premier jovem, gay e filho de imigrantes. E Leo Varadakar vem chamando a atenção da Europa não por ter a pele escura ou ser gay, mas por suas atuações políticas, notadamente no que diz respeito ao sempre controverso Brexit.

O Taoiseach tem em mente que a nova fronteira entre Eire e Ulster (Reino Unido) será uma fonte de problemas com o Brexit – e está capitalizando em cima disso para pressionar por uma unificação irlandesa. Falando em termos práticos: se o movimento de Varadakar der certo, o Reino Unido implode. Senão, vejamos. Hoje não há fronteira entre ambas as Irlandas: de carro ou de trem, simplesmente se passa de um país ao outro sem postos de controle; afinal, ainda que o Reino Unido nunca tenha aderido ao Acordo Schengen, a livre circulação de pessoas é uma das quatro liberdades da União Europeia e, sendo ambos (Reino Unido e Irlanda) membros da União Europeia, simplesmente não fazia sentido ter fronteiras internas. Tudo muda com o Brexit, todavia. E Varadakar está instrumentalizando isso com maestria. Ele simplesmente disse que não traçará fronteiras com o Reino Unido. Nas palavras dele, se o Reino Unido quer sair, então o Reino Unido que defina como quer as fronteiras com a Europa. É um golpe de mestre porque coloca uma pressão enorme sobre os norte-irlandeses. A ideia de uma fronteira seca fechada na Irlanda acabaria com décadas de cooperação (exemplo lúdico: o unificado Team Ireland compete na Copa do Mundo de Rugby) e isolaria o Ulster – obviamente, haveria também uma fronteira no Mar da Irlanda. Quando Varadakar fala que não quer uma fronteira entre as duas Irlandas, joga o problema para o frágil governo de Theresa May. Mais do que isso: Varadakar ora deixa escapar acha que um segundo referendo pode reverter o Brexit e ora fala que vai lutar que que haja uma união alfandegária que garanta o livre comércio com o Reino Unido. Em suma, ele vem lançando balões de ensaio com vistas a uma eventual reunificação irlandesa sob seus auspícios, mantendo-se sob os holofotes e levando a questão irlandesa consigo. Que um não branco, filho de imigrantes indianos, gay e jovem possa ser o artífice da reunificação independente da branca e católica Irlanda é algo que nem os mais criativos escritores do Século XX poderiam imaginar. O termo “coragem irlandesa” pode estar prestes a ganhar um novo significado.

Pedro Nascimento Araujo é econmista
nascimentoaraujo@hotmail.com

0 comentários:

- |