Pular para o conteúdo principal

Fazenda de maricultura no Peró irá estimular o progresso da cadeia produtiva do município




O turismo sempre foi uma das principais engrenagens da economia de Cabo Frio. Porém, com o passar dos anos, há a necessidade de ampliar os horizontes e alcançar outros segmentos para descentralizar os postos de trabalho e fomentar a cadeia produtiva. E esse estímulo ao progresso chegou ao município com o anúncio da fazenda de maricultura no Peró, com cultivo de mexilhões e vieiras.

O local selecionado pela Mexilhões Sudeste do Brasil (MSB), proprietária do empreendimento, é o canto esquerdo da Praia do Peró, por sugestão dos pescadores locais, e vai concentrar toda a atividade. A previsão é que sejam gerados cerca de 500 empregos diretos e aproximadamente 1.500 indiretos.

“ Apesar de ser um empreendimento privado, sem investimento do município, junto com a fazenda vem a formação de recursos humanos necessários para a implementação do plano tanto a nível técnico/universitário como em nível de operacional e, para isso, haverá com convênios entre a empresa, universidades e escolas”, destacou o prefeito, Dr. Adriano Moreno.

A fazenda também vai incrementar a culinária caiçara (frutos do mar), com a criação de um polo gastronômico baseado na produção da fazenda de maricultura, que já foi suscitado por alguns empresários do ramo. Além disso, irá aquecer os passeios turísticos náuticos, com possibilidade de visitas à fazenda, e valorizar a pesca artesanal.

“O empreendimento vai resgatar, indiretamente, a atividade pesqueira artesanal, pois nós iremos viabilizar aos pescadores acesso aos nossos canais de cultivo que, por si só, irão atrair de volta para a região, espécies de peixes que estavam migrando por falta de alimento, o que passarão a ter em abundância na área da fazenda. As famílias dos pescadores serão priorizadas nas contratações para o beneficiamento dos mariscos, fixando-os no seu local de origem e aumentando a renda”, explicou José Manuel Perez Diaz, diretor administrativo da MSB.

Para o presidente da Colônia de Pesca Z4, Alexandre Marques, os pescadores ficaram satisfeitos com o que ouviram. “Eu mesmo apresentei um primeiro grupo de pescadoras aos representantes da empresa e eles ficaram animados com as possibilidades que vão se abrir.  No dia 27 haverá uma reunião entre a empresa e os pescadores para serem apresentados novos detalhes de como funcionará essa parceria”, afirmou.

A previsão da MSB é começar as atividades no mês de julho, assim que conseguir a Licença da Concessão de Águas, junto à Marinha, que envolve um trâmite burocrático diferente das licenças do Inea. A empresa informou que já conseguiu o primeiro “nada opor” da Marinha e acredita que tudo esteja pronto no prazo esperado.

“Ninguém investe mais de R$400 milhões em um empreendimento que apresente algum risco de ser paralisado por questões ambientais.  A população do Peró pode ficar tranquila, pois nos cercamos de todos os cuidados antes de concordar com a vinda da empresa. E os reflexos não ficarão apenas no Peró, se espalhando por toda a cidade e aquecendo a nossa economia como um todo. Conseguimos atrair para Cabo Frio uma empresa que têm na responsabilidade social e ambiental um de seus pilares. Toda a cidade vai sair ganhando”, ressaltou o prefeito.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.