Pular para o conteúdo principal

Confusão e Agressões na Comunidade LGBT da Região dos Lagos


O jovem Filipe Rodrigues, fez graves denúncias sobre militantes do movimento LGBT de Cabo Frio, e rebate a acusação de um de seus membros da cidade expondo suas imagens e ocorrências.

Acompanhe o relato:

Gente, eu não gosto de expor a minha vida pessoal em rede social, mas não vejo outra forma para tentar parar esse pessoal de Cabo frio. Gente, preciso que vocês saibam a verdade porque militantes do Grupo Iguais de Cabo Frio me agrediram e tentaram me matar 😭😭😭😭😭

Então gente, infelizmente eu venho aqui no Facebook falar dessas mentiras com meu nome e covardia desta organização mafiosa e suja de cabo frio que se diz defender a diversidade LGBT do município de lá.
No dia 25 do mês de Maio, os militantes do Grupo Iguais / Instituto Iguais e organizadores da Parada da diversidade LGBT de Cabo Frio, me  agrediram brutalmente por motivos fúteis e covardes.

Nada do relatado do senhor Matt Cardoso é verdade, eu estava dançando quando o Lucas ( presidente interino desta ong suja e mentirosa ) me empurrou e falei pra ele me pedir desculpas daí o mesmo não pediu eu retruquei o empurrão e logo após ele se agrupou  com seu grupo de 5 pessoas e começaram a dançar e rir pra mim e eu achei que estava tudo bem...


Quando eu saí da boate fui abordado por 3 rapazes, cujo um deles era o Matt. Foi um tremendo filme de terror comigo, os 3 juntaram e me bateram brutalmente e, Matt Cardoso tentou quebrar a minha mandíbula com as suas próprias mãos, como por legítima defesa eu tentava fechar a minha boca para ele não conseguir quebrar. O Matt Cardoso tentou rasgar minha mandíbula ( por isso mordi ele pra me soltar se não eu iria morrer ) e todos estavam me espancando, logo em seguida vieram u grupo de 5 pessoas, entre ele o Lucas Lopes e, Eva Muniz, me bateram com barra de ferro, viram que eu estava tonto e me jogaram no canal como um corpo de um LGBT assassinado pela homofobia que vemos no Brasil, como viram que eu consegui nadar e atravessar o canal, eles atravessaram e continuaram a me bater dizendo que ia me matar, eu consegui correr mesmo lavado de sangue e poucas forças devido fortes pancadas na cabeça gritando por socorro, e eles atrás de mim, por fim consegui ser acudido por um grupo de pessoas que estavam se divertindo em frente ao seu portão,  fui encaminhado para o hospital, nem os médicos acreditaram que eu iria sobreviver pois eu me encontrava muito mal. Agora estou recebendo ameaças, dizem que agora vou apanhar mais, pois estão divulgando a minha foto para todas as travestis com a seguinte ordem "para me matar quando me ver na rua, boate ou qualquer lugar". Não tenho paz, não consigo dormir, só quem esta perto mesmo pra ver o que estou passando.

Sou negro , sou gay sim e não vou me calar e estou em estado de pânico pois os mesmos andam MENTINDO para saírem como certo e também me ameaçando através de terceiros no Facebook para eu me calar e apagar tudo.

Eu estou vivo gente , eu sobrevivi a esses covardes que se dizem militantes 😭😭😭😭

Acionei o Grupo Ostras G Diversidade, porque sou de Rio das ostras e preciso de ajuda e agradeço a Deus por ter uma ONG de verdade em minha Rio das Ostras, pois o HÓRUS cuidou de mim e vem cuidando das minhas feridas psicologicamente e escutando com atenção todos meus relatos e me amparando como vítima desses cafajestes,  mentirosos e covardes.

Hórus com sua coragem, determinação e força me assegura diante esses dias junto com todos os militantes e amigos e amigas pq estou com medo até de dormir e andar nas ruas , mesmo porque estou muito debilitado !

A justiça vai ser feita e vocês não representam ninguém em cabo frio que seja sensato e coerente.
A denuncia foi feita pela 128° Departamento de Delegacia Civil pelo Registro da Ocorrência 128-02505/2019 , levada ao Programa Rio Sem LGBTfobia e ao Grupo Ostras G Diversidade ( Organização atuante pelos direitos humanos, Políticas de inclusão social e cidadania LGBT de Rio das ostras )que encaminhou ao Ministério Público a denuncia realizada para que tome as medidas cabíveis diante os fatos sobre a ONG Iguais de Cabo Frio.

Sim, nos meus relatos , os agressores relatados são o presidente interino Lucas Lopes , o militante Matheus Cardoso , a jovem Eva Munizz e mais 2 agressores ainda sendo identificados pela polícia civil além de que EU TO SENDO AMEAÇADO E COAGIDO POR MSG PRA NÃO ME EXPOR POR PARTE DESSES COVARDES E AMEAÇADO DE VIDA TB.

Entendemos que canalhas, covardes e falsos moralistas temos em diversos lugares, essa denuncia e esse fato não pode ficar calado ou distorcido por mentirosos e nem cair na BOCA MIÚDA !
O caso está sendo investigado e as ações estão sendo movidas confirme a lei, o Ministério Público , o Grupo Ostras G Diversidade e demais órgãos cabíveis.


O Centro de Cidadania LGBT da Baixada Litorânea I e II já está ciente do relato se colocou a disposição para qualquer auxílio jurídico e psicológico.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.