LEAL PORTO TELECOM

LEAL PORTO TELECOM

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2644-4080 // 99999-5998

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Confusão e Agressões na Comunidade LGBT da Região dos Lagos


O jovem Filipe Rodrigues, fez graves denúncias sobre militantes do movimento LGBT de Cabo Frio, e rebate a acusação de um de seus membros da cidade expondo suas imagens e ocorrências.

Acompanhe o relato:

Gente, eu não gosto de expor a minha vida pessoal em rede social, mas não vejo outra forma para tentar parar esse pessoal de Cabo frio. Gente, preciso que vocês saibam a verdade porque militantes do Grupo Iguais de Cabo Frio me agrediram e tentaram me matar 😭😭😭😭😭

Então gente, infelizmente eu venho aqui no Facebook falar dessas mentiras com meu nome e covardia desta organização mafiosa e suja de cabo frio que se diz defender a diversidade LGBT do município de lá.
No dia 25 do mês de Maio, os militantes do Grupo Iguais / Instituto Iguais e organizadores da Parada da diversidade LGBT de Cabo Frio, me  agrediram brutalmente por motivos fúteis e covardes.

Nada do relatado do senhor Matt Cardoso é verdade, eu estava dançando quando o Lucas ( presidente interino desta ong suja e mentirosa ) me empurrou e falei pra ele me pedir desculpas daí o mesmo não pediu eu retruquei o empurrão e logo após ele se agrupou  com seu grupo de 5 pessoas e começaram a dançar e rir pra mim e eu achei que estava tudo bem...


Quando eu saí da boate fui abordado por 3 rapazes, cujo um deles era o Matt. Foi um tremendo filme de terror comigo, os 3 juntaram e me bateram brutalmente e, Matt Cardoso tentou quebrar a minha mandíbula com as suas próprias mãos, como por legítima defesa eu tentava fechar a minha boca para ele não conseguir quebrar. O Matt Cardoso tentou rasgar minha mandíbula ( por isso mordi ele pra me soltar se não eu iria morrer ) e todos estavam me espancando, logo em seguida vieram u grupo de 5 pessoas, entre ele o Lucas Lopes e, Eva Muniz, me bateram com barra de ferro, viram que eu estava tonto e me jogaram no canal como um corpo de um LGBT assassinado pela homofobia que vemos no Brasil, como viram que eu consegui nadar e atravessar o canal, eles atravessaram e continuaram a me bater dizendo que ia me matar, eu consegui correr mesmo lavado de sangue e poucas forças devido fortes pancadas na cabeça gritando por socorro, e eles atrás de mim, por fim consegui ser acudido por um grupo de pessoas que estavam se divertindo em frente ao seu portão,  fui encaminhado para o hospital, nem os médicos acreditaram que eu iria sobreviver pois eu me encontrava muito mal. Agora estou recebendo ameaças, dizem que agora vou apanhar mais, pois estão divulgando a minha foto para todas as travestis com a seguinte ordem "para me matar quando me ver na rua, boate ou qualquer lugar". Não tenho paz, não consigo dormir, só quem esta perto mesmo pra ver o que estou passando.

Sou negro , sou gay sim e não vou me calar e estou em estado de pânico pois os mesmos andam MENTINDO para saírem como certo e também me ameaçando através de terceiros no Facebook para eu me calar e apagar tudo.

Eu estou vivo gente , eu sobrevivi a esses covardes que se dizem militantes 😭😭😭😭

Acionei o Grupo Ostras G Diversidade, porque sou de Rio das ostras e preciso de ajuda e agradeço a Deus por ter uma ONG de verdade em minha Rio das Ostras, pois o HÓRUS cuidou de mim e vem cuidando das minhas feridas psicologicamente e escutando com atenção todos meus relatos e me amparando como vítima desses cafajestes,  mentirosos e covardes.

Hórus com sua coragem, determinação e força me assegura diante esses dias junto com todos os militantes e amigos e amigas pq estou com medo até de dormir e andar nas ruas , mesmo porque estou muito debilitado !

A justiça vai ser feita e vocês não representam ninguém em cabo frio que seja sensato e coerente.
A denuncia foi feita pela 128° Departamento de Delegacia Civil pelo Registro da Ocorrência 128-02505/2019 , levada ao Programa Rio Sem LGBTfobia e ao Grupo Ostras G Diversidade ( Organização atuante pelos direitos humanos, Políticas de inclusão social e cidadania LGBT de Rio das ostras )que encaminhou ao Ministério Público a denuncia realizada para que tome as medidas cabíveis diante os fatos sobre a ONG Iguais de Cabo Frio.

Sim, nos meus relatos , os agressores relatados são o presidente interino Lucas Lopes , o militante Matheus Cardoso , a jovem Eva Munizz e mais 2 agressores ainda sendo identificados pela polícia civil além de que EU TO SENDO AMEAÇADO E COAGIDO POR MSG PRA NÃO ME EXPOR POR PARTE DESSES COVARDES E AMEAÇADO DE VIDA TB.

Entendemos que canalhas, covardes e falsos moralistas temos em diversos lugares, essa denuncia e esse fato não pode ficar calado ou distorcido por mentirosos e nem cair na BOCA MIÚDA !
O caso está sendo investigado e as ações estão sendo movidas confirme a lei, o Ministério Público , o Grupo Ostras G Diversidade e demais órgãos cabíveis.


O Centro de Cidadania LGBT da Baixada Litorânea I e II já está ciente do relato se colocou a disposição para qualquer auxílio jurídico e psicológico.

0 comentários:

- |