Pular para o conteúdo principal

Nota oficial da Prefeitura de Arraial do Cabo sobre a desocupação das invasões das áreas do Parque Estadual Costa Do Sol



Na tarde de ontem (2), aconteceram a audiência pública entre o Ministério Público e os moradores das áreas de preservação permanente irregularmente ocupadas no Parque Estadual da Costa do Sol situadas nos bairros de Monte Alto e Figueira, e a operação de contenção das invasões realizadas pela Força Tarefa Verde do INEA e da Polícia Militar.

Compareceram à audiência, além da Procuradoria do Município de Arraial do Cabo, cerca de 80 moradores, três advogados e o representante do Ministério Público, que é o autor da Ação Civil Pública que gerou a ordem judicial de imediata demolição dos imóveis construídos dentro do Parque Estadual. A ação pública fez com que as pessoas que estavam nessas áreas invadidas com habitação consolidada perdessem o direito em juízo de estar naquele local.

Após muito debate e ponderação com a eminente Juíza titular da Vara Única da Comarca de Arraial do Cabo, estendeu-se o prazo para o cumprimento da ordem de desocupação e demolição por mais 60 dias, ficando para o dia 1º de setembro a data final. Alguns moradores indicaram que vão deixar o local voluntariamente, para estes, a Prefeitura de Arraial do Cabo e o Governo do Estado auxiliarão no transporte e na mudança. O prazo para a apresentação da listagem de saída pacífica para receber o auxílio é de dez dias, com indicação do local que irão. 

Esse acordo não impede o prosseguimento da fiscalização repressiva de novas construções, bem como a apreensão de materiais de construção encontrados no local, para impedir que novos invasores venham a ocupar as áreas de preservação.

Ainda na tarde de ontem, o INEA e a Polícia Militar – através da Força Tarefa Verde - realizaram uma ação conjunta nas Áreas de Proteção Permanente APPs, APA Massambaba, Parque Estadual Costa do Sol. Participaram da operação o Grupo de Ações Táticas do 25º BPM, 8ª UPAM, Fiscalização ambiental do INEA, Grupo de operações do Parque Costa do Sol, Programa Olho Verde, Superintendência de combate aos crimes ambientais SICCA.

De acordo com a polícia militar, há duas semanas acontecia um movimento ilegal na tentativa de promover novas invasões após decisão judicial para a derrubada das casas já construídas no local. Foram identificados novos desmatamentos e focos de incêndio agora em menores e alongadas proporções. Além disso, a Força Tarefa Verde destruiu na operação parte da rede elétrica em furto, toda a rede hidráulica da nova invasão, tijolos, caixas d’água, cimentos, pedras, areia, brita, além de dozes casas, colunas e alicerce. Também foram desfeitos 40 lotes piquetados na areia próxima a praia e em direção a Monte Alto. 

As áreas de constantes invasões pertencem ao Estado, através do Decreto 42.929, de 2011, que criou o PECS - Parque Estadual Costa do Sol. A Secretaria do Ambiente (SEMA) tem trabalhado na contenção das invasões em harmonia com o Ministério Público, INEA e Governo do Estado respeitando a competência de cada setor. Cabe a SEMA enviar fiscais municipais para fazer os serviços como retirar materiais de construção, elaborar relatórios sobre as áreas e oferecer ao PECS apoio material, como carro, maquinas e combustível, quando necessário. Estes relatórios são enviados diretamente para o Parque Estadual Costa do Sol e para o Ministério Público Estadual.

Vale ressaltar que cada munícipe é um fiscal e tem o direito e o dever de continuar efetuando denúncias de invasões, nominais ou anônimas, aos órgãos competentes. Todas as informações sobre invasões devem ser encaminhadas diretamente a administração do Parque Estadual da Costa do Sol e cabe ao Ministério Público tomar as providências necessárias.

A Prefeitura de Arraial do Cabo segue se colocando à disposição para auxiliar em todas as operações que for convocada.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.