Pular para o conteúdo principal

Carro e moto que polícia acredita ser de vigias do ES capturados no RJ são encontrados carbonizados






Foram encontrados carbonizados o carro e a moto que a Polícia Civil acredita ser dos três vigias do Espírito Santo que, segundo apontam as investigações, foram sequestrados, torturados e, possivelmente, mortos por traficantes da Comunidade do Lixo, em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio.

Os veículos foram localizados nesta segunda-feira (5) no bairro Ponta do Ambrósio, em São Pedro da Aldeia, cidade vizinha, após denúncias à delegacia.

A polícia acredita que os veículos foram levados para o local e incendiados um dia após Luiz Paulo dos Santos França, de 29 anos, Héder Henrique, de 32 anos, e um terceiro colega, que conseguiu fugir e pedir socorro, terem sido capturados no bairro Guarani, em Cabo Frio, no dia 27 de julho, enquanto tentavam levar o trabalho de vigilância domiciliar para a localidade, que fica ao lado da Comunidade do Lixo.

Héder Henrique, de 32 anos, e Luiz Paulo dos Santos França, de 29 anos, foram sequestrados na Comunidade do Lixo, em Cabo Frio, no RJ — Foto: Reprodução/ESTV/ Arquivo Pessoal

"Durante à noite, ainda, eles tiraram esses carros e botaram lá em São Pedro da Aldeia. Soubemos ontem, fomos lá buscar. Ainda não sabemos porque demorou tanto pra chegar essa informação, mas, efetivamente, há uma coincidência temporal com o crime que estamos investigando", disse o delegado Sérgio Caldas, responsável pelo caso.

O carro e moto foram rebocados e levados até a 126ª Delegacia de Polícia. O delegado informou que o encontro dos veículos agregou há outras informações que a polícia já tinha.

Desde da última sexta-feira (3), uma força-tarefa foi montada pela Polícia Civil e Militar, Corpo de Bombeiros e outras entidades.

"Nós próximos dias, em 48h, nós acreditamos que esse caso estará resolvido", disse o delegado.

Os três vigias foram sequestrados por traficantes da Comunidade do Lixo. Lá, os homens foram torturados e obrigados a cavar a própria cova.

O vigia que fugir chegou a percorrer um quilômetro pela mata até conseguir ajuda.

De acordo com o delegado Sérgio Caldas, as três vítimas prestavam serviço de vigilância noturna há quase 3 anos em Campos dos Goytacazes e resolveram ampliar os negócios tanto em Cabo Frio quanto em São Pedro da Aldeia, sem o conhecimento das autoridades policiais.

Ainda segundo a polícia, os vigias estavam distribuindo panfletos no bairro Guarani, que é próximo à Comunidade do Lixo. O delegado acredita que os panfletos também chegaram até as mãos dos traficantes.
Buscas pelos homens estão sendo realizadas e, em uma das ações, a operação terminou com um confronto na Comunidade do Lixo, onde um homem foi baleado e preso, mas não foi identificado como um dos autores da tortura.

A Polícia Civil já identificou seis suspeitos de envolvimento no caso e confirmou que existe uma relação entre esse caso e o assassinato de um borracheiro no bairro Guarani que aconteceu no dia 29 de julho.

 Fonte: g1.globo.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.