Pular para o conteúdo principal

COLUNA BANZO



LEI ÁUREA : CURTA E GROSSA!


A tão laureada Lei Aurea na verdade é uma Lei curta, talvez a mais curta de toda a nossa história, possui apenas dois artigos (primeiro que cria a abolição e o segundo que revoga as disposições contrárias).

E também se revelou uma Lei grossa, pois não contemplou aos libertos nenhum ressarcimento a quase um século de escravidão e também não compensou os ruralistas de suas perdas financeiras.

A Princesa Isabel foi incauta e, talvez mesmo bem intencionada, decretou uma catástrofe social em nosso país.

O HOMEM NEGRO NO BRASIL

Historicamente no Brasil o movimento abolicionista desenvolveu-se a reboque da Revolução Francesa e da Guerra Civil Norte Americana.

Em 1865 por intermédio da  13ª Emenda da Constituição dos EUA, foi extinta a escravidão naquele país e cerca de 10.000 afro-americanos foram contemplados com 40 acres de terra  e uma mula.

Em 1888, quase um século após a abolição da escravidão nos EUA, o Brasil decreta via Lei Áurea a libertação dos escravos. E cerca de um milhão de afrodescendentes foram catapultados a um mercado de trabalho que os segregavam e sem direito a nenhuma ação reparatória.  

No século seguinte continuamos a reboque dos EUA, e o movimento “Black Power” e a cultura “Black is Beautifull” pouco frutificaram por aqui. Ressalto culturalmente os expoentes Tony Tornado, Tim Maia e Gerson King Combo.

Malcolm X e Martin Luter King, ativistas afro americanos não reverberaram suas ideologias nos trópicos e apenas no fim do século XX, mais especificamente após o “Centenário da Abolição”(1988), que conseguimos consolidar algumas conquistas e consagrar algumas lideranças. 

Carlos Alberto de Oliveira (Caó), Deputado autor da Lei que criminaliza o racismo; Abdias Nascimento, militante e Senador da República; e o Senador Paulo Paim (PT-RS) que ainda nos orgulha, militando pelo exemplo e retidão de caráter.

O HOMEM NEGRO NO RIO DE JANEIRO

O Estado do Rio de Janeiro era a capital do Império na data da abolição da escravatura e sofreu os maiores efeitos sociais dessa catarse social.

A favelização de seu território e a escalada da violência causada pela desigualdade social, encontram resistência na efervescência cultural e na politização de nosso povo.

Agrupamentos culturais como “Farofa Carioca”, Melanina Carioca” e “Nós do Morro” se unem a ONGs como a CUFA (Central Única das Favelas) e formalizam contraponto ao crime organizado, milícias e facções.

O HOMEM NEGRO EM CABO FRIO

Cabo Frio a capital cultural  e referência econômica da região dos lagos, sofreu muito com todo o processo advindo abolicionista.

Com a decadência da indústria salineira e a inatividade da Álcalis, a questão social se agravou e as políticas de segurança dos últimos governadores se revelaram desastrosas.

A UPP migrou a violência e aumentou o risco social dos jovens negros da periferia da cidade.
Agora o Governador Wilson Witzel com sua política de segurança apresentou um fato novo para a nossa região: o enfrentamento!

Todo o fim de semana perdemos dois ou três jovens.

Homens, negros e com idade entre 16 e 28 anos.

Algo tem que ser feito.

É URGENTE!!!

TEMOS QUE USAR MAIS QUE A CONSCIÊNCIA!!!

TEMOS QUE USAR A NOSSA HUMANIDADE!!!

Marcos Chaves

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.