Pular para o conteúdo principal

Organização criminosa saca precatórios com documentos falsos e faz vítimas em 8 estados e Distrito Federal, diz PF



A Polícia Federal de Minas Gerais desarticulou uma organização criminosa que realizou saques de precatórios judiciais. Usando documentos falsos o grupo fez, pelo menos, 11 vítimas em oito estados e Distrito Federal. As informações sobre os precatórios eram repassadas a dois advogados por um núcleo que existia dentro da Caixa Econômica Federal, em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio, segundo as investigações.

Os valores sacados chegam a R$ 1,3 milhão, o maior foi em Duque de Caixas, R$ 261.153. A Polícia Federal investiga o quanto desse valor já foi sacado, já que o grupo também teve acesso a informações de outros precatórios, no valor R$ 70 milhões. A PF explica que o precatório judicial é um documento emitido pela Justiça para que o Poder Público efetue o pagamento de uma condenação judicial.

Durante a Operação Stellio, realizada nesta terça-feira (10), foram presos três oficiais de cartório, em São Francisco e Luislândia, em Minas Gerais, além de um contador, na Chapada Gaúcha, também em MG, e dois advogados, um da cidade de Arinos (MG), que foi preso em Belo Horizonte e é acusado de realizar saques, e outro da cidade de Cabo Frio, que é funcionário da Caixa Econômica e atuava no núcleo identificado pela Polícia Federal. Ele estava afastado por motivos particulares e foi detido em casa, no bairro Dunas do Peró.

Um terceiro advogado, que também recebia informações para realizar os saques, está foragido. Ele é de São Francisco, no Norte de Minas.
Foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão — Foto: Polícia Federal/Divulgação

“Através dessas informações, os dois advogados mineiros providenciavam a falsificação de documentos, emitiam uma procuração e conseguiam realizar os saques. Os titulares dos precatórios eram escolhidos aleatoriamente no Brasil inteiro. Havia também um núcleo dos cartórios porque eles sabiam que os documentos eram falsos e mesmo assim lavravam as procurações”, explicou o delegado Thiago Garcia Amorim.

O delegado esclareceu ainda que mesmo estando afastado, o funcionário da Caixa, em Cabo Frio, obtinha dados sobre os precatórios.

“Ele se comunicava com outro servidor que repassava as informações. O advogado já responde a procedimento interno da Caixa em razão de suspeita de participação no saque de outros precatórios. Acreditamos que ele vendia as informações, mas isso ainda está sendo apurado”.
 Polícia Federal apreendeu documentos, celulares e computadores — Foto: Polícia Federal/Divulgação

Durante as investigações, a Polícia Federal constatou que os valores sacados eram depositados em contas de familiares dos advogados que recebiam as informações em MG, e também na conta de pessoas pessoas ligadas aos cartórios, além do contador.

Dos 11 precatórios, sete foram sacados na Caixa Econômica Federal e quatro no Banco do Brasil. A polícia vai investigar como os advogados tinham acesso a informações do Banco do Brasil.

Foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Maranhão, Pará e no Distrito Federal. A polícia apreendeu celulares, computadores e documentos.
Investigação

Os dois advogados mineiros alvos da operação já haviam sido presos pelo mesmo crime em setembro de 2018 e em fevereiro deste ano. As investigações começaram a partir das duas prisões. Na época, os dois foram liberados porque o juiz determinou que eles cumprissem penas alternativas, segundo a PF.

O advogado que está foragido foi preso em 2018 enquanto tentava efetuar um saque no valor de R$ 83 mil em uma agência da Caixa em Montes Claros.

“O gerente percebeu que o titular do precatório tinha uma conta poupança na Caixa e residia em Ituiutaba (MG), mas a procuração estava com endereço de São Francisco. Ele constatou a falsidade, acionou a PF e o advogado foi preso em flagrante”, disse o delegado Thiago Garcia Amorim.

O outro advogado foi detido depois de sacar R$ 62 mil em uma agência de São Francisco. O titular do precatório residia em Tocantis e a procuração para fazer o saque foi emitida por um cartório de Luislândia.
“O gerente entrou em contato com a titular e ela disse que nunca esteve na cidade Luislândia. Ele comunicou a Polícia Federal e nós prendemos esse outro advogado. Ele disse que efetuou o saque a pedido do advogado de São Francisco e tinha transferido R$ 45 mil para a conta dele”.

A Polícia Federal esclareceu que as investigações foram feitas com apoio do setor de combate a fraudes da Caixa e do Banco do Brasil.

Bloqueio de bens

Além dos mandados de prisão e busca e apreensão, a Justiça Federal de Montes Claros expediu sete mandados judiciais de bloqueio de bens móveis e imóveis dos investigados.

“Eles adquiriram alguns bens, como veículos e fizeram viagens internacionais. Tudo com o valor obtido pelos precatórios, inclusive com transferência direta no momento do saque”.

Os presos no Norte de Minas foram levados para presídios de Montes Claros. O advogado detido em Belo Horizonte foi encaminhado à Penitenciária Nelson Hungria e o advogado preso em Cabo Rio (RJ) foi levado para o presídio Carlos Tinoco da Fonseca, em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense.
Se condenados, eles podem pegar mais de 15 anos de reclusão.

O que dizem a Caixa Econômica e o Banco do Brasil

Em nota, a Caixa informou que atuou em colaboração com as investigações da Polícia Federal e mantém cooperação integral com o trabalho das autoridades. O banco esclareceu também que adotará todas as providências de abertura de processos disciplinares, apuração de responsabilidades e as medidas de consequência cabíveis.

Já o Banco do Brasil esclareceu que colaborou com as investigações por meio do repasse de subsídios no seu âmbito de atuação. Ainda segundo a nota, o banco mantém estrutura dedicada à prevenção a fraudes e apta a detectar a atuação de golpistas por meio de sistemas e soluções de segurança.



Fonte: g1.globo.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.