Pular para o conteúdo principal

Prefeitura "abandona" carnaval de rua às vésperas da folia, e dirigentes devem amargar prejuízo


Saiu de compasso a relação entre a prefeitura e os responsáveis pelo carnaval de rua de Cabo Frio. Na contagem regressiva para a folia, os dirigentes dos blocos temem amargar grande prejuízo, já que o município pode deixar de arcar com a estrutura do evento, descumprindo o que havia sido combinado.
Uma licitação na modalidade registro de preços para contratação de estrutura para eventos realizados no município, entre eles o carnaval de rua, foi adiada pela Secretaria de Gestão Institucional. O certame seria para prestação de serviços de locação, montagem, desmontagem e operação de sistemas de som amplificado, iluminação, efeitos especiais, geradores, palcos, cercamentos, banheiros químicos e tendas. Devido a seu valor global, de R$ 14 milhões, considerado alto por profissionais que trabalham no segmento, o edital causou polêmica na cidade. Ele teria sido, além disso, contestado por empresários do ramo. 
O clima começou a azedar na última quinta-feira (13), quando uma reunião de emergência foi convocada para o gabinete do prefeito, Adriano Moreno (DEM). Além de Adriano, participaram do encontro o ex-superintendente de Eventos, Clóvis Barbosa, o secretário de Turismo, Paulo Cotias, e os assessores Sergio Ribamar e Antônio Carlos Vieira, o Cati. Na ocasião, chegou a ser sugerido que o carnaval fosse cancelado. A temperatura esquentou, e nenhuma solução foi dada. Nos dias seguintes de articulações, governistas fizeram uma proposta que ainda desce quadrada pela garganta dos organizadores da festa: que a estrutura fosse totalmente custeada pelos próprios blocos. 
Seguiu-se às conversas intrincadas a notícia de cancelamento da licitação da estrutura de eventos. E aí os dirigentes da folia perderam a paciência: exigiram que a prefeitura resolvessem o que, argumentaram, deveria ter sido acertado há meses. Para viablizar sozinhos a estrutura do evento, calcula-se que quatro grandes blocos teriam de desembolsar R$ 15 mil, totalizando R$ 60 mil, já que os blocos menores não têm capacidade financeira para arcar com custos. Resumo da ópera, ou melhor, do samba: que vai ter festa do momo é certo; só não se sabe se a prefeitura vai conseguir cumprir com o combinado.
Procurado pela Folha, o presidente da Associação de Blocos e Atividades Carnavalescas de Cabo Frio (Abaccaf), Joir Reis, garantiu que a Festa do Momo sai com ou sem apoio da prefeitura. Ele afirmou que não se surpreendeu com o fato.

– Estamos com o carnaval de rua pronto. Estamos fazendo nossas obrigações, cumprindo com nosso dever de casa. O que vier da Prefeitura é lucro. Quando se trata de poder público, há muito tempo não me pega de surpresa. Fui surpreendido em 2017 [ano em que os blocos não desfilaram]. Ficou como lição. A partir daí, tomo minhas precauções – disse. 
A reportagem da Folha entrou em contato com o secretário de Turismo, Paulo Cotias, com o atual superintendente de Eventos, Weverton Andrade, e com a assessoria de Comunicação. Por nota enviada pela assessoria, na tarde desta terça-feira (18), a prefeitura confirmou que estrutura será arcada pela Associação de Blocos e Atividades Carnavalescas de Cabo Frio (ABACCAF).

"A Prefeitura de Cabo Frio informa que cede estrutura e logística de trânsito e segurança por meio de agentes da Secretaria de Mobilidade Urbana e da Guarda Civil Municipal. Além disso, o planejamento contempla ainda o reforço nas unidades de saúde e todas as autorizações municipais necessárias para a realização do evento. A estrutura será arcada pela Associação de Blocos e Atividades Carnavalescas de Cabo Frio (ABACCAF). A Prefeitura informa ainda que a licitação foi adiada para reavaliação do edital. A licitação será realizada em uma nova data a ser marcada", diz a nota.
 Fonte: folhadoslagos.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.