Pular para o conteúdo principal

Prefeito Adriano Moreno pede 24 horas para avaliar sobre pedido de reabertura de comércio


O prefeito de Cabo Frio, Adriano Moreno, pediu um prazo de 24 horas para avaliar o pedido feito por empresários de reabertura do comércio da cidade. Os empresários se reuniram com o prefeito na noite desta quinta (26). Segundo uma fonte ouvida pela Folha, que participou da reunião, a tendência é que Adriano recue e flexibilize o decreto para atender aos pedidos.

A proposta principal é reabrir os estabelecimentos em horário reduzido, com expediente diário de seis horas, e intervalo de 15 minutos para os funcionários.

Claudio Viviani, dono da Lagos Tintas, disse que será pedido um alongamento nos prazos para o pagamento de impostos.

– Conversamos há bastante tempo sobre essa pandemia, só que estamos preocupados com a pandemia financeira. Daqui a dois meses o vírus estará estabilizado, mas o caos financeiro vai trazer mais falidos do que falecidos. O caos já existe. Vão acabar os recursos para os trabalhadores, empregadores e setor público – argumenta Viviani, que defende o isolamento apenas para idoso e pessoas do grupo de risco.
O empresário Hugo Cecílio, da BoiBom, minimizou o impacto do Covid-19 e defendeu a reabertura imediata do comércio, também sob a argumentação do colapso econômico.

– O que estão fazendo com Rio e São Paulo chega a ser criminoso. A crise econômica vai ser muito mais grave que a de saúde. Depressão vai matar muito mais. As pessoas não vão ter mais o que comer. Alguns comerciantes não vão ter dinheiro para pagar as suas contas – afirmou.

Entidades pedem ajuda à Câmara dos Vereadores

Um grupo de entidades ligadas ao comércio e ao turismo de Cabo Frio recorreu ao Poder Legislativo para reduzir o impacto financeiro sobre a parada forçada nas atividades, em função da quarentena imposta como prevenção ao coronavírus. O grupo enviou uma carta para o presidente da Câmara Municipal, Luis Geraldo (Republicanos), para pedir a intermediação junto ao governo municipal e às concessionárias de água e energia elétrica, para conseguir medidas que deem fôlego financeiro nesse momento de queda de arrecadação.

Da prefeitura, as entidades pedem a criação de uma linha de crédito municipal, rápida e com juros baixos; isenção de Imposto sobre Serviços (ISS) no período da quarentena e reparcelamento do IPTU, com a primeira parcela a pagar 60 dias depois do fim da quarentena. Das concessionárias Enel e Prolagos, o grupo pede a suspensão dos cortes por falta de pagamento enquanto durar a quarentena; financiamento das contas que estejam em atraso pelo mesmo período; proibição da taxa mínima de consumo (Prolagos) e da demanda e da contribuição do serviço de iluminação pública (Enel), bem como a unificação dos valores da conta da Enel pela tarifa mais barata do consumo faturado ponta e fora de ponta de todos os grupos, e por fim; a obrigatoriedade de cobrança apenas do que for consumido de água e energia elétrica dos consumidores.

A carta é assinada pela Associação Comercial, Industrial e Turística (Acia); Associação dos Comerciantes da Rua dos Biquinis (Acirb), Sindicato Moda Praia; Associação de Hotéis e Restaurantes; Associação Costa do Peró, Associação de Engenheiros e Arquitetos da Região dos Lagos (Asaerla); Associação de Agências de Viagem, Transportes, Operadoras e Serviços de Turismo da Costa do Sol (Agenvi) e Convention Bureau.

“A nossa saúde, de nossa população e de nossos visitantes deve, como está ocorrendo, vir sempre antes de qualquer outro interesse. Porém não podemos nos esquecer da saúde financeira de nossas empresas e comércios. O já combalido movimento comercial de nossa cidade foi duramente golpeado pelo vírus”, diz trecho da carta enviada a Luis Geraldo.

Acia pede reabertura de lojas de construção e de conveniência em postos de gasolina em Cabo Frio

A Associação Comercial, Industrial e Turística (Acia) de Cabo Frio / Tamoios está solicitando à Prefeitura alterações de forma imediata em decreto municipal para o combate do coronavírus. O pedido foi feito através de carta aberta assinada pela presidente da entidade, Patricia Cardinot, ao prefeito Adriano Moreno. O objetivo é que o município libera a reabertura de lojas de material de construção e de conveniência em postos de gasolina, assim como fez o prefeito da capital do estado, Marcelo Crivella.

Segundo Patricia Cardinot, os lojistas que abrirem precisam continuar seguindo as medidas de prevenção necessárias, estipuladas pelas autoridades de Saúde. Ela pondera que ainda não é favorável à abertura de todo o comércio, devido ao fato de que a estrutura precária do sistema de saúde entraria em colapso com uma possível multiplicação de casos na cidade.

– Deve haver o distanciamento de segurança entre as pessoas. As aglomerações não podem ser permitidas de forma alguma. E os comerciantes evitar que idosos e pessoas de grupo de risco trabalhem dentro desses locais – observou Patricia Cardinot.

Fonte: folhadoslagos.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.