Pular para o conteúdo principal

'Espero que o presidente possa me receber para a gente conversar', diz Witzel


Depois de afirmar que a Operação Placebo, na qual a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão no Palácio das Laranjeiras, no fim de maio, teve a interferência do presidente Jair Bolsonaro, o governador do Rio, Wilson Witzel, amenizou as críticas ao adversário poítico. Em entrevista à Rádio BandNews FM, Witzel disse que espera ser recebido por Bolsonaro para "retomar o diálogo" com o presidente. E que há alguns anos a PF tem sido aparelhada e usada de forma política internamente para "o assassinato de reputações". E que tal prática teria começado com na gestão do PT.
– É uma prática que vem acontecendo há muito tempo, o uso político da própria instituição para se fortalecer e ganhar força depois. Não estou dizendo que todos na instituição façam isso. O que levaram para o ministro (Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça) é uma narrativa fantasiosa na Operação Placebo. Não houve cuidado de se fazer investigação mais aprofundada. O assassinato de reputação, essa espetacularização começou com o PT, Romeu Tuma (ex-secretário Nacional de Justiça do governo Lula) – declarou na entrevista, acrescentando que as investigações contra ele e a primeira-dama estariam sendo feitas com pouco embasamento de indícios e provas, prática já vista nos casos da Lava-Jato.
Logo após a operação, que apreendeu documentos, celulares e computadores do governador e da primeira-dama Helena Witzel, Witzel chamou Bolsonaro de ditador, negou todas as acusações e disse estar sendo perseguido em pronunciamento à imprensa.
Nesta terça-feira, a colunista Mônica Bergamo, da "Folha de S.Paulo", noticiou que o governador já teria comunicado a pessoas próximas que não fará mais oposição frontal ao presidente Jair Bolsonaro. De acordo com a coluna, Witzel não tem publicado críticas ao presidente em seu Twitter desde que passou a ser alvo de investigações. Segundo a nota, ele estaria temeroso de que algo pior possa acontecer a ele e a sua mulher, que também está sendo investigada, como a prisão.
Ao ser indagado sobre a informação, Witzel disse que continua crítico ao governo nos pontos necessários. Porém, admitiu que espera "retomar o diálogo" com Bolsonaro em prol do Rio de Janeiro.
– Tenho minhas diferenças com o presidente e continuo tendo. Mas sempre foram críticas para ajudar nosso desenvolvimento econômico. Entendo que a PF passou a ter atuação mais política do que operacional há algum tempo. Espero que o presidente possa retomar diálogo comigo, pois isso é bom para o Rio e para o Brasil, para que possamos conversar. Tenho vários problemas aqui com royalties e soluções para apresentar ao presidente. Serei sempre crítico de forma respeitosa – argumentou Witzel, que ressaltou o apoio no âmbito da saúde. – Tenho recebido apoio do governo federal, o Ministério da Saúde encaminhou 100 respiradores, testes... O governo federal tem se aproximado.
Sobre a saída de Marcus Vinicius Braga, da Secretaria da Polícia Civil, de onde partiram investigações de fraudes que deram origem à operação da PF, o governador disse que o delegado tinha perfil mais operacional do que de gestão. Por isso, Flavio Britto, segundo na hierarquia da secretaria, assumiu o posto. O pedido de exoneração, de acordo com Witze, partiu do próprio delegado.
– Ele disse para mim que deu sua contribuição e até poderia ficar no meu gabinete me ajudando. Não sou eu que decido, é a pessoa. É normal, em qualquer governo, que as pessoas se cansem e peçam para sair. A Polícia Civil do Rio nunca trabalhou tanto quanto agora. É muito estafante pra quem está na linha de frente, e saiu por razões pessoais.



Fonte: extra.globo.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

  O LOBO EM PELE DE CHACAL!   “TSE defere candidatura e José Bonifácio tomará posse como Prefeito de Cabo Frio” “Em decisão monocrática o Ministro Alexandre de Moraes deferiu o recurso de José Bonifácio” Na sexta-feira (18/12) por volta das 18:00 horas as manchetes acima surpreenderam alguns incautos cabofrienses, e deixaram duas sérias indagações no ar: - O que motivou o Ministro Alexandre de Moraes, relator do processo, a evitar o julgamento pelo colegiado do Tribunal Superior Eleitoral? - A séria motivação impeditiva deixou de existir apenas duas horas depois de iniciado o “recesso” do tribunal?   Bem... o editorial do Blog Cartão Vermelho não possui todas as respostas, porém, cumprindo sua principal missão de trazer luz aos fatos, assinala agora a ação vil, perdulária e principalmente venal que acometeu a defesa do Sr. José Bonifácio.   Os advogados que patrocinaram a causa de Zezinho, fazem parte de uma bancada respeitadíssima nacionalmente, é uma das mais cara

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.