Pular para o conteúdo principal

Iguaba Grande, RJ, exclui cargo de cirurgião dentista de concurso público após decisão judicial

 

A Prefeitura de Iguaba Grande, na Região dos Lagos do Rio, excluiu o cargo de cirurgião dentista do concurso público municipal edital 01/2020. A exclusão foi divulgada nesta quarta-feira (19), por meio de comunicado publicado no site oficial do município, e foi realizada após uma decisão judicial da 1ª Vara Federal de São Pedro da Aldeia, proferida pelo juiz substituto Thiago Gonçalves de Lamare.

A decisão judicial foi deferida parcialmente após uma tutela de urgência requerida pelo Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro (CRO/RJ). O órgão pediu a retificação do edital do concurso público porque a remuneração salarial ofertada pelo município não era compatível com a lei.

O Conselho Regional se baseou no art. 5º da Lei Federal nº 3.999/61, que estabelece que o piso salarial para as profissões de médico e cirurgião dentista devem corresponder a 3 salários mínimos (R$ 3.135), para uma jornada de 20 horas semanais.

No caso do concurso público de Iguaba Grande, no entanto, as quatro vagas disponibilizadas para o cargo tinham carga horária de 40 horas semanais e remuneração mensal fixada em R$ 3.251,91, aquém do piso salarial da categoria.

De acordo com o processo, o município poderia adequar o salário e carga horária oferecidos ao que é fixado por lei ou suspender o cargo do concurso.

A Prefeitura de Iguaba Grande optou pela exclusão do cargo alegando que o aumento na remuneração teria grande impacto nas finanças municipais, "haja vista parte considerável de seus recursos, atualmente, ser destinada a ações sanitárias e sociais no combate à Covid-19, bem como pelo fato de sua arrecadação estar comprometida pela paralisação das atividades econômicas", afirma em trecho do processo.

Outra justificativa do município foi que com a redução da carga horária para 20 horas semanais, haveria necessidade de contratação de mais profissionais para continuidade dos serviços odontológicos, "impactando de forma negativa no orçamento público", alega.

De acordo com a Prefeitura, todos os candidatos inscritos para o cargo devem solicitar a restituição dos valores pagos dentro do prazo compreendido entre os dias 20 de agosto e 20 de setembro, através do site do Instituto IBDO, responsável pelo certame.

Provas ainda sem data

Em comunicado divulgado nesta quarta, a Prefeitura informou que ainda não existe previsão de data para realização das provas do concurso público, devido à pandemia da Covid-19.

"Um novo cronograma será criado (a exemplo de outras cidades do país onde os concursos também continuam suspensos por conta da Covid-19) e informado pelos canais oficiais", afirmou o governo municipal.

Ao todo, são 300 vagas com salários que variam entre R$ 1.195,92 e chegam a R$ 4.777,67. O prazo de validade do concurso é de dois anos, contados da data da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado por uma única vez, por igual período.

Fonte: g1.globo.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.