Pular para o conteúdo principal

Edital para financiamento de projetos é discutido em reunião do CMDCA


 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) realizou, nesta terça-feira (13), a reunião ordinária referente ao mês de outubro. Durante o encontro foram discutidas políticas públicas voltadas para crianças e adolescentes do município, dentre elas a abertura de um edital para o financiamento de projetos pelo Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FMDCA).

No chamado “Mês das Crianças”, a presidente do Conselho, Luciana de Oliveira, destacou a importância do envolvimento da sociedade nas ações do CMDCA. “O Conselho tem o dever de garantir e defender os direitos das nossas crianças e adolescentes. No entanto, conforme o artigo 70 do Estatuto da Criança e do Adolescente, ‘é dever de todos zelar pelos direitos das crianças e adolescentes’, ressaltou.

Participaram do encontro a presidente do Conselho Tutelar, Elisabete Souza, e o mais novo conselheiro tutelar, Ubirajara Ramos, que abordaram questões referentes à merenda escolar. Também esteve presente a médica, voluntária e representante da sociedade civil, Ângela Del Rosário, apresentando a proposta de criação de um Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência, que em breve deve passar pela pauta da Câmara Municipal.

Entre as instituições não-governamentais que fazem parte do CMDCA, estiveram presentes representantes do Núcleo de Assistência Social e Educação para a Vida Paulo de Tarso (NEDVIDA), da Casa de Apoio Sementes do Amanhã, do abrigo Aldeia da Infância Feliz e da ONG Patotinha da Aldeia. No segmento governamental, participaram do encontro gestores das secretarias de Educação e de Assistência Social e Direitos Humanos.

A reunião também foi marcada pela participação virtual da secretária de Assistência Social e Direitos Humanos, Olívia Sá, que apresentou as ações executadas pela pasta neste momento de pandemia, por meio dos equipamentos ligados à Assistência Social, como os CRAS, CREAS, Casa de Acolhimento Municipal e o abrigo Aldeia da Infância Feliz.

CAMPANHA DE DEDUÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA

Durante o encontro, também foi feita a leitura e a aprovação da ata do mês de setembro, além da apresentação do extrato da conta do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FMDCA) aos presentes.

“Uma parte da verba desse Fundo se deve à campanha realizada pelo CMDCA para dedução do imposto de renda. Os contribuintes, pessoas físicas, que declaram renda no modelo ‘completo’ podem destinar até 3% do valor do imposto para o FMDCA, apoiando, assim, projetos sociais e instituições da cidade”, destacou Luciana.

Pessoas jurídicas, tributadas com base no lucro real, também podem efetuar doações; o limite é de até 1% do imposto sobre a renda devido. O valor é abatido do que seria pago à Receita Federal e não gera custos ao doador. Para saber como contribuir com a campanha, envie um e-mail para o CMDCA, no endereço cmdca.spa@gmail.com. Clique AQUI para saber mais sobre a iniciativa. São parceiros da campanha a Associação dos Contabilistas da cidade, OAB, Rotary Club, Marinha, Associação Comercial, gerência da Receita Federal de Cabo Frio e a Prefeitura de São Pedro da Aldeia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.