Pular para o conteúdo principal

Prefeitura embarga administrativamente oito loteamentos irregulares em Tamoios e Maria Joaquina


Agentes da Coordenadoria de Assuntos Fundiários, embargaram, administrativamente, oito loteamentos irregulares em ação realizada nesta quinta-feira (3). Sete dos oito loteamentos embargados estão no Distrito de Tamoios e o oitavo, no bairro de Maria Joaquina. A ação contou com o apoio de policiais da 8ª Unidade de Policiamento Ambiental (UPAm) e de servidores da Secretaria Municipal de Agricultura.

Estes são os primeiros loteamentos irregulares a receber as placas de Embargo Administrativo, com o informativo de situação irregular dos empreendimentos. Em todos os locais onde as placas foram instaladas já havia um embargo anterior, em ações efetuadas desde o mês de fevereiro de 2020, com fiscalização conjunta da Prefeitura de Cabo Frio e do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado do Rio de Janeiro (Creci-RJ). Estas ações identificaram e autuaram 16 loteamentos irregulares em toda a cidade.

No entanto, os oito loteamentos embargados nesta quinta-feira tiveram as atividades irregulares de parcelamento e comercialização dos lotes continuadas, mesmo depois de receberem a intimação para a interrupção desta venda, com representações judiciais junto ao Ministério Público Estadual.

Durante a instalação da placa de embargo administrativo no loteamento irregular em Maria Joaquina, uma pessoa tentou serrar a placa, sendo detida pela UPAM e encaminhada para a 126ª DP.  Ao lado desse loteamento, os agentes flagraram ainda um crime ambiental, com desmatamento e parcelamento de lotes.

O coordenador de Assuntos Fundiários do município, Ricardo Sampaio, explicou que alguns dos loteamentos embargados na ação desta quinta-feira foram notificados pela Prefeitura em 2018, e mesmo assim continuaram com as ações ilegais de venda de lotes.

“É muito importante que, antes de adquirir quaisquer lotes, em qualquer lugar de Cabo Frio, as pessoas visitem ou o cartório de imóveis ou a prefeitura, para se certificar da legalidade do empreendimento. Nosso objetivo é identificar tanto o responsável pelo parcelamento quanto quem comercializa esses lotes, para que sejam criminalizados junto à Justiça, conforme dispõe o artigo 50 da Lei 6766/79. As pessoas que adquiriram esses lotes, acreditamos que a maioria de boa-fé, serão chamados ao Ministério Público como testemunhas e terão que aguardar a tramitação do processo em face dos empreendedores, mas já sabendo que compraram um imóvel em um loteamento irregular", explicou Sampaio.

O coordenador de Assuntos Fundiários salientou que, além do crime de parcelamento irregular do solo e da comercialização, há, também, irregularidades perante o Código Municipal de Obras, uma vez que as construções nos locais foram feitas sem as licenças necessárias e sem aprovação do Poder Público.

"Se a Prefeitura não fizer a fiscalização e o combate a estes parcelamentos de solo irregulares, o crescimento desordenado irá gerar danos ao município, que se vê obrigado a implantar infraestrutura no local, como rede de água e esgoto e sistema viário.  As rondas de fiscalização e a colocação das placas nos demais loteamentos irão continuar normalmente, de acordo com o cronograma estipulado”, finalizou Ricardo Sampaio.

Os cidadãos podem denunciar invasões de áreas públicas ou de proteção ambiental pelo e-mail cogeafcabofrio@gmail.com.  O anonimato é garantido.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.