Leal Porto

Leal Porto

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2647-5341

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

José Facury Recebe o Título de Cidadão Cabo-friense

José Facury e Vereador Edilan 

Mais um colunista do Blog Cartão Vermelho, dessa vez José Facury, atinge o mais importante reconhecimento dos serviços prestados a nossa cidade que é o Titulo de Cidadão Cabo-friense. O evento foi realizado em uma noite de gala na última sexta-feira (11/11), durante a Sessão Solene no Tamoyo Esporte Clube.

José Facury é teatrólogo, dramaturgo, ator, diretor, pós-graduado em cenografia e arte-educador da Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ. José Facury é um artista polivalente que traz para o diversificado universo de suas criações o seu genuíno "jeito brasileiro de ser". Em seu currículo contam várias atuações, como a participação na peça Tempo de Espera, de 1976, que entre outros mais, obteve o Prêmio Moliére e o Troféu Mambembe, além de turnês por várias cidades do Brasil e da Europa. Contudo, suas realizações se estendem além do mundo do palco;Como durante a presidência da Federação de Teatro Associativo do Estado do Rio de Janeiro - FETAERJ, quando em 1978, sedimenta o Festival Anual da Aldeia de Arcozêlo, ao criar o Prêmio Pascho.

Recentemente José Facury esteve a frente da Secretaria de Cultura de Cabo Frio, onde realizou uma gestão memorável e atualmente é membro do Conselho Estadual da Cultura.

E para comemorar essa importante comenda Facury usou da poesia para registrar esse eterno momento.

DOS MEUS VENTOS

Não vim das parideiras do teu ventre
Não engatinhei nos barrancos da tua fina areia
Não empinei as pipas no teu vento
Não me escondi dos moleques nas tuas vielas
Não aprendi na tua escola o saber dos teus saberes
Não me esfreguei garnizé com as tuas meninas
Nem ao menos aqui, tracei e expressei as primeiras artes
Mas aqui, de forasteiro das loas do teu hino
Firmei a prole do gênero das muitas crias
Para quem sabe um dia saber cantar-te
Nas prosas que em mim são personagens
E em versos que um dia nem ousarei rimar-te

0 comentários:

- |