Pular para o conteúdo principal

Carnaval de Cabo Frio: estação da alegria, da sustentabilidade e do engajamento social


A receita parece clara: samba ou marchinha, fantasias e, claro, muito confete, serpentina e purpurina. E o que já era bom – a festa que o Carnaval promove – fica ainda melhor quando os blocos de arrastão de Cabo Frio acrescentam à folia ingredientes como engajamento social, cultural e ambiental. Como resultado, sete blocos que se concentram e desfilam a partir das Estações da Praia do Forte e de São Cristóvão prometem fazer da folia um espaço de diversão e de bandeiras sociais.
Na concentração da Estação da Praia do Forte o recado da folia será com os blocos Acadêmicos de Cabo Frio (domingo, 23/02, das 16h à 01h e 25/02 das 11h às 15h); Carnagay (segunda, 24/02, de 16h à 01h); Família é Mole, Mas é Meu (terça, 25/02, das 16h à 01h) e Quero Mais (sábado, 29/02, das 15h às 21h). Já na Estação de São Cristóvão será com as agremiações Azul e Branco (sábado, 22/02, das 17h às 23h); Vermelho e Preto (domingo, 23/02, das 17h às 23h) e Rala Ovo (terça, 25/03, das 17h às 21h). Confira ao final da matéria o trajeto de cada bloco.
Há 10 anos desfilando pelas ruas da cidade, o bloco Acadêmicos de Cabo Frio costuma arrastar centenas de foliões que se vestem de verde, vermelho, amarelo e preto. A agremiação nasceu da vontade dos primeiros fundadores de “implementarem projetos culturais que valorizassem a arte e educação”. Atualmente é conhecido por se considerar “o bloco da inclusão”, que tem como missão incluir pessoas com deficiência no carnaval e se tornar referência nacional na folia, como diz o presidente Joir Reis.
“Em 2019 participamos do Carnaval para Todos. Nessa oportunidade conhecemos algumas instituições que defendem as causas das pessoas com deficiência e nos apaixonamos pelas habilidades e alegria desse público. Por isso, decidimos tornar nosso bloco um apoiador desta causa e a partir desse ano nós daremos início a um projeto com o Arrastão da Inclusão na terça-feira ao meio-dia”, afirmou ele.
Solidariedade, resistência e diversão
Com o tema “Carnaval é Resistência” aliado à sustentabilidade, o Carnagay é pioneiro no carnaval do interior fluminense e único de música eletrônica em Cabo Frio. Há 16 anos a agremiação promove, por meio da folia, o engajamento na luta pelos direitos da comunidade LGBTI+. Além da batida musical, é marca do bloco promover apresentações de drag queens e de dj’s. As cores do arco-íris embalam os cerca de 20 mil foliões e enfeitam a orla da Praia do Forte, onde o bloco desfila.
O bloco Família é Mole, Mas é Meu nasceu há 37 anos, oriundo de duas famílias em Saquarema. Com a morte de um dos fundadores, a agremiação renasce em Cabo Frio e encontra na solidariedade, o caminho para promover um carnaval mais humanitário. Dessa ideia nasceu a proposta de realizar cinco eventos anuais que arrecadam alimentos, roupas e brinquedos que são distribuídos na zona rural. Este ano, além da ecofolia, o bloco traz o tema “Todos Ligados à Solidariedade” e as cores vermelho e amarelo enfeitam os cerca de cinco mil foliões que fazem da festa de Momo uma oportunidade de ajudar ao próximo.
Inspirados pelos carnavais de marchinhas, um grupo de pessoas teve a ideia de criar o Bloco Azul e Branco. De lá para cá, já se vão 30 anos desde a fundação, arrastando cerca de 1.500 foliões a cada Carnaval, sendo a mais antiga agremiação do bairro. Outras duas crias da cidade são o bloco Vermelho e Preto e Rala Ovo, com nove e 22 anos de fundação, respectivamente.
O primeiro, é inspirado no clube do Flamengo e promove eventos relacionados ao futebol e ao futevôlei. Tem como padrinho um dos ícones do time carioca, o ex-zagueiro Rondinelli, considerado um dos maiores atletas desta posição na história do clube. Já o O bloco Rala Ovo enfeita as ruas do bairro com suas cores azul, amarelo e branco. Com a inspiração dos blocos de aliar uma festa popular às lutas cotidianas, a receita do Carnaval de Cabo Frio tem tudo para dar certo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.