Pular para o conteúdo principal

Procon Cabo Frio divulga cartilha com orientações sobre abusos pelas instituições de ensino


Janeiro é mês que mais acumula despesas durante o ano, entre elas o material escolar. Neste momento, é preciso rever as contas, pechinchar pra reduzir os custos e ficar atento aos direitos dos consumidores. A Coordenadoria de Defesa do Consumidor elaborou uma cartilha para evitar abusos como aquisição de materiais de usos coletivo e pedagógico pelas instituições de ensino.
Segundo a cartilha, os materiais de uso coletivo devem ser fornecidos pela escola e seus custos já embutidos na mensalidade. A lei 12.886/2013 diz que não podem ser incluídos na lista materiais de uso coletivo, tais como copos descartáveis, giz, marcador de retroprojetor, produtos de higiene, de limpeza, entre outros.
“Não cabe ao Procon Cabo Frio interceder em critérios pedagógicos adotados pela escola, nesse sentido cabe uma minuciosa interpretação da Lei”, explica a cartilha.
Ainda de acordo com o documento, essa prática é permitida desde que a quantidade levada por cada aluno seja adequada ao uso individual durante todo o ano ou semestre letivo.
A escola não pode exigir ainda locais de compra específicos para materiais, tampouco que os produtos sejam adquiridos no próprio estabelecimento de ensino. A única exceção são os artigos que não são vendidos no comércio em geral, como apostilas pedagógicas próprias do colégio ou do sistema adotado.
Ainda assim, o material didático pode ser adquirido em outro estabelecimento de ensino que adote o mesmo sistema pedagógico. Fora essa circunstância, a exigência de compra na instituição também configura venda casada, que é expressamente proibida pelo artigo 39, I, do CDC.
A cartilha também orienta que escolas, públicas ou privadas, são obrigadas a matricular estudantes com deficiência. Essa garantia é assegurada constitucionalmente pela Lei Brasileira de Inclusão da pessoa com Deficiência e pela Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. A recusa da matrícula configura crime pelo Artigo 8º da lei 7.853/1989. Pela lei de anuidades é obrigatória a exposição do número de vagas até dias antes do fim da matrícula.
Ainda de acordo com o documento, a escola não pode condicionar a matrícula à apresentação do laudo médico, porém, visando o melhor atendimento às possíveis necessidades educacionais específicas, pode ser necessária uma avaliação multidisciplinar do aluno em determinados casos. Nesse caso, a cobrança de taxas extras em casos de acompanhamento especializado é vedada. A unidade escolar deve realizar adequações em sua estrutura física cumprindo a lei de acessibilidade.
Outro assunto do documento é que a instituição deve adotar o nome social do aluno transgênero, conforme a Resolução do Conselho Nacional de Educação, de 19 de janeiro de 2018.
A cartilha pode ser acessada na íntegra no link https://bit.ly/2GvK309. O Procon está localizado na Rua Florisbela Rosa da Penha, 292, no Braga.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.