LEAL PORTO TELECOM

LEAL PORTO TELECOM

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2644-4080 // 99999-5998

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

'A dor tá insuportável', diz pai de segurança do ES sequestrado por traficantes em Cabo Frio



'A dor tá insuportável', diz pai de segurança do ES sequestrado por traficantes em Cabo Frio
"Eu quero uma resposta, uma solução, pra que a gente fique aliviado dessa dor que tá insuportável."

A angústia é do aposentado Eliezer Bonaza Teixeira, pai do capixaba Éder de Moura Teixeira, de 32 anos, um dos seguranças desaparecidos após terem sido sequestrados e torturados por traficantes em Cabo Frio, Região dos Lagos do Rio de Janeiro. A família mora em Baixo Guandu, no Noroeste do Espírito Santo.

A esposa de Éder está em Cabo Frio para acompanhar de perto as investigações da polícia. A filha de cinco anos do casal está sob os cuidados dos avós. "A gente não sabe o que tá acontecendo. Ficamos só aguardando, nessa angústia", falou o irmão Júnior Moura.

Os três seguranças desapareceram na noite de sábado (27). Segundo as investigações, crime teria sido cometido por traficantes da Comunidade do Lixo, no bairro Manoel Correia, que confundiram os homens com milicianos. No local, foram torturados. Uma das vítimas, o também capixaba Douglas Gonçalves, conseguiu fugir.

Foi Douglas que, segundo a família, levou Éder para trabalhar em Cabo Frio na área de segurança particular. O terceiro segurança, que ainda está desaparecido junto com Éder, é Luiz Paulo dos Santos França, de 31 anos, natural da Bahia.

Éder trabalhou por oito anos como entregador de gás em Baixo Guandu. Há dois meses, se mudou para trabalhar com Douglas, que já tinha uma empresa de segurança em Campos dos Goytacazes (RJ) há cerca de três anos, mas resolveu ir para Cabo Frio.

A mãe de Éder, dona Maria de Moura, contou que na última ligação que o filho fez para ela, na quarta-feira (24), ele reclamou da vida no local e disse que queria voltar para casa. Essa, agora, é a maior vontade dela.
"Encontrem o meu filho, pelo amor de Deus. Peço que as autoridades do Espírito Santo unam forças com o Rio de Janeiro, que o Exército suba aquela favela do lixo e encontrem meu filho. Meu filho tá lá dentro", lamentou.

Fonte: g1.globo.com



0 comentários:

- |