Pular para o conteúdo principal

ALUNOS DO BAIRRO RETIRO SE ENCANTAM COM PASSEIO AO PÃO DE AÇÚCAR


A quarta-feira (07) foi especial para os alunos da Escola Municipalizada Retiro, de São Pedro da Aldeia. Os 36 estudantes, do 1º e 2º segmento, trocaram a sala de aula por um dos cartões-postais mais visitados do mundo, o Pão de Açúcar. A atividade fez parte do programa de educação ambiental “Educa Bondinho”.

 Acompanhada por professores da escola, a diretora da unidade escolar, Maria Helena Melo, participou da visita. 
“Nosso intuito foi fazer com que nossos estudantes conheçam novos horizontes, que a escola possa proporcionar conhecimentos que eles vão levar para a vida, para o dia a dia, e para despertar o interesse dos alunos pelos estudos. Também dar oportunidade da nossa escola expandir os muros, além de incentivar outras unidades escolares a terem essa iniciativa, que é agradável e dá a possibilidade para os menos favorecidos conheceram lugares incríveis”, disse.

 O Projeto de educação ambiental acontece desde 2015 e atende escolas públicas e privadas, de todos os segmentos escolares. Oferecido pelo Bondinho Pão de Açúcar, o programa escolar conta com a equipe de educadores do Instituto Moleque Mateiro, que estimulam a sensibilização ambiental dos alunos de forma transdisciplinar e divertida, explorando temas de ciências, biologia, história e geografia.

 “O objetivo é oportunizar os alunos de conhecerem um patrimônio turístico e histórico mundial, que entendemos que é caro, além de dar acesso para se apropriarem e entenderem que o Rio de Janeiro não precisa ser visto só pela televisão, que eles podem se sentir donos desse lugar. Também da divulgação de informações sobre a parte cultural, histórica e ecológica, para despertar esse olhar pela natureza, que faz o lugar ser tão mágico, resgatar esse encantamento pelo meio ambiente”, explicou a educadora do Programa, Natália Barcelos.

 Na oportunidade, cada aluno recebeu uma cartilha explicativa, com jogos, atividades e histórias sobre o que foi visto durante o passeio. Os estudantes tiveram a oportunidade de andarem pela primeira vez de bondinho, viram animais silvestres, como o mico, e aprenderam sobre vegetação, praias locais e outros pontos históricos do Rio de Janeiro.

 A aluna do 6º ano, Bruna Luíza Peçanha, de 11 anos, afirmou ter aprendido coisas novas, que nunca tinha visto antes. “A sensação de andar no bondinho pela primeira vez foi muito diferente, nunca tinha experimentado isso. Deu um frio na barriga, mas depois me acostumei. Eu achei a iniciativa da escola interessante, é uma oportunidade única que tivemos”, comentou.

 Durante a experiência, educadores do Instituto Moleque Mateiro estimularam os alunos sobre vários aspectos da fauna e flora da Mata Atlântica, sobre poluição da Baía de Guanabara e urbanização. A visita também abordou fatos históricos da fundação da cidade e a geografia das paisagens cariocas.

 Por ser seu último ano na escola, Ana Lívia Fernandes, de 13 anos, valorizou ainda mais a viagem. “O passeio foi bem legal, a escola sempre nos proporciona essas oportunidades. Esse programa foi muito interessante, nós descobrimos e aprendemos coisas que nem imaginávamos, foi bem educativo e legal para toda escola”, salientou a aluna do 9º ano.

Após a visita no Pão de Açúcar, os estudantes ainda conheceram o Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, mais conhecido como a Feira de São Cristóvão, que é um pavilhão que promove a cultura e comércio de produtos nordestinos.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.