Pular para o conteúdo principal

Deputado Dr. Serginho quer saber quanto a Prefeitura de Cabo Frio gastou na aquisição do novo hospital


Deputado estadual, Dr. Serginho, em entrevista exclusiva nesta manhã de quarta-feira, dia 15, falou sobre principal assunto que vem norteando o mundo nesse momento: o Coronavírus.

Na entrevista, Dr. Serginho, que reside em Cabo Frio, fala sobre como os municípios do Estado estão gastando o dinheiro no combate ao Coronavírus.
JS – Em uma live, o senhor falou que vai abrir uma CPI para investigar os gastos da Prefeitura de Rio de Janeiro.
Dr. Serginho – O momento é de união e de unir forças. A gente tem se colocado à disposição, tanto do governador, quanto do prefeito, independente de posição partidária. Mas semana passada eu me deparei com um decreto de sigilo dos contratos administrativos do Estado. Nesse decreto a gente pode ver que o hospital de campanha foi construído ao custo de R$560 mil cada leito. Preço de um apartamento na Barra da Tijuca. Não é possível que em um momento de necessidade as pessoas se aproveitem da miséria humana para faturar milhões de reias. O custo desse hospital chegou a quase R$ 1 bilhão. As pessoas jogando dinheiro público pelo ralo e outras passando fome. Então, eu tenho bastante preocupação de como o dinheiro público está sendo gasto. Temos outra preocupação com a crise econômica, as pessoas estão passando fome e não vemos ação do governo quanto a isso. Aí que veio a ideia da CPI. Estamos com o apoio de outros colegas, porque o que a gente quer é transparência. Não quero causar conflito nesse momento, quero auxiliar o Estado e a população.
JS – E o Ministério Público já está atuando nessa questão do Governo do Estado?
Dr. Serginho – A partir da nossa denúncia o Ministério Público já instaurou as medidas necessárias e hoje investiga de maneira muito rigorosa a nossa denúncia.
JS – Inclusive o hospital de campanha de Casimiro de Abreu, né?
Dr. Serginho – O que acontece é que o Estrado faz l decreto de sigilo desses atos na hora que deveria dar maior transparência possível. Imagina que cada respirador para o Estado saiu ao custo de R$200 mil, enquanto o Governo Federal pagou quase R$70 mil. E a empresa que estaria fornecendo os respiradores é de informática. A gente faz um esforço enorme para minimizar os impactos, como evitar o corte de luz.
JS – Dos 92 municípios, 54 municípios estão buscando junto à Alerj o pedido de Calamidade Pública. O município não tem autonomia para decretar? No caso, Cabo Frio decretou o estado, não seria mais o caso de Calamidade Social? Já quer o município é riquíssimo e não vemos os governantes atuando.
Dr. Serginho – Cada município tem uma realidade própria e específica. Ele pode sim decretar Calamidade Pública independente da Alerj. No caso de Cabo Frio, eu não vejo Calamidade Pública nesse momento e sim Social. Pode ser que lá na frente essa hipótese aconteça, mas hoje temos um problema imediato da fome. A quantidade de pessoas que tem me pedido auxílio é enorme. O município deveria voltar seu foco para o Coronavírus, mas dar assistência a algumas famílias. A gente tem uns projetos que não foram implantados, por exemplo, nesse momento as escolas estão paralisadas, porque não entregaram essas merendas ao seu pais e alunos da rede pública? Porque o prefeito não canaliza seus esforços para dar assistência às famílias cabo-frienses? Tem que deixar outras atividades de lado agora que não são prioridades, por exemplo, pintar meio fio. Pintar meio fio agora não é prioridade.
“Tem que deixar outras atividades de lado agora que não são prioridades, por exemplo, pintar meio fio. Pintar meio fio agora não é prioridade”, diz o deputado sobre Cabo Frio
JS – Cabo Frio é uma cidade rica, não tem capacidade de ajudar?
De. Serginho – Nós não vemos uma eleição de prioridade. Não estou aqui para criticar, meu objetivo é auxiliar, sugerir e somar forças. A partir do momento que a gente não vê uma transparência com o gastos públicos, tenho que cobrar. O prefeito não vem a público mostrar a realidade financeira, onde está sendo gasto o dinheiro público no momento. Por exemplo, eu já vi postagem dele fazendo tapa-buraco e pintando meio fio, tem uma semana. O momento não é para isso. O momento é para ele canalizar os recursos financeiros dele, que deve estar passando dificuldade, para auxiliar a população. Ele tomou a decisão de fechar o comércio e não tomou nenhuma medida de dar um respaldo mínimo a população que está passando dificuldade. Ontem eu estive na Câmara Municipal e na Prefeitura de Cabo Frio requisitando as formas que se deram a aquisição desse hospital que foi instalado na cidade para que dê transparência. A que custo isso se sairá a população? O hospital já tinha equipamentos? Quais? Foram adquirimos equipamentos novos? Nós não sabemos nada disso. Desde o início tenho colocado meu mandato à disposição dos prefeitos, principalmente dos da Região dos Lagos, que é onde eu resido e construí minha vida. O deputado ele tem suas limitações, não consegue fazer tudo, mas a gente, no que for possível, articula com o Governo Federal, na Alerj, estamos aqui para somar.
JS – Voltando ao caso do hospital de Cabo Frio. Não seria melhor fazer com os que a gente já tem funcionem?
Dr. Serginho – A decisão final dentro do município é sempre do prefeito. Acho que a decisão pode ter sido equivocada, no momento, mas ele tem mais detalhes e informações do que eu. O que eu tenho questionado não é a aquisição do hospital em si, é a forma como foi feita.


Fonte: jornaldesabado.net

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

  O LOBO EM PELE DE CHACAL!   “TSE defere candidatura e José Bonifácio tomará posse como Prefeito de Cabo Frio” “Em decisão monocrática o Ministro Alexandre de Moraes deferiu o recurso de José Bonifácio” Na sexta-feira (18/12) por volta das 18:00 horas as manchetes acima surpreenderam alguns incautos cabofrienses, e deixaram duas sérias indagações no ar: - O que motivou o Ministro Alexandre de Moraes, relator do processo, a evitar o julgamento pelo colegiado do Tribunal Superior Eleitoral? - A séria motivação impeditiva deixou de existir apenas duas horas depois de iniciado o “recesso” do tribunal?   Bem... o editorial do Blog Cartão Vermelho não possui todas as respostas, porém, cumprindo sua principal missão de trazer luz aos fatos, assinala agora a ação vil, perdulária e principalmente venal que acometeu a defesa do Sr. José Bonifácio.   Os advogados que patrocinaram a causa de Zezinho, fazem parte de uma bancada respeitadíssima nacionalmente, é uma das mais cara

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.