LEAL PORTO TELECOM

LEAL PORTO TELECOM

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2644-4080 // 99999-5998

quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

Polícia ambiental encontra diversos animais marinhos em cativeiro ilegal em Iguaba Grande

 

Policiais militares lotados na 8ª Unidade de Policiamento Ambiental (UPAm) encontraram nesta terça-feira (1º) diversos animais marinhos mantidos ilegalmente em um cativeiro em Iguaba Grande, na Região dos Lagos do Rio.

 

De acordo com a polícia, os agentes foram ao local na Estrada do Sal, no Morro do Governo, para verificar um possível local de armazenamento de várias espécies de crustáceos e invertebrados marinhos que, possivelmente, teriam sido capturados na Região dos Lagos.

 
Cavalos-marinhos estão entre animais apreendidos em cativeiro em Iguaba Grande, no RJ — Foto: Divulgação/UPAm

 

Quando os policiais chegaram, encontraram o cativeiro com vários animais de espécies marinhas. A polícia acredita que os animais seriam comercializados de forma ilegal. Nenhum suspeito foi encontrado.

 

 

Entre os animais estavam cavalos-marinhos e crustáceos. A polícia ainda não tem o balanço da quantidade de animais e espécies apreendidos.
Policiais da 8ª UPAm encontraram animais marinhos em cativeiro em Iguaba Grande, no RJ — Foto: Divulgação/UPAm

 

Todo o material encontrado foi apreendido. O caso foi registrado na 129ª DP, em Iguaba Grande.

 

O G1 entrou em contato com a Polícia Civil para saber se já há um balanço do que foi apreendido e se algum suspeito foi encontrado e aguarda o retorno.

 

Manter animal silvestre em cativeiro sem autorização legal é crime, podendo ser punido com multa ou até prisão.

 

Venda ilegal de animais marinhos na região

Em outubro deste ano, uma operação conjunta da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) e do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) resgatou centenas de animais marinhos e prendeu duas pessoas na Região dos Lagos do Rio. Pai e filho são investigados por comandar uma quadrilha que revendia peixes e crustáceos ameaçados de extinção.

 

Os suspeitos presos na ocasião são proprietários de um depósito em São Pedro da Aldeia, às margens da RJ-106, onde armazenavam e revendiam os animais. Apenas nesse depósito, a polícia encontrou mais de 150 animais e, pelo menos, 59 tanques para armazenamento.

Fonte: g1.globo.com

0 comentários:

- |