Pular para o conteúdo principal

Prefeitura de São Pedro afasta secretária-adjunta de Cultura após caso de intolerância religiosa


 A Prefeitura de São Pedro da Aldeia afastou do cargo nesta terça-feira (8) a secretária-adjunta de Cultura, Edlúcia Marques, após um caso de intolerância religiosa, ocorrido na noite de segunda (7), durante uma sessão pública do edital ‘Cultura Viva’, para a liberação de recursos referentes à Lei Aldir Blanc para artistas do município. 

 

Proponente do projeto ‘Cultura Afro-Brasileira: A Grandiosidade da diversidade no Brasil’, Juliane Carvalho disse que Edlúcia afirmou que não reconhecia manifestações de matriz africana como atividades culturais. A agora ex-secretária-adjunta fazia parte da banca de avaliadores responsáveis pelos pareceres do projeto.

 

Frequentadora de um centro religioso de matriz africana, Juliane disse que não precisava do ‘reconhecimento’ da  então secretária-adjunta, pois isso era feito pela lei. Segundo ela, Edlúcia retrucou dizendo que daria ‘zero’ para o projeto, mesmo após os colegas de banca terem decidido pelo deferimento. Advertido por um colega que a nota deveria ter uma justificativa plausível, Edlúcia teria dito: “Pode vir, pode jogar a macumba”. O clima na sessão pública foi de indignação após a frase. 

 

– A gente que é de matriz africana é sempre atacado. A gente tem que estar sempre brigando, lutando por uma coisa que é natural – desabafou Juliane, em vídeo postado nas redes sociais.

 

Na tarde desta terça (8), a Prefeitura emitiu nota sobre o afastamento de Edlúcia, cujos votos nos pareceres foram anulados. 

 

“A Prefeitura lamenta o ocorrido ontem (07/12) na, sessão pública para julgamento das propostas culturais do Prêmio São Pedro da Aldeia de Cultura Viva, na Casa da Cultura, e repudia qualquer tipo de discriminação, se solidarizando com todos que se sentiram ofendidos pelo comportamento da servidora. A gestão municipal reforça que políticas públicas igualitárias devem ser baseadas em princípios de respeito e valorização da diversidade”, diz o texto. 

 

Pouco depois, a Prefeitura postou um vídeo em que Edlúcia Marques se retrata, embora não se refira diretamente aos participantes do projeto.

 

– Venho aqui pedir desculpas a quem eu possa ter magoado e constrangido com alguma das minhas falas. Nesse momento, o que importa é a retratação, o pedido de desculpas. Espero que não vá para o coração. Em momento nenhum, eu quis magoar ou constranger alguém – disse.

 

O caso foi parar na delegacia (125ª FP), onde um registro de ocorrência foi registrado. As integrantes do projeto afirmam que irão ‘até o fim’. As investigações estão em andamento e testemunhas serão ouvidas, além da própria Edlúcia.

 

No começo da noite desta terça, a Prefeitura divulgou uma lista preliminar com os projetos deferidos e o de Juliane está entre eles. Ao todo, 59 projetos culturais foram inscritos na seleção, que vai conceder prêmios de R$ 5 mil a R$ 28 mil para projetos promovidos por agentes culturais do município.

Fonte: folhadoslagos.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.