Pular para o conteúdo principal

Coluna Banzo


RELATÓRIO DA CPI DO HOSPITAL DA MULHER – IRREGULARIDADES, IMPROBIDADES E PROVAS ARROLADAS NA CPI

Visando a missiva de reconstrução dos fatos da forma mais fidedigna possível, possibilitando ao Juízo uma decisão justa com base nas evidências relatadas, a CPI do Hospital da Mulher realizada pela Câmara de Vereadores de Cabo Frio nos surpreende pelo farto material probatório.

Relacionaremos a íntegra do rol de provas da CPI do Hospital da Mulher

· Livros de Atendimento do Hospital da Mulher NOV/DEZ/2018 e JAN/19

· Livros de Internações do Hospital da Mulher NOV/DEZ/2018 e JAN/19

·  Os Prontuários das gestantes que perderam os bebês

·   Os Livros de Pedidos de Medicamentos

·   Relatório do Farmacêutico Responsável

·   Livro de Óbitos 2017/2018/2019

·   Relatório do Conselho Municipal de Saúde

·   Documentos CREMERJ

·   Jornais Locais

·   Boletins de Ocorrência da 126ª. DP

·   Oitivas realizadas na Câmara de Vereadores de Cabo Frio e ALERJ

Isto posto, passamos a relacionar as IRREGULARIDADES CONSTATADAS, destacando as quais julgamos mais graves por sua importância e as mais grotescas por sua primariedade e simplicidade de solucionar.

·  As fichas de entradas e as fichas de internação são feitas a mão, estando muitas vezes ilegíveis, rasuradas ou com divergência de informações.

·  Há inúmeras denúncias sobre a negativa de acesso ao prontuário médico por parte da gestante ou representante legal.

·  O Relatório do Farmacêutico Responsável afirma que no setor não há sistema informatizado para melhor controle de entrada e saída, não há espaço físico adequado para armazenamento de medicamentos e insumos, e em alguns momentos há falta de formulários para fazer solicitação ao setor competente.

· Há denúncias de que não está sendo garantido à gestante o direito à presença de um acompanhante

·  Falta Médico Obstetra plantonista de quinta-feira

·  Falta Médico plantonista exclusivo para UTI Neo Natal

· Regularização de fornecimentos de medicamentos e insumos hospitalares, visto que a fiscalização identificou falta de diversos itens

·  Falta um Farmacêutico 24 horas na unidade hospitalar

·  Falta leito de RPA – Recuperação Pós Anestésica

·  Inexistência de uma Comissão de revisão de óbitos e revisão de prontuários

Há de se ressaltar que foram encontrados problemas em quase todos os prontuários analisados: falta de legibilidade, falta de carimbo, falta de assinatura das condutas, falta de preenchimento de data e hora, problemas na evolução do paciente, inconsistências entre dados inseridos pelos médicos com aqueles inseridos pelos enfermeiros, falta de descrição de exame físico ou descrição do exame incompleto, atestado de óbito preenchido de maneira incorreta, divergência de terminologia para descrever o mesmo fato, e uso de protocolos sem análise da situação concreta.

E por último o mais alarmante relato:

Mais de 70% dos Atestados de Óbitos foram preenchidos como a causa mortis sento “anóxia intrauterina”. Porém conforme parecer da atual Diretora do Hospital da Mulher Dra. Tânia, a anóxia intrauterina, normalmente não é a causa primária de morte de bebês, mas a consequência de uma determinada patologia.

Não tem como ler e não se emocionar!

Nenhum dos 17 (dezessete) bebês passou por uma necropsia.

Alguém tem que responder por essas vidas!

E quem nomeou também tem que ser responsabilizado!!!

E agora DOUTOR

 Por Marcos Chaves




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.