Pular para o conteúdo principal

O mimimi pela volta de Milton Alencar a frente da Secretaria de Cultura



O Governo Dr. Adriano trocou mais um nome de seu staff, sai da Secretaria de Cultura a memorialista Meri Damasceno e entra em seu lugar o renomado cineasta Milton Alencar.

Mas,
E a vida tem sempre umas...

Mas o que era para ser uma troca natural de um quadro governamental, virou um mimimi sem limites, algumas poucas vozes gritaram "é golpe!" já outros afirmaram "manobra para tirar a Meri Damasceno", ainda teve pérolas como de ex-secretário "não se consultou ao conselho deliberativo", ao que parece todos os empolgados de plantão parecem viver em um conto do autor irlandês C. S. Lewis, na fantástica Nárnia; e esqueceram que o cargo de secretário de cultura é um cargo comissionado que está sob a regência do prefeito, que troca seus comissionados quantas vezes quiser sem precisar de dar "golpe" ou "consular" ninguém.

E os que hoje estão reclamando são os mesmos do movimento 1º de abril, há quase duas décadas reclamando, parece que entraram na máquina do tempo, seria até engraçado se não fosse trágico.

Mas delírios a parte a Cultura de Cabo Frio está em colapso absoluto, não temos mais nenhum movimento cultural, perdemos os principais espaços culturais, a maior parte deles fechado e sem luz, o teatro municipal fechado e servindo de casa para moradores de rua, desde 2009 a Cultura vem decaindo ano após ano, já tivemos secretário de cultura que vivia fazendo manifestação cultural em sepulturas, era um necrófilo cultural, mas em 2015 a Cultura colapsou e nunca mais se reergueu.

A entrada de Milton Alencar é de fato uma esperança, por 12 anos esteve a frente da Cultura de nossa cidade, encontrou 4 espaços culturais e ampliou para 9, entre eles abriu o Teatro Municipal, fez do falecido Carnaval de Cabo Frio o maior do interior do estado e um dos 10 maiores do Brasil, fortaleceu todos os setores da cultura, e todos os projetos culturais que sobreviveram por anos. Após a saída Milton Alencar em 2008 a cidade foi perdendo, perdendo, perdendo e hoje não tem mais nada de sua cultura.

Ao aceitar esse desafio Milton Alencar volta a 1997, quando se tornou secretário pela primeira vez, volta novamente sem teatro, sem espaços culturais, sem projetos existentes, sem verba, sem nada, e arrisca seu legado e conquistas nessa aventura, em minha opinião jamais deveria ter aceito.

Álex Garcia

PS (1) - Esse texto foi escrito por um adversário histórico de Milton Alencar, em 2003 tive que abandonar sua emissora, Cabo Frio TV, para estrear o Programa Cartão Vermelho; o Milton quando viu o projeto do programa disse "Isso é uma merda, jamais passará na minha TV" e de fato em 16 anos jamais passou em sua TV.


PS (2) - O Programa Cartão Vermelho estreou em 21 de novembro de 2003 na extinta TV Forte com direção de Max Corôa, e o Milton tem razão, há 16 anos é uma merda mesmo, não sei como vocês assistem e lêem essa porcaria. rsrs


Comentários

  1. Disse tudo. Milton foi convidado a colocar sua experiência à disposição de recuperar o quadro pífio e caótico em que a Cultura de Cabo Frio se encontra. Não há golpe nenhum. Golpe foi a população ter que suportar por tanto tempo um quadro funcional que era sub assumir a pasta e andar para trás. O resto é mimimi mesmo. Parabéns Milton!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.