Pular para o conteúdo principal

Hospital da Mulher investe na capacitação técnica dos profissionais e na humanização do atendimento




Integrantes da diretoria do Hospital Municipal da Mulher (HMM) participaram nesta quarta-feira (15), na condição de testemunhas, da oitiva promovida pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) formada pela Câmara Municipal de Cabo Frio.

Na ocasião, a diretora geral da unidade, Tânia Lydia Matosinhos; a diretora técnica, Cristina Vale Faria e a diretora administrativa, Simone Sant´Anna, responderam perguntas feitas pelos vereadores sobre a morte de bebês na unidade.

Novo protocolo de atendimento

Sobre o protocolo de atendimento adotado pela atual gestão, a diretora geral informou que o novo modelo visa ter um olhar atento às necessidades da paciente e bom senso no encaminhamento de cada caso. “A gestação é um período naturalmente conturbado, em que muitas vezes a paciente apresenta um quadro influenciado por medo ou outras questões que acabam interferindo no seu estado. Por isso, fazemos o que for necessário para tranquilizá-la e constatar o seu real estado de saúde. E, após todas as constatações, decidir se é caso de internação ou de alta médica”.

Alto índice de óbitos por infecções e sífilis

Ao ser questionada pelas conclusões da Comissão de Verificação de Óbitos, Dra. Tânia informou que houve um grande número de óbitos provenientes de sífilis, uma doença sexualmente transmissível, e de infecções graves.

“A situação epidemiológica do município nos preocupa. Cabo Frio e também os municípios vizinhos apresentam alto índice de casos de sífilis. Os números que apresentamos são encaminhados para a Saúde Coletiva, e as ações de Saúde acontecem a partir de lá”, explicou.

Ainda segundo ela, para tentar minimizar o problema, o Hospital está se reunindo com as unidades de ESF (Estratégia Saúde da Família), onde são feitos os acompanhamentos pré-natais e com o Departamento de Saúde Coletiva, que está realizando capacitação das equipes de enfermeiros, para que estejam aptos a realizar todos os exames necessários na primeira consulta e no primeiro trimestre de gestação. Outra iniciativa, junto com o Departamento de Vigilância Epidemiológica, é a realização de ações de conscientização, em consonância com a Secretaria de Estado, para que não só a mãe fique ciente dos riscos, mas também o pai.

Além da sífilis e das infecções graves, outros motivos identificados como causa dos óbitos foram: má formação congênita, circulares de cordão e ainda hábitos e condições de higiene desfavoráveis, entre outros.

Busca ativa para acompanhamento das pacientes

Apesar de todo o esforço da nova diretoria para oferecer um tratamento mais humanizado e intensivo às mulheres, a diretora geral afirma que enfrenta dificuldades de acompanhar a paciente no período da gestação e também no pós-parto. Isto porque um grande número apresenta endereços falsos e também porque a cidade está recebendo um grande fluxo migratório de pessoas provenientes de outras localidades do estado, que ainda não definiram moradia.

“Nosso objetivo é fazer uma busca ativa das pacientes, tanto para o acompanhamento da gestação como depois do nascimento, mas nem sempre é possível devido a esses fatores”, afirmou Dra. Tania.

Informatização e entrega de prontuário

Ao ser perguntada sobre a informatização da área administrativa, em especial a recepção, a diretora administrativa Simone Sant´Anna informou que nesses dois meses da nova gestão já identificou a necessidade de equipar e informatizar alguns setores administrativos, o que já foi solicitado à Secretaria.
A respeito da entrega dos prontuários médicos, a diretora administrativa explicou que o documento é entregue à paciente quando fica pronto, no prazo de até cinco dias após a alta médica.

Outra iniciativa que visa à melhoria é a capacitação dos funcionários desses setores, cujo objetivo é oferecer um atendimento humanizado do início ao fim.

Capacitação de doulas

As diretoras também foram questionadas sobre a presença de doulas no atendimento e informaram que no segundo semestre iniciará um treinamento que visa capacitar 10 doulas para atuar em todos os plantões da unidade.

Desafio

As diretoras afirmaram que o maior desafio da nova gestão é desfazer uma imagem que foi amplamente reproduzida sobre o Hospital e que gerou medo e insegurança na população.

“Nos últimos meses, chegaram para as gestantes informações que as faziam sentir-se em risco ao se internarem ali. Nós nos colocamos no lugar dessas mulheres, para que elas tenham tranquilidade ao chegar no Hospital e no lugar dos profissionais que as atendem, que também ficaram assustados com essa situação. 
Mas já estamos conseguindo mudar esse cenário. Temos a certeza de que os problemas enfrentados não são de origem técnica nem estrutural. A equipe é excelente, os médicos gostam de trabalhar ali, a equipe de manutenção e administrativa não mede esforços para o bom funcionamento da unidade. O Hospital da Mulher é um ótimo lugar para trabalhar e também para as mulheres terem seus filhos”, concluiu Dra. Tania.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.