LEAL PORTO TELECOM

LEAL PORTO TELECOM

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2644-4080 // 99999-5998

terça-feira, 31 de julho de 2012

Passando a Limpo. Por Charles Domingues.



PERGUNTAS QUE NÃO QUEREM CALAR.

Ainda muito preocupado com o que vi nesse processo primitivo de limpeza da praça das águas, eu volto a essa coluna, para trazer um pouco mais de informações sobre o processo o qual foi realizado a meu ver de forma totalmente equivocada. Um processo onde ações corretivas de maneira primitiva fizeram com que boa parte da população acreditasse que o procedimento utilizado foi o correto, e mais incrível do que o processo errôneo praticado pela empresa contratada com anuência do município, foram às afirmações que visavam validar tais ações.

Como eu não sou de ferro resolvi trazer de volta a coluna esse assunto, tentando dessa vez ser um pouco mais direto com relação aos equívocos e possíveis consequências, volto a frisar que a critica por mim aqui transcrita, tem a preocupação voltada para a proteção do ser humano que ali circula, as pessoas que limparam de forma indevida o lago, o destino final dos peixes que foram removidos, e por fim com o futuro do lago no caso de os responsáveis continuarem tratando do assunto como se nada estivesse acontecendo, e que tudo isso fosse muito normal. 

Um lago ornamental como a praça das águas foi construído com planejamento de sustentabilidade ambiental haja vista ser um sistema semi-aberto com retorno. Porem a ausência de um tratamento específico foi o grande responsável pelo crescimento excessivo de algas, o que além de prejudicar a estética também afetou a recreação haja vista essa ter sido a ideia inicial. Muitas das algas que se proliferam podem ser extremamente tóxicas e por sua vez podem causar a intoxicação de animais e humanos, por esse motivo sempre sugeri que os responsáveis fornecessem as analises de água para sabermos de existiam contaminantes ou poluentes no lago. Para a fauna aquática, a tendência é que as certas toxinas se acumulem no tecido dos organismos, como nesse caso dos peixes. Conseqüentemente, a presença de toxinas na água também coloca em risco à saúde humana daí eu ter dito que o processo de limpeza foi arcaico, pois as pessoas que adentraram ao lago deveriam estar no mínimo protegidos (EPI’S) e a água ter sido analisada para se saber exatamente quais os contaminantes e/ou poluentes que ali existiam.

Na verdade por se tratar de um lago artificial, alguns processos devem ser substituídos por processos não naturais, porem quando se faz esse tipo de adaptação, deve se levar em conta a forma com que é feito, por exemplo, qual a qualidade da ração e nutrientes, assim como qual a quantidade exata que se devem utilizar os mesmos, visando evitar a eutrofização do lago. Além disso, a própria excreção dos peixes e a agitação do lago devido a sua localização sejam por ação física (chafariz e/ou cascatas), ou por intempéries da natureza fazem como que haja um revolvimento dos sedimentos (massa depositada no fundo do lago) e com isso aumentam o estoque de Fósforo na água, sendo esse aliado ao Nitrogênio, os principais responsáveis pela eutrofização do lago, propiciando o surgimento de algas, que como dito acima, podem ser tóxicas.

A proliferação de algas como falamos na coluna anterior causa a piora da qualidade da água, podendo promover déficits de oxigênio e aumento na concentração de amônia o resultado disso pode ser visto por quem teve a oportunidade de passear com sua família em um dia de sol na praça das águas.

Alem de tudo que já foi dito, algumas bactérias podem produzem toxinas que podem causar estresse físico para os peixes cultivados. Por isso eu fiquei muito preocupado quando constatei in loco, alem da saber via meios de comunicação isso inclui a TV, que os peixes removidos e seriam doados. Caros leitores você sabia que algumas algas podem produzir toxinas, e dependendo da toxina pode ficar acumulada nos peixes?

Pois é!!!!!!!!!!!!!!!! Vamos as perguntas que não querem calar:

Qual foi o destino dado ao resíduo removido, haja vista estar rico em nutrientes?

Qual foi a classificação dada ao resíduo, para que ele pudesse receber o correto destino? Eu estava presente quando o resíduo foi removido e armazenado, logo precisou ser transportado e por fim ser destinado, sendo assim existiu manifesto de resíduo? Lembrando que o excesso de algas pode causar eutrofização em corpos hídricos, logo o resíduo precisava de classificação e destino.

Realmente os peixes uma parte será doado a escolas municipais, a outra parte vai ficar em tanques até voltar para as piscinas da praça com foi dito na Tv?

Mediante tudo que retratamos acima, acredito que agora o leitor entenda a minha preocupação com a esse processo de limpeza e conservação. Abaixo valido a informação com a matéria exibida na TV em 24/07/2012 - 11:13:42h. http://in360.globo.com/rj/noticias.php?id=27399

Na mesma matéria podemos ver homens com metade de seus corpos dentro d’água, que já esclarecemos acima a provável forma de poluição da mesma, então os fatos aqui expostos, parecem demonstrar que as pessoas lidam como certos problemas como se nada tivesse acontecendo, ou como se nada pudesse acontecer, mesmo a ação delas sendo um verdadeiro absurdo, podendo ate mesmo causar impactos futuros.

Apenas para colaborar:

DZ-1310. R-7-INEA(03 de setembro de 2004),Sistema de Manifesto de Resíduos.

4.3 Resíduos – material resultante das atividades industriais, domésticas, hospitalares, comerciais, de serviço de limpeza, agrícola ou simplesmente vegetativa, que deixa de ser útil, funcional ou estética para quem os gera, podendo encontrar-se no estado sólido, semi-sólido, gasoso, quando contidos, e líquidos, quando não passíveis de tratamento convencional.

7.1 O Sistema abrangerá todos os resíduos de qualquer gerador a ele vinculado, excetuando-se os resíduos domésticos.

Fica mais uma vez a sugestão e também a fim de validar a água dentro de parâmetros recomendados, para posteriormente destinar os peixes, que os órgãos responsáveis verifiquem a Resolução CONAMA 357/2005 Art. 4º item V -: alínea b classe 3: águas que podem ser destinadas a harmonia paisagística.

Eu sou Charles Domingues
Sou Gestor Ambiental e Químico
Não deixe de acompanhar o meu blog www.charlesdomingues.blogspot.com

0 comentários:

- |