Pular para o conteúdo principal

Alerj vai recorrer de decisão de Toffoli sobre impeachment de Witzel


A Assembleia Legislativa do Rio decidiu na manhã desta terça-feira (28/7), recorrer da decisão do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), que desmontou a comissão especial formada para analisar o impeachment do governador Wilson Witzel. Toffoli entendeu, em concordância com a defesa do mandatário, que o colegiado de 25 deputados formado para elaborar um parecer sobre o afastamento desrespeitou entendimentos estabelecidos pela Corte.




O presidente da Alerj, André Ceciliano (PT), se reuniu na manhã desta terça (28/7), com a Procuradoria da Casa para decidir como agir diante da liminar de Toffoli, ministro plantonista durante o recesso do Judiciário. "O governador está no direito dele de recorrer, mas nós vamos fazer tudo o que tem que ser feito quanto ao andamento do processo", disse Ceciliano ao Estadão. O relator do pedido na Corte é o ministro Luiz Fux, que é carioca e tem boa interlocução com a classe jurídica fluminense - Witzel é ex-juiz.

"A Casa vai argumentar que o rito estabelecido pela Lei 1079/50 (Lei do Impeachment) está sendo respeitado, com a representação de todos os partidos na comissão especial que analisa a denúncia e a garantia da ampla defesa do governador", afirmou a Alerj, em nota. "Uma reunião entre os líderes partidários será realizada na tarde de hoje para definir a data em que será impetrado o recurso."

A definição da data envolve justamente o fato de o STF estar em recesso. Não faria muito sentido recorrer da decisão ao próprio Toffoli, o que faz com que seja mais coerente apresentar o recurso na semana que vem, quando o relator Fux já estará de volta ao Supremo.

Witzel tinha até esta semana para apresentar sua defesa formal à comissão. Com a decisão monocrática de Toffoli, ganhou mais tempo.

Os advogados dele alegam que o rito do impeachment na Assembleia desrespeitou precedentes abertos pela Corte em outros casos. A comissão especial, por exemplo, deveria ser formada levando em conta o tamanho da representação de cada partido na Casa - e não com um deputado de cada legenda, como foi feito.

Na prática, a decisão de Toffoli faz com que o processo volte à etapa inicial, exigindo a formação de uma nova comissão. Os representantes de cada partido teriam que ser eleitos pelas respectivas bancadas.

Além da vitória jurídica, Witzel passou a acenar politicamente aos deputados - algo que, segundo parlamentares, o governador resistia a fazer desde o começo. Na semana passada, ele renomeou o ex-deputado federal André Moura para a Casa Civil, a fim de reforçar a interlocução política com a Assembleia. A exoneração de Moura, em maio, havia colocado ainda mais lenha numa fogueira que já fervia o mandatário fluminense, acusado de estar envolvido com os casos de corrupção na Saúde.

Apesar de o ambiente ter melhorado com o retorno de Moura, há uma leitura na Alerj de que, em aspectos práticos, nada muda na situação política do governador. Ele teria, no máximo, 14 votos favoráveis no plenário - para não ser afastado, precisaria de 36 dos 70.

A nomeação dele se deu num momento em que o governo também distribui cargos e faz mudanças em aspectos da administração que costumavam ser criticados. Entre eles, a influência da primeira-dama, Helena Witzel, que tinha uma sala vizinha ao gabinete do marido e era tida como pessoa de forte influência sobre ele - mais do que os secretários, mesmo sem ter cargo oficial no governo. Desde a operação da Polícia Federal contra o casal, em maio, ela passou a ser mais discreta e não tem aparecido no gabinete de Witzel.


Fonte: correiobraziliense.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.