Pular para o conteúdo principal

Ambulantes exigem posição da Prefeitura sobre volta às praias até quinta-feira



Os trabalhadores ambulantes e demais permissionários que atuam nas praias de Cabo Frio esperam, até esta quinta-feira (30), por uma definição da Prefeitura sobre a liberação para a volta das atividades. De acordo com o presidente da associação da categoria, Luciano Dias de Mello, o prazo se refere a uma promessa feita pelo Gabinete de Crise de que será feita uma consulta junto ao Ministério Público sobre a situação.

Luciano lembrou que as atividades nas ruas, praças e avenidas foram liberadas após um protesto dos trabalhadores, inclusive com fechamento da Ponte Feliciano Sodré, mas disse que não foi dada qualquer data para a retomada nas praias. O diretor da associação pediu o mesmo tratamento destinado a outros segmentos comerciais que tiveram a permissão para retornar ao trabalho. Caso o silêncio da Prefeitura persista, haverá novas manifestações.

– O que a gente quer é uma data pra voltar às atividades na praia. Eles ficaram de dar uma posição até quinta-feira. Ficaram de mandar um ofício do Gabinete de Crise para o Ministério Público, para ver uma maneira da gente voltar, com redução de material, com EPI, como está fazendo todo o comércio. Não tem porque a gente não estar trabalhando. Cabo Frio já abriu todo. Abiu o shopping que é pior, que é fechado, imagina a praia, que tem um risco bem menor de contaminação, que é lugar aberto. Então a gente vai esperar até quinta-feira e se não houver resposta, a gente vai fazer outra ação, mas não vai ser um ato de clamor, e sim um ato ‘mais forte’. A gente quer resolver na conversa, o que não dá é para ficar esperando cinco meses a boa vontade do poder público de permitir o trabalho nas praias – disse Luciano.

No último domingo (26), os ambulantes e barraqueiros fizeram um ato religioso e de protesto na Praia do Forte para chamar a atenção das autoridades quanto aos problemas financeiros ocasionados por causa da proibição das atividades comerciais nas areias. A manifestação chamou a atenção dos banhistas, que encheram o local, apesar do decreto que proíbe a permanência para atividades recreativas. Apenas a prática de esportes individuais está liberada, no momento.

Conforme a Folha publicou em primeira mão ainda neste domingo (26), o Conselho Municipal de Turismo de Cabo Frio pediu à Procuradoria-Geral do Município que faça uma consulta sobre a volta das atividades recreativas e comerciais nas praias da cidade. O objetivo é que o Ministério Público Estadual e a Defensoria Pública emitam recomendações sobre o tema. O ofício foi assinado com data da última sexta-feira (24) pelo secretário municipal de Turismo, Paulo Cotias.

No documento, o Conselho de Turismo pede que seja "realizada uma consulta junto à Defensoria Pública e Ministério Público, em caráter de urgência, quanto a liberação de uso recreativo e atividades econômicas nas praias e, em caso positivo, quais serão as recomendações com relação a sua organização". A Secretaria de Turismo informou à reportagem da Folha que está formatando um curso de padronização, protocolos e boas práticas para os permissionários, que será gratuito e on-line.

Procurada nesta segunda-feira (27), a Prefeitura informou que todas as normas previstas nos decretos 6.288 e 6.289 permanecem vigentes e que o combate ao vírus é responsabilidade de cada cidadão. O município segue na Zona Laranja de risco de contaminação.



Fonte: folhadoslagos.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.