Pular para o conteúdo principal

MULHERES ALDEENSES RESGATAM ARTE DO BORDADO


Agulhas, linhas, tecidos… com apenas poucos instrumentos em mãos, um grupo de moradoras de São Pedro da Aldeia tem encontrado na arte milenar do bordado uma forma de terapia e de ajuda ao próximo. Criado em 2019 pela Secretaria Adjunta de Cultura, o projeto “Bordado Solidário” tem como proposta resgatar memórias afetivas, incentivar o artesanato local e promover ações beneficentes, além de homenagear o município com peças que retratam pontos turísticos e paisagens naturais. Os encontros são abertos ao público e acontecem todas as quintas-feiras, das 14h às 16h, na Casa da Cultura Gabriel Joaquim dos Santos, no Centro.

“Através desse trabalho, que reuniu 15 bordadeiras, realizamos nossa primeira exposição na Casa da Cultura, em comemoração ao aniversário da cidade. A partir do sucesso e da grande visibilidade que tivemos, criamos um novo perfil para o grupo, tornando-o um trabalho solidário. Vendemos os nossos produtos a preços bem acessíveis e toda a renda é destinada a compra de cobertores e cestas básicas para a população carente do município”, explicou a diretora municipal de Cultura, Rosângela Guimarães, uma das artesãs.

Terapia
Durante os encontros, as integrantes aprendem as diferentes técnicas artesanais, tipos de linha, pontos e aplicações em tecido. O projeto tem como público-alvo mulheres de todas as idades, mas qualquer pessoa interessada na arte do bordado pode participar. “Temos mães, avós e mulheres de diferentes perfis. Já estamos no nosso terceiro encontro deste ano e eu vejo nelas um anseio para aprender mais, em fazer as peças com amor e também como forma de doação. O mais bacana é que elas se tornam multiplicadoras”, afirmou a instrutora de artesanato, Kátia Carvalho.

Professora de artes aposentada, a moradora da Praia do Sudoeste, Ana Lúcia Corrêa, diz que encontrou na atividade uma ferramenta terapêutica. “A minha primeira paixão foi com o crochê, mas sempre gostei de artesanato em geral. Faço lembrancinhas, mandalas, aprendi a fazer bordados em bolsas, toalhinhas de mão e sempre trago alguma coisa para doar. Para mim, o grupo é uma terapia e uma forma de aprender coisas novas; uma maneira de brincar com cores e trabalhar com harmonia. Tem sido uma experiência maravilhosa”, disse.

Exposição
Atualmente, o grupo das mulheres bordadeiras se dedica à produção de peças para a exposição comemorativa pelos 403 anos de emancipação do município, que ficará em cartaz na Casa da Cultura, em maio. Os trabalhos terão como inspiração a Casa da Flor, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), considerada um dos principais patrimônios artísticos da cidade.

Outro destaque deste ano foi a inclusão de um dos trabalhos do grupo na feira de Aiguille en Fête, na Paris Expo Porte de Versailles, o maior parque de exposições da França. O bordado que leva o nome de São Pedro da Aldeia ficará em exposição ao lado de centenas de outras peças em bordado, tricô e costura do mundo inteiro, dos dias 11 a 14 de junho.

Para mais informações sobre o projeto aldeense “Bordado Solidário”, basta entrar em contato com a Casa da Cultura pelo telefone (22) 2625-5167 ou pelo e-mail casadaculturapmspa@gmail.com. O espaço está localizado na Avenida Francisco Coelho Pereira, nº 255, no Centro da cidade, próximo à Guarda Municipal.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.