Leal Porto

Leal Porto

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2647-5341

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Novela "A Saga da Jeitosinha" de James Santos - Capítulo 27 "Quem morreu?"


Atenção noveleiros da primeira novela digital em um site de notícias da Região dos Lagos (e talvez do Brasil), a novela Jeitosinha está em seus capítulos finais, tenho seu capítulo final publicado no sábado (29/04).

Capítulo 27 " Quem morreu? "

Arlindo - Eu não matei papai!

Narrador - Arlindo gritava com a convicção dos inocentes, mas a detetive Vanessa estava impassível.

Vanessa - Você vai explicar isso ao tribunal. Temos evidências mais do que suficientes para prendê-lo.

Arlindo - Quais? Quais são as evidências? - perguntou, inconformado.

Vanessa - Seu pai amanheceu morto, e tudo indica que foi envenenado. Sua mãe percebeu logo no começo da manhã e nos chamou. Enquanto você dormia, procuramos pistas pela casa e encontramos no fundo de sua gaveta de cuecas o frasco de um veneno muito eficaz...

Arlindo - Não pode ser! - interrompeu o encrencado Arlindo - Alguém colocou isso lá para me incriminar!

Narrador - Vanessa sorriu, com sua frieza habitual.

Vanessa - Não adianta, Arlindo... É melhor confessar. Você não contava com isso, mas seu pai, prevendo o seu trágico destino, escreveu uma carta...

Narrador - A moça fez um sinal com os dedos e um dos assistentes entregou-lhe o pedaço de papel. Vanessa prosseguiu.

Vanessa - Estava no bolso do pijama de Ambrósio. Veja o que diz: "Se alguém encontrou esta carta, provavelmente já estarei morto. O fato é que recobrei minha memória. Arlindo, meu filho mais velho, foi o responsável pela primeira tentativa de assassinato. Ainda não sei o que farei, mas como ele pode tentar de novo, deixo registrada esta denúncia. Arlindo nunca me perdoou por uma grande surra que lhe dei em sua adolescência, e nunca me perdoou por gostar mais de Jeitosinha. Percebendo que eu finalmente começava a me lembrar de tudo, passou a me ameaçar. Tenho medo de procurar a Polícia. Aliás, como tornei-me um monstro, não faz tanta diferença estar vivo ou morto. Tudo o que desejo é que, caso dê cabo de minha vida, o cruel Arlindo seja punido"... Ambrósio assina a carta. É claro que ainda faremos um exame grafotécnico...

Arlindo - Não pode ser! Este bilhete é forjado! Você verá! –

Vanessa - Há ainda uma terceira pista. - Existe este copo, encontrado ao lado da cama do seu pai, com resíduos do mesmo veneno encontrado em seu quarto, dissolvido em suco de groselha. Nele, há digitais de duas pessoas diferentes.

Narrador - "Sim!", pensou Arlindo. "Agora eu entendo! Foi Jeitosinha! Ela me serviu uísque, ontem, neste mesmo copo. Como ela usava luvas, só as marcas de meus dedos estão no vidro!".

Em pânico, e tremendo de ódio, Arlindo apontou para a irmã:

Arlindo - Foi ela! Ela é uma farsa! Um travesti maníaco e assassino! A senhora ouviu, detetive, o próprio papai dizendo isso!

Vanessa - Seu pai estava muito abalado. Este tipo de confusão é comum... Mesmo sem querer, Jeitosinha era o pivô dos desentendimentos. Talvez por isso ele a tenha visto em seu delírio. Agora... Que história é essa de travesti?
"- Vanessa dirigiu a pergunta a Marilena.

Marilena - Arlindo está tentando confundí-la, detetive. - A mãe não perdeu a chance de socorrer a filha naquele momento dramático.

Jeitosinha - Quer comprovar?

Vanessa - Não é preciso, querida. Sei bem como são os homens. Estão sempre tentando encontrar algum defeito nas mulheres bonitas...

Vanessa dirigiu-se aos assistentes e ordenou:

Vanessa - Levem-no. Vamos esperar o exame da letra no bilhete e das marcas no copo. Você vai aguardar na cadeia o resultado, Arlindo. E caso se comprovem as evidências, não sairá de lá tão cedo...

Narrador - Debatendo-se e gritando, o cruel Arlindo foi recolhido ao camburão. Os policiais deixaram a casa e Marilena finalmente demonstrou sua dor num choro convulsivo. Na verdade sentia-se aliviada pelo fim de Ambrósio, mas não se conformava com o fato de que um de seus filhos tivesse assassinado o homem.

Marilena - Jeitosinha... Porque Arlindo tentou incriminá-la?

Jeitosinha - Você sabe que ele me odeia, mamãe...

Narrador - Jeitosinha estava calma e segura. Beijou suavemente o rosto de Marilena e foi para o quarto, já pensando no próximo ato de seu circo de horrores.

Não perca os últimos capítulo de número 28 e 29 da novela mais agitada do nosso blog! Amanhã tem capítulo inédito!

Para reler o Capítulo 1 clique AQUI
Para reler o Capítulo 2 clique AQUI
Para reler o Capítulo 3 clique AQUI
Para reler o Capítulo 4 clique AQUI
Para reler o Capítulo 5 clique AQUI
Para reler o Capítulo 6 clique AQUI
Para reler o Capítulo 7 clique AQUI
Para reler o Capítulo 8 clique AQUI 
Para reler o Capítulo 9 clique AQUI
Para reler o Capítulo 10 clique AQUI
Para reler o Capítulo 11 clique AQUI
Para reler o Capítulo 12 clique AQUI
Para reler o Capítulo 13 clique AQUI
Para reler o Capítulo 14 clique AQUI
Para reler o Capítulo 15 clique AQUI
Para reler o Capítulo 16 clique AQUI
Para reler o Capítulo 17 clique AQUI
Para reler o Capítulo 18 clique AQUI
Para reler o Capítulo 19 clique AQUI
Para reler o Capítulo 20 clique AQUI
Para reler o Capítulo 21 clique AQUI
Para reler o Capítulo 22 clique AQUI
Para reler o Capítulo 23 clique AQUI
Para reler o Capítulo 24 clique AQUI
Para reler o Capítulo 25 clique AQUI
Para reler o Capítulo 26 clique AQUI

0 comentários:

- |