Leal Porto

Leal Porto

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2647-5341

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Lula é a lula do Lula. Por Pedro Nascimento Araujo


O magistral inglês Thomas Hobbes é mais conhecido pela sua obra O Leviatã, na qual descreve um ente que tudo comanda e a todos oprime – em termos mais prático, o governo, notadamente em sua versão autocrática. É uma visão simplista, embora bem difundida, de que Hobbes defendia a opressão. Na verdade, por entender a natureza humana como imutável e essencialmente egoísta e desconfiada, Hobbes considera apenas a emergência de uma entidade mais poderosa do que os seres humanos (eis o Leviatã!) poderia forçá-los a conviver em paz e parar de gastar todos os seus recursos em guerras e, com isso, progredir materialmente como um todo – bastaria, para isso, que todos concordassem em conceder o monopólio do uso da força ao governo, como posteriormente Max Webber magistralmente definiria a raiz do contrato social. Ao apresentar suas ideias, Hobbes cunhou uma frase que, assim como muitas de suas ideias (Leviatã incluído), ganharam tamanha força própria que se descolaram de suas acepções originais. É o caso do famoso adágio a seguir: o homem é o lobo do homem (Homo homini lupus est, no original em latim), originalmente uma citação para a premissa que usa para defender a concessão do monopólio da força dada a imutabilidade da natureza humana, mas que é uma forma de dizer que humanos são intrinsicamente cruéis como feras de rapina. Seguindo, portanto, a conotação original da expressão romana, podemos tomar a liberdade de parafrasear Hobbes e dizer que, ao declarar que propina é uma palavra inventada por empresários e Ministério Público para tentar culpar os políticos, decididamente Lula é a lula do Lula; senão, vejamos.

Lulas são moluscos que comem literalmente de tudo – inclusive, outras lulas. Caçadores natos, possuem uma espécie de bico que tritura tudo o que levam à boca. São seres que sobrevivem em pressões abissais e em todos os oceanos do mundo. Desenvolveram técnicas de caça extremamente sofisticadas. São sobreviventes sob qualquer ótica. Obviamente, Luís Inácio virou Lula não ao graças ao molusco, mas à própria sonoridade de seu nome – de fato, “Lula” é um apelido comum para Luís. Mas, no caso de Lula da Silva (ele incorporou o apodo ao nome), há uma curiosa, estranha coincidência: o apelido casa perfeitamente bem. Assim como o molusco, Lula da Silva é um sobrevivente que grassou em terrenos hostis e não falhou em vencer todas as adversidades – e devorou impiedosamente todos os que cruzaram seu caminho político. Lula da Silva deixa terra arrasada atrás de si, como Roma ao triunfar sobre Cartago. E essa é, paradoxalmente, sua fraqueza: ao não ter críticos ou adversários em seu meio-ambiente político (leia-se os partidos de esquerda não social-democratas), ele se converte em seu maior adversário, a lula do Lula. Suas declarações de improviso são um desastre tão grande que nem viram mais notícia. Mesmo diante de um rol disparates de preconceitos de todo tipo: racial (“Nem parece que estamos na África!”, disse, maravilhado, ao elogiar a beleza e a limpeza de Windhoek, capital da Namíbia cuja arquitetura remete à colonização alemã), de gênero (a inacreditável piada que fez sobre sua aliada Clara Ant ter acordado com cinco homens no seu quarto e ter ficado frustrada ao perceber que não era um “presente de Deus”, mas sim policiais federais cumprindo um mandado de busca e apreensão – e não ter ficado apavorada, como qualquer mulher sozinha em casa ficaria na vida real caso acordasse com cinco homens a cercando em seu quarto), sexual (“Pelotas é um polo exportador de viado!”) e outros tantos (como ao oferecer asilo a uma mulher que seria morta pela teocracia iraniana porque ela estava “incomodando” o regime) que nem vale a pena enumerar, Lula da Silva conseguiu se superar em uma entrevista à Rádio Tiradentes (AM) na última segunda-feira (24-Jul-2017), quando declarou verbatim que “a palavra propina foi inventada pelos empresários para tentarem culpar os políticos, ou pelo Ministério Público”, disse, ao argumentar que, baseado no que lê na imprensa, “todas as campanhas do Brasil sempre foram feitas” com financiamento empresarial, para arrematar que “a diferença é que agora transformaram as doações em propina, então tudo ficou criminoso”. Que Lula da Silva joga com a fidelidade canina de seus áulicos não é novidade. Que, ao fazer isso, ele, um homem particularmente inteligente e perspicaz, um político tarimbado, sabe que ofende a inteligência do público em geral, também não é novidade. E, ainda assim, Lula da Silva conseguiu chocar o mundo político. O que levaria um homem, repita-se, inteligente e experiente, a acertar tiros de artilharia antiaérea no próprio pé repetidas vezes, por ofício próprio? Há uma explicação.

Lula da Silva é, repita-se mais uma vez, um político extraordinário. Goste-se ou não dele e dos seus atos, mesmo adversários reconhecem nele uma capacidade sem igual no Brasil atual. A razão pela qual ele tem falado demais até para os seus padrões de verborragia é simples: ele está acuado. Ele sabe que a prisão é mera questão de tempo e que a única defesa que tem é pela política. Sabe também que não se elegerá presidente em 2018 exceto em situações extremamente difíceis, mas isso nunca foi obstáculo para ele. Assim, tudo o que diz e faz é com esse objetivo: se livrar da cadeia, nem que, para tanto, a chave seja voltar a residir no Palácio do Planalto – o que nos leva ao disparate em tela: é mais uma construção de narrativa. O foco não deve ser na parte de que empresários e ministério público tentarem culpabilizar os políticos, mas sim na parte de que todas as campanhas políticas (as quais ele, obviamente, só conhece pela imprensa, não por ter disputado cinco eleições presidenciais) são feitas com financiamento empresarial – e que as doações não eram, ao menos até aonde ele e os políticos sabem, ilegais. Um conto da carochinha, claro. Mas convém jamais subestimar Lula da Silva. Ele pode ter inúmeros defeitos, mas não é tolo. Ao dizer o que disse, iguala todos os políticos e traz a contenda de 2018 para o seu campo: se todos são iguais, ao menos Lula da Silva é mais conhecido. Simultaneamente, opera nos bastidores para evitar uma polarização entre ele e um candidato com rejeição muito baixa exatamente por não ser político tradicional, com nome e sobrenome: João Doria Jr. Uma disputa com Doria, mantidas as condições atuais, tem grande potencial de acabar no primeiro turno. Só que, em sua tática desesperada, acaba sendo caçador de si mesmo, lula do Lula. É uma faca de dois gumes: quanto mais Lula da Silva tenta se igualar aos políticos tradicionais, mais se destaca sobre eles por um lado – e mais atrás fica de Doria e de outros candidatos que não têm tradição política. Para que a tática dê certo, é necessário garantir que apenas concorrerão políticos vistos como tradicionais pelos eleitores: é nessa sopa comum que Lula da Silva tem possibilidade (ainda que baixa dado o seu estupendo grau de rejeição) de trocar a cadeia pelo Palácio do Planalto. É um plano arriscado e cheio de furos, explicado apenas pelo desespero. Assim, podemos esperar declarações e atitudes ainda mais danosas de Lula da Silva a uma biografia que, outrora gloriosa, vem sendo, paulatinamente e por mérito e obra exclusiva dele, dilapidada a olhos vistos. Lula continuará sendo a lula do Lula. Mais cedo ou mais tarde, o caçador que nele habita vencerá a presa que nele habita e uma declaração ou uma atitude será a proverbial gota de água que fará o copo transbordar – quando isso começar a acontecer, não haverá volta.

Pedro Nascimento Araujo é economista.
nascimentoaraujo@hotmail.com

0 comentários:

- |