Pular para o conteúdo principal

Operação desarticula quadrilha que desviava petróleo de dutos no RJ e enviava ao Paraná


Agentes cumpriram mandado em Campos — Foto: Cléber Rodrigues/Inter TV

A Operação Sete Capitães desarticulou uma organização criminosa que, segundo a Polícia Civil, furtava e desviava petróleo e derivados de dutos no interior do Rio com destinação ao Paraná. A ação prendeu cinco pessoas, incluindo um policial militar, na manhã desta terça-feira (5).

A operação aconteceu nos municípios de Campos dos Goytacazes, Macaé, Quissamã, Carapebus, Rio das Ostras, Casimiro de Abreu e Cabo Frio, além de Rolândia, no estado do Paraná.

De acordo com o delegado Julio da Silva Filho, titular da Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD), a apuração levantou ainda que a organização fazia em média de duas a três retiradas por semana, totalizando cerca de 150 mil litros de petróleo e derivados desviados.
Ação acontece no interior do Rio e em cidades do Paraná — Foto: Divulgação/MPRJ

As investigações apontam que o petróleo furtado em Quissamã e Carapebus seria enviado em caminhões bitrens, com capacidade para subtrair aproximadamente 50 mil litros, para cidades no Paraná.

A ação foi realizada pela Secretaria de Estado de Polícia Civil (Sepol), Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), Agência Nacional de Petróleo (ANP), Petrobras e Transpetro.

Segundo a Polícia Civil, as investigações, que tiveram início há cerca de 10 meses, apontaram que os criminosos localizavam os dutos de petróleo bruto e faziam uma derivação clandestina por onde desviavam o produto da subtração.

Além das prisões, os agentes também apreenderam computadores e celulares ao cumprirem 11 mandados de busca e apreensão.

O policial militar que era alvo de um dos mandados de prisão foi preso em Campos. Na casa do PM foram apreendidos vários carregadores de munições e uma arma.


"Uma organização criminosa que já vem atuando aqui na microrregião de Macaé já há algum tempo. Um preso, por exemplo, era responsável por fiscalizar a faixa de duto e acabou se envolvendo com a organização criminosa que o seduziu com oferta de vantagens e ele acabou se envolvendo. O outro que foi preso em Carapebus, por exemplo, era um dos líderes da organização, era aquela pessoa que arregimentava pessoas para fazer a escavação", disse o delegado.

Ainda de acordo com a polícia, os presos vão responder pelos crimes de organização criminosa, contra ordem econômica, furto duplamente qualificado e contra o meio ambiente.

"Nós estamos continuando as atividades e esse material arrecadado hoje na busca e apreensão será objeto da nossa análise para que nós possamos, então, desvendar os demais envolvidos no esquema criminoso", explicou o delegado.

Os presos foram encaminhados ao Rio de Janeiro.

 Fonte: g1.globo.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.