Pular para o conteúdo principal

Homem morre em casa e família leva corpo enrolado em lençol para UPA após 5 horas tentando ajuda de órgãos públicos


Homem morre dentro de casa e família precisa levar corpo enrolado em lençol com a ajuda de vizinhos em Cabo Frio — Foto: Reprodução/Inter TV RJ

Um homem de 54 anos morreu dentro de casa no bairro Praia do Siqueira, em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio, na tarde desta terça-feira (16) e a família dele precisou levar o corpo, por conta própria, para uma UPA, depois de ficar cerca de 5 horas tentando ajuda de algum órgão público que pudesse remover o corpo do local.

Os familiares de João Carlos Pereira Coelho contaram com a ajuda de amigos para levar o corpo.
"Ele saiu daqui enrolado no lençol que ele morreu e na caminhonete do vizinho. Isso é um descaso", disse a sobrinha de João, Pollyana Lemos.

Segundo a família, o homem morava no mesmo quintal da família, era alcoólatra e, quando não ingeria bebidas alcoólicas, tinha ataques e se trancava dentro de casa para dormir.
João Carlos tinha cinco filhos. A mãe dele precisou ser medicada para receber a notícia da morte do filho.

Por volta das 15h desta terça, João tinha se trancado em casa, mas desta vez os familiares o chamaram e ele não respondeu. Quando entraram na casa, o encontraram morto.

De acordo com os familiares, após constatarem a morte, eles tentaram contato com vários órgãos.
Primeiro, os parentes ligaram para o Corpo de Bombeiros, mas foram informados que teriam que acionar uma funerária. Em seguida, eles disseram que ligaram para funerária e foi cobrado o valor de R$ 3 mil.

A família não tinha condições de arcar com a despesa e entrou em contato com a Assistência Social do Município. A assistente social então teria dito à família que eles precisariam levar o corpo pra UPA por conta própria.

"E a pessoa que não tem condições de dar R$ 3 mil reais pra funerária? Vai fazer o quê? Vai abrir um buraco no quintal e jogar o corpo ali?", disse a sobrinha.

Os familiares alegam ainda que tentaram pedir a ajuda da Polícia Civil, que também não cooperou.
O corpo ficou até às 20h dentro de casa e, como nenhum órgão prestou assistência, a família seguiu a orientação da assistência social e, com a ajuda dos vizinhos, levou o corpo para a UPA do Parque Burle.

O corpo de João Carlos passou por procedimentos necessários e foi encaminhado para o IML de Macaé para identificação da causa da morte.

O que dizem os órgãos?

Questionada sobre a falta de atendimento à família, a Prefeitura de Cabo Frio informou que a remoção e verificação de óbito não é feita pelo município. E disse ainda que o município "é responsável pela verificação e remoção apenas em casos de óbitos dentro das unidades de saúde".
O G1 verificou que, em 2006, foi criado no município de Cabo Frio o Serviço de Verificação de Óbito (SVO). A lei que foi aprovada pelo então prefeito Marcos Mendes diz que "para os casos de morte em residência sem assistência médica, será necessária a autorização da autoridade policial responsável".

O município informou que só realiza a remoção do óbito nas residências de famílias que se enquadrem nos critérios de Benefício Eventual de Auxílio Funeral. Disse ainda que a secretaria de Assistência Social atende com os serviços de remoção, traslado e funeral e que para isso, a família precisa informar ao setor que funciona em regime de plantão.

A prefeitura disse ainda que "lamenta e esclarece que a Secretaria não foi informada". O município ressaltou que "assim que a secretaria foi acionada, foi feita a entrevista de perfil socioeconômico e a situação foi resolvida".

Questionada sobre a Lei que criou o SVO, o município informou que a Lei não dispõe sobre remoção do óbito, apenas verificação.

O G1 entrou em contato com a Polícia Civil para saber o motivo da delegacia não ter prestado socorro à família, a assessoria da Polícia Civil informou que "de acordo com a 126ª DP, em casos de mortes por causa natural, o responsável pelo atestado é o serviço de verificação de óbito dos municípios".

O G1 entrou em contato com a assessoria do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro para saber o posicionamento da corporação sobre o caso.

O G1 também entrou em contato com a Prefeitura de Cabo Frio pedindo mais detalhes sobre como funciona o Serviço de Verificação de Óbito e aguarda o retorno.


Fonte: g1.globo.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.