LEAL PORTO TELECOM

LEAL PORTO TELECOM

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2644-4080 // 99999-5998

sexta-feira, 7 de agosto de 2020

Bolsonaro assina MP que libera R$ 2 bilhões para vacina de Oxford


presidente Jair Bolsonaro assinou nesta quinta-feira (6), durante cerimônia no Palácio do Planalto, medida provisória que libera cerca de R$ 2 bilhões para a produção de uma vacina contra a covid-19. A previsão é que o primeiro lote de vacinas produzidas no Brasil deve ficar pronto a partir de janeiro de 2021.

"Hoje o governo federal reforça mais uma vez o seu compromisso em salvar vidas com a sua assinatura nesta medida provisória estamos garantindo a aplicação de recursos a uma vacina que tem se mostrado a mais promissora do mundo. O investimento é significativo, não apenas no seu valor, quase R$ 2 bilhões, mas também aponta busca de soluções que permitem ao Brasil desenvolver tecnologia para proteção dos brasileiros", afirmou o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello.

Durante a cerimônia, o presidente Jair Bolsonaro em seu discurso voltou a defender o uso da hidroxicloroquina no tratamento da covid-19 e elogiou a atuação do ministro interino na Saúde. "Podemos dizer que fizemos possível e o impossível para salvar vidas", disse o presidente.

Os recursos serão destinados à Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), que tem acordo com a farmacêutica AstraZeneca para compra de lotes e transferência de tecnologia da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido. O acordo é resultado da cooperação entre o governo brasileiro e a biofarmacêutica, anunciado no final de junho pelo Ministério da Saúde.

Pelo acordo,  a Fiocruz adquire o produto antes do término dos ensaios clínicos previstos, em função do movimento global de mobilização e para aquisição de vacinas. O acordo com a biofarmacêutica prevê duas etapas de produção.

A primeira estapa consiste na produção de 30,4 milhões de doses antes do término dos ensaios clínicos, o que representaria 15% do quantitativo necessário para a população brasileira, ao custo de 127 milhões de dólares.

O investimento inclui não apenas os lotes de vacinas, mas também a transferência de tecnologia para que a produção possa ser completamente internalizada e nacional.

Ao término dos ensaios clínicos e com a eficácia da vacina comprovada, o acordo prevê uma segunda etapa, com a produção de mais 70 milhões de doses, ao preço de custo de 2,30 dólares por dose. 

Outra vacina

Outro acordo, do Estado de São Paulo com a farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, prevê o desenvolvimento da vacina sob coordenação do Instituto Butantã e que está em fase de testes no Brasil.

O governador do Estado de São Paulo, João Doria,  promove uma campanha de arrecadação de dinheiro para a ampliação da fábrica de vacinas do Butantan, com objetivo de produzir até 240 milhões de doses anuais da Coronavac.

Fonte: noticias.r7.com

0 comentários:

- |