Pular para o conteúdo principal

Explosão foi causada por 2.750 toneladas de nitrato de amônio


A explosão devastadora que ocorreu em um armazén no porto de Beirute, deixando mais de 70 mortos e milhares de feridos, pode ter sido ocasionada por 2.750 toneladas nitrato de amônio. O produto químico é comumente utilizado na fabricação de fertilizantes e inseticidas, mas já foi usado em atentados, como o de Oklahoma. 

Para se ter uma ideia, em 1995, 168 pessoas morreram e outras 680 ficaram feridas em um ato terrorista, em Oklahoma City. Na ocasião, foram duas toneladas de nitrato de amônio, ou seja, mil vezes menos do que explodiu nesta terça-feira, na capital do Líbano. 

O presidente do país, Michel Aoun, classificou de "inaceitável" que 2.750 toneladas de nitrato de amônio estivesse no porto há 6 anos, a caminho da África, sem as medidas de segurança necessárias, já que o material é altamente explosivo. Ele afirmou que os responsáveis pelo material vão enfrentar punições severas.

Mortos e feridos

A onda de impacto da megaexplosão foi tão forte que a sensação foi de um terremoto de 4.5 na escala richter. Além dos mortos e feridos pelo fogo, milhares de pessoas ficaram feridas por estilhaços de objetos e vidros. 

Até o momento, 78 pessoas morreram e mais de três mil pessoas se feriram no acidente. Mais de trinta equipes de bombeiros, forças de resgate, integrantes do exército tiveram que ajudar no atendimento às vítimas, já que algumas ficaram sob escombros.

Foi necessário ainda aumentar o policiamento nas ruas porque as pessoas estavam em pânico, porque acreditavam que a explosão era fruto de um ataque terrorista. Segundo as autoridades locais, os danos foram sentidos em pelo menos metade da cidade.

Os hospitais de Beirute estão lotados de vítimas e familiares em busca de atendimento e o cenário é semelhante a destruição causada por uma guerra. Nas redes sociais, uma campanha está convocando as pessoas para irem doar sangue, já que os hospitais não possuem estoque suficiente para atender a todos que precisam. 

Crise econômica

O país atravessa uma das piores crises econômicas e a megaexplosão poderá tornar a vida ainda mais difícil na capital do Líbano. Ainda não é possível saber, mas o impacto econômico será relevante, já que muitos comércios foram afetados, o que pode aumentar o número de desempegados.

Além disso, a área portuária também sofreu inúmeros danos, o que poderia impedir a carga e descarga de produtos por um tempo. Somado a este novo cenário, os libaneses estão sofrendo com a hiperinflação, desvalorização da moeda local e uma massa de desempregados. 

Beirute também vem sendo atingida por apagões e racionamento de energia elétrica. 
Pandemia do coronavírus

A megaexplosão desta terça-feira pode impactar também no combate a disseminação do novo coronavírus no país, já que hospitais que estavam cuidando de pacientes com covid-19 tiveram que abrir suas portas para atender os milhares de feridos.


Fonte: noticias.r7.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.