Pular para o conteúdo principal

Petrobras acumula no fundo do mar material de 'depósito' submerso irregular ativo por 25 anos na Bacia de Campos


Bacia de Campos — Foto: divulgação Petrobras

A Petrobras manteve ativo, durante 25 anos, um 'depósito' submerso irregular de materiais na Bacia de Campos, que se estende do litoral norte do Rio de Janeiro até o estado do Espírito Santo.

De acordo com a Petrobras, as áreas de apoio logístico, conforme são chamadas pela empresa, foram utilizadas para "armazenamento temporário de sistemas de ancoragem de plataformas e linhas flexíveis", entre os anos de 1991 e 2016.

Sem licenciamento ambiental, a atividade está sendo alvo de um processo movido pelo Ibama e o Ministério Público Federal.

Em nota, o Ibama informou que está em tratativas com a empresa para firmar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), "acordo que vai estabelecer valor de compensação pelo dano causado pela atividade e a retirada de equipamentos atualmente depositados no local".

A Bacia de Campos é a principal área petrolífera explorada no território brasileiro e tem um dos maiores complexos petrolíferos marítimos do mundo. A área abrange cerca de 100 mil quilômetros quadrados e estende-se das imediações da cidade de Vitória, no Espírito Santo, até Arraial do Cabo.
Em nota, a Petrobras alegou que as "áreas de apoio logístico" foram montadas na Bacia de Campos quando "não existia procedimento de licenciamento ambiental para as atividades de exploração e produção offshore".

No entanto, uma resolução de janeiro de 1986, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), já estabelecia critérios e diretrizes para a avaliação e estudo de impacto ambiental de atividades modificadoras do meio ambiente, dentre elas a de extração de combustível fóssil (petróleo, xisto, carvão).

De acordo com uma matéria publicada pelo jornal Estadão, que teve acesso ao processo que corria sob sigilo, o material foi lançado em seis áreas da Bacia de Campos que, somadas, chegam a 460 quilômetros quadrados, uma área correspondente à cidade de Florianópolis, capital de Santa Catarina.
Ainda segundo levantamento do Estadão, uma reunião, realizada em julho de 2019, estimou que o processo de retirada de todo o material deverá custar pelo menos R$ 1,5 bilhão, além de demorar mais de cinco anos até que tudo esteja devidamente limpo. A retirada começaria em 2022.

Por causa da ausência de licenciamento para fazer essas operações, o Ibama teria multado a Petrobras em R$ 2,5 milhões e teria imposto uma indenização de R$ 25 milhões pelo impacto ambiental causado, de acordo com o jornal.

O G1 questionou a Petrobras sobre as informações relacionadas a localização exata e a dimensão das "áreas de apoio logístico", previsão de retirada do material e a estimativa de custo dos serviços. A empresa respondeu, apenas, que "O tratamento do material será discutido no âmbito do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que está em negociação com Ibama e Ministério Público Federal".
Sobre as multas aplicadas no processo, a Petrobras disse que "O TAC se encontra em construção entre Petrobras, Ibama e Ministério Público".

A empresa ainda afirmou que "irá cumprir todos os compromissos e prazos que forem estabelecidos".
O G1 também questionou o Ibama sobre os temas citados acima e sobre o impacto ambiental gerado pelo depósito irregular, mas o órgão não deu mais detalhes sobre o assunto.

O G1 entrou em contato, ainda, com o Ministério Público Federal e aguarda posicionamento.

 Fonte: g1.globo.com



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.