Pular para o conteúdo principal

VITÓRIA PELA VIDA: AS LIÇÕES DE ALDEENSES QUE VENCERAM A COVID-19


Entre o vai e vem de pacientes na Unidade de Saúde da Ponta do Ambrósio Kelly Costa da Silva retoma seu cotidiano e volta a exercer suas funções como enfermeira. Seguindo as medidas preventivas impostas pela pandemia, ela vive a nova “vida normal”, após vencer a batalha contra o coronavírus. De frente para a Lagoa de Araruama, com a vista de uma natureza que contempla e reforça o valor de cada dia de vida, ela se emociona ao lembrar da nova oportunidade de viver. Assim como as águas salgadas banham a margem, o rosto se entrega às lágrimas discretas, a cura chegou, mas os ensinamentos deixados pela Covid-19 não serão esquecidos. Uma das vitoriosas na guerra contra o vírus, que impactou todo o mundo, a profissional de saúde é um dos rostos que hoje podem sorrir após derrotar um inimigo invisível.
 “Foram dias muito complicados para mim e para minha família. Meu filho, de dois anos, passou a sentir os sintomas, assim como meu marido e a minha mãe. Eu passei quatro noites sem dormir, não sabia se ajoelhava e orava, se levantava ou se andava pela casa. A gente sempre teve fé de que tudo isso ia passar, mesmo com as dores e a preocupação. Quando fiquei internada, tive muito carinho da equipe com a qual trabalho e no Pronto-socorro. É angustiante se tornar paciente. A gente sabe todos os procedimentos que precisam ser feitos, mas é muito difícil, mesmo com toda a confiança que a gente tem. A chegada da cura é um alívio”, revelou Kelly.
Reunindo histórias de esperança e superação, a Prefeitura de São Pedro da Aldeia traz depoimentos de cidadãos que se viram frente a frente com um diagnóstico positivo para Covid-19 e restabeleceram sua saúde.
O DIAGNÓSTICO
Maria Coutinho tem um cotidiano muito semelhante à diversos aldeenses: tempo corrido, buscando formas de sustentar a família. O trabalho diário para cuidar dos filhos e o cansaço da rotina lhe tiraram a atenção aos primeiros sinais que o corpo apresentava demonstrando que algo não estava bem. Assim como tantos aldeenses, a mulher, de 40 anos achou que era apenas trabalho demais. “É triste, mas muitas vezes a gente não tem tempo de se cuidar. Você aprende a viver com uma dorzinha aqui, um cansaço ali e vai seguindo a vida, porque é isso que o trabalho corrido pede. Eu só percebi alguma coisa estranha quando não sentia cheiro de nada e a comida estava sem gosto”, relembrou.
Do primeiro sintoma até o fim do isolamento domiciliar foram longos dias. A dona de casa, acostumada às tarefas e a ser extremamente receptiva, precisou reescrever seu dia a dia. Era a hora de cuidar de si mesma e se resguardar, o objetivo era estar 100% bem. “Tive medo de piorar e de não conhecer meus netos. Quando a gente percebe que tá melhorando é libertador. Você volta a recuperar sua saúde e o corpo já responde. Parece que a vida dá uma chamada na gente. Tem que ter esperança até o final, a gente se recupera e se torna um vencedor”, comemorou.
 A VITÓRIA
Mais do que 430 aldeenses que venceram à doença, os curados da Covid-19 em São Pedro da Aldeia são símbolos de uma luta iniciada em 30 de março de 2020, data na qual o município registrou o seu primeiro infectado pelo coronavírus. Após quase cinco meses de batalha contra um adversário ameaçador, alguns pacientes enxergam uma nova oportunidade de vida após a plena recuperação da saúde.
Cíntia Sereno, de 43 anos, ficou afastada do trabalho por longos 35 dias. A moradora aldeense lutou contra a Covid-19, mas viu o vírus chegar à sua casa e contaminar quatro familiares. Hoje ela comemora a vida e não se esquece de quem rezou por toda sua família. Agora curada, os obstáculos vencidos na batalha contra a Covid-19 abriram um novo prisma, a visão de quem é grato por estar vivo.
 “Quando eu tinha 19 dias de infectada, pensei que já poderia voltar a trabalhar, mas descobri que estava com 50% do pulmão comprometido pela Covid-19. Tive que ser internada por cinco dias para um tratamento mais severo. A Covid-19 na minha vida foi muito difícil. Às vezes você pensa que é uma doença boba, mas quando recebe o diagnóstico e aparecem os sintomas, que são muito diferentes de tudo, você começa a repensar sua saúde”, disse a profissional, com mais de duas décadas de serviços prestados à enfermagem.
A CONSCIENTIZAÇÃO

Mesmo com os finais felizes, o discurso entre todos os pacientes curados é o mesmo. Não se pode normalizar os riscos do coronavírus, é preciso que a população abrace a responsabilidade da saúde coletiva, preservando a sua vida e a do próximo.
“O novo normal da nossa vida, após a infecção pela Covid-19, foi muito importante para que pudéssemos repensar como seria a nossa vida daqui pra frente. O nosso novo normal é sempre se cuidando e se prevenindo, tem a máscara, tem a lavagem das mãos com água e sabão e o álcool, mas tem que ter a consciência. A minha família está tendo uma nova visão de vida. Deus nos permitiu que a gente ficasse para contar o nosso testemunho. A cada dia eu agradeço por estar aqui e cuidando das pessoas que precisam”, lembrou Cintia. 
 RESSIGNIFICAR O TEMPO
A histórica da pandemia da Covid-19 redesenhou a vida de inúmeras famílias e ressignificou o cotidiano, trazendo novos valores e prioridades. Se antes os dias de folga eram voltados apenas ao descanso, agora Kelly valoriza cada segundo junto com os filhos. O cenário criado pela doença fez todo o tempo de vida ser avaliado. Com uma ambulância na porta da sua casa, Kelly saiu no portão sem saber como e o que a esperava. Mediante a sua saúde sendo posta à prova, a mãe, esposa e filha enxergou um novo significado para a vida.
“Hoje a gente precisa valorizar e viver o dia como se fosse o último. Quando fui internada, eu deixei os meus filhos em casa com o meu marido também doente e, ali, eu não podia fazer nada. Era o desespero de uma despedida, na qual eu não sabia quanto tempo ficaria longe deles. Passou um filme na minha cabeça, que eu poderia ter exigido menos deles, ter brincado mais e aproveitado o tempo com eles. A gente não pode se prender tanto em ganhar dinheiro, mas em se dar para nossa família. Afinal, eu saí e voltei curada, mas a gente não tem certeza de nada na vida”, disse emocionada.

CORONAVÍRUS E OS ENSINAMENTOS
Na área profissional, a enfermeira Kelly se viu completamente mudada. A humanidade com o paciente, mais do que nunca, está em primeiro lugar. Com o seio familiar recheado de amor, era a hora de reavaliar a profissão.
“Ao mesmo tempo que foi difícil estar no leito, foi uma experiência de crescimento. Eu estou há 18 anos na enfermagem e sempre pedia a Deus que tivesse uma profissão na qual eu pudesse estar apaixonada todos os dias. Estar paciente fez com que o meu amor pela profissão fosse ainda mais reavivado. A paciência e a necessidade de humanização com as pessoas foram recuperadas. O amor foi renovado para enxergar o outro de forma diferente, tratar o outro da forma como a gente gostaria de ser tratado”, relatou.
O CURADO
Para ser considerado curado, um paciente infectado pelo coronavírus deve apresentar mais de quatorze dias do exame positivo e mais 72 horas sem qualquer sintoma aparente, com pleno bem-estar. Sem um protocolo de testagem em massa definido pelo Ministério da Saúde, a ausência de sintomas vem sendo adotada para justificar e respaldar a cura da Covid-19.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.