LEAL PORTO TELECOM

LEAL PORTO TELECOM

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2644-4080 // 99999-5998

quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Operação desarticula quadrilha de captura e venda de animais marinhos ameaçados de extinção; centenas são resgatados

 


Uma operação conjunta da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) e do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) terminou no resgate de centenas de animais marinhos e na prisão de duas pessoas nesta quarta-feira (7), na Região dos Lagos do Rio. Pai e filho são investigados por comandar uma quadrilha que revendia peixes e crustáceos ameaçados de extinção.

 

Os suspeitos são proprietários de um depósito em São Pedro da Aldeia, às margens da RJ-106, onde armazenavam e revendiam os animais.

 

Apenas nesse depósito, a polícia encontrou mais de 150 animais e, pelo menos, 59 tanques para armazenamento.

 
Animas marinhos eram armazenados em sacolas e tanques em depósito em São Pedro da Aldeia, no RJ — Foto: Felipe Basilio/Inter TV

 

 

De acordo com a polícia, os dois também tinham uma loja em Cabo Frio em que praticavam o comércio ilegal.

 

Animais como tubarões, arraias, cavalos-marinhos, estrelas-do-mar e diversos tipos de corais ameaçados de extinção eram pescados em Marataízes, no Espírito Santo, e levados para Cabo Frio e São Pedro da Aldeia.

 
Depósito clandestino de animais marinhos funcionava em imóvel às margens da RJ-106 — Foto: Felipe Basilio/Inter TV

 

A coleta desses animais é proibida por não serem recursos pesqueiros.

 

Ainda de acordo com a Polícia Civil, a revenda era feita para a capital, no Rio de Janeiro, e para outros estados, como São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina.

 

De acordo com o MP, a quadrilha conta, ainda, com pescadores e revendedores de animais.

 

Sem poder voltar para o habitat natural por colocar em risco o bioma, animais foram levados para o Aquario — Foto: Felipe Basilio/Inter TV

 

 

Ainda segundo o MP, o gerente da loja em Cabo Frio também foi levado para a delegacia.

 

"Além do dano ambiental causado ao meio ambiente, outro problema da captura desses animais é que, uma vez retirados de seu habitat e misturados a outros animais exóticos durante o armazenamento, os peixes e corais não podem mais retornar ao local de origem por conta de risco biológico ao bioma marinho", alertou o Ministério Público.

 

Caixas d'água eram utilizadas por quadrilha como aquário para depósito de crustáceos e peixes em São Pedro da Aldeia, no RJ — Foto: Felipe Basilio/Inter TV


 

Por isso, os animais apreendidos na operação foram encaminhados para o AquaRio, na Zona Portuária do Rio de Janeiro, onde, após passarem por quarentena, serão expostos ao público "com o compromisso de estarem servindo de conscientização e educação ambiental", afirmou o MP.

 

A Operação Poseidon contou com o apoio da Delegacia de Cabo Frio (126a DP), Delegacia de Meio Ambiente e Ministério Público Estadual, sob tutela da cidade de Cabo Frio, e foi resultado de três meses de investigação.

 

Sistema artesanal dava suporte a criação ilegal de animais marinhos em São Pedro da Aldeia, no RJ — Foto: Felipe Basilio/Inter TV


 

A investigação será finalizada após a análise do material recolhido.

 

A pena para os envolvidos no crime pode chegar a sete anos e meio de detenção.

 Fonte: g1.globo.com

0 comentários:

- |