Pular para o conteúdo principal

Operação desarticula quadrilha de captura e venda de animais marinhos ameaçados de extinção; centenas são resgatados

 


Uma operação conjunta da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) e do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) terminou no resgate de centenas de animais marinhos e na prisão de duas pessoas nesta quarta-feira (7), na Região dos Lagos do Rio. Pai e filho são investigados por comandar uma quadrilha que revendia peixes e crustáceos ameaçados de extinção.

 

Os suspeitos são proprietários de um depósito em São Pedro da Aldeia, às margens da RJ-106, onde armazenavam e revendiam os animais.

 

Apenas nesse depósito, a polícia encontrou mais de 150 animais e, pelo menos, 59 tanques para armazenamento.

 
Animas marinhos eram armazenados em sacolas e tanques em depósito em São Pedro da Aldeia, no RJ — Foto: Felipe Basilio/Inter TV

 

 

De acordo com a polícia, os dois também tinham uma loja em Cabo Frio em que praticavam o comércio ilegal.

 

Animais como tubarões, arraias, cavalos-marinhos, estrelas-do-mar e diversos tipos de corais ameaçados de extinção eram pescados em Marataízes, no Espírito Santo, e levados para Cabo Frio e São Pedro da Aldeia.

 
Depósito clandestino de animais marinhos funcionava em imóvel às margens da RJ-106 — Foto: Felipe Basilio/Inter TV

 

A coleta desses animais é proibida por não serem recursos pesqueiros.

 

Ainda de acordo com a Polícia Civil, a revenda era feita para a capital, no Rio de Janeiro, e para outros estados, como São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina.

 

De acordo com o MP, a quadrilha conta, ainda, com pescadores e revendedores de animais.

 

Sem poder voltar para o habitat natural por colocar em risco o bioma, animais foram levados para o Aquario — Foto: Felipe Basilio/Inter TV

 

 

Ainda segundo o MP, o gerente da loja em Cabo Frio também foi levado para a delegacia.

 

"Além do dano ambiental causado ao meio ambiente, outro problema da captura desses animais é que, uma vez retirados de seu habitat e misturados a outros animais exóticos durante o armazenamento, os peixes e corais não podem mais retornar ao local de origem por conta de risco biológico ao bioma marinho", alertou o Ministério Público.

 

Caixas d'água eram utilizadas por quadrilha como aquário para depósito de crustáceos e peixes em São Pedro da Aldeia, no RJ — Foto: Felipe Basilio/Inter TV


 

Por isso, os animais apreendidos na operação foram encaminhados para o AquaRio, na Zona Portuária do Rio de Janeiro, onde, após passarem por quarentena, serão expostos ao público "com o compromisso de estarem servindo de conscientização e educação ambiental", afirmou o MP.

 

A Operação Poseidon contou com o apoio da Delegacia de Cabo Frio (126a DP), Delegacia de Meio Ambiente e Ministério Público Estadual, sob tutela da cidade de Cabo Frio, e foi resultado de três meses de investigação.

 

Sistema artesanal dava suporte a criação ilegal de animais marinhos em São Pedro da Aldeia, no RJ — Foto: Felipe Basilio/Inter TV


 

A investigação será finalizada após a análise do material recolhido.

 

A pena para os envolvidos no crime pode chegar a sete anos e meio de detenção.

 Fonte: g1.globo.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.