Pular para o conteúdo principal

Suspeito de matar traficante rival durante tiroteio em praia de Arraial do Cabo, RJ, é preso


Um homem apontado pela polícia como o autor dos disparos que mataram um jovem na Prainha, em Arraial do Cabo, na Região dos Lagos, foi preso nesta quarta-feira (14).

O crime aconteceu no dia 26 de setembro e cinco banhistas foram atingidos por balas perdidas.

De acordo com a Polícia Civil, o alvo era um traficante de uma facção rival, identificado como Walmir de Souza Goularte Filho, o Walmirzinho, de 20 anos, que chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

 
Tiroteio deixa seis pessoas baleadas na Prainha em Arraial do Cabo, no RJ — Foto: Arquivo pessoal

Um mandado de prisão temporária contra o suspeito foi expedido pela Justiça na noite desta terça-feira (14).

Para capturar Fábio da Silva de Melo, conhecido como Fábio da Prainha, de 48 anos, o Núcleo de Homicídios da 132º DP, em Arraial do Cabo, montou uma operação de inteligência, com policiais civis trabalhando disfarçados e infiltrados nos locais frequentados por Fábio.

Também foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão na casa do suspeito, onde foram apreendidos projéteis e três celulares, além do boné e a blusa que ele usou no dia do crime, segundo a polícia.

Ainda de acordo com a polícia, câmeras de segurança próximas ao local do crime registraram o momento em que Fábio chegou à praia na garupa de uma moto, poucos minutos após a chegada do veículo no qual estava Walmirzinho.

 

Polícia Civil também cumpriu mandados de busca e apreensão na casa do suspeito em Arraial do Cabo, no RJ — Foto: Paulo Henrique Cardoso/Inter TV

As imagens também mostram a correria durante o tiroteio e, depois, Fábio deixando o local.

Em depoimento à polícia, Fábio negou a participação no crime.

O G1 tenta contato com a defesa do suspeito.

Ainda de acordo com a polícia, Fábio tem várias passagens pela polícia por tráfico de drogas, associação para o tráfico, lesão corporal e ameaça, entre outros crimes, e deixou a cadeia em 2018.

Os policiais civis estão em busca do comparsa de Fábio, que pilotou a moto. Ele também é traficante, tem várias passagens pela polícia e deixou a prisão no início deste ano. O homem já foi identificado, mas não teve a identidade revelada.

Troca de facções

De acordo com as investigações da polícia, Walmir de Souza Goularte Filho, o Walmirzinho, já tinha pertencido à mesma facção criminosa de Fábio e mudou da cidade, migrando para o grupo rival.

No dia do crime na Prainha, Walmirzinho estava acompanhado de Willian Adriano Sobreira dos Santos, conhecido como Pará, traficante que também mudou para a facção rival. Ainda de acordo com a polícia, Pará estava armado e reagiu ao ataque.

Na troca de tiros, três turistas e dois moradores acabaram sendo atingidos. Walmirzinho foi socorrido, mas morreu no hospital.

Um áudio de WhatsApp, ao qual a Polícia Civil teve acesso, revelou a estratégia dos traficantes: eles ficaram em alerta quando Walmirzinho e Pará chegaram à cidade.

No áudio, que circulou por grupos no aplicativo, um criminoso avisa da movimentação dos rivais e convoca que os comparsas “coloquem as motos na pista”, segundo a polícia.

“Esse crime ocorreu em um sábado à tarde. A praia estava cheia e a ação de Fábio gerou uma tragédia que poderia ter sido ainda pior. Nosso Núcleo de Homicídios agiu rapidamente, dando início imediato às investigações e, em duas semanas, conseguimos identificar todos os envolvidos e elucidar esse homicídio. Para garantir que Fábio fosse capturado sem nenhum tipo de reação que pudesse colocar a vida de mais inocentes em risco, montamos uma operação de inteligência, com policiais à paisana e carros descaracterizados”, disse a delegada titular da 132ºDP e responsável pelo caso, Patrícia Aguiar.

Comparsa foragido

 
Um carro utilizado por Pará foi localizado na manhã do domingo (27) na Praia Grande e em outro ponto da cidade, no Morro da Coca-Cola, foi encontrada uma arma — Foto: Divulgação : Polícia Civil.

A Polícia Civil também continua em busca de Willian Adriano Sobreira dos Santos, o Pará, que segue considerado foragido por tentativa de homicídio.

Contra ele há um mandado de prisão temporária expedido pela Justiça.

Pará é considerado autor dos disparos que atingiram os cinco banhistas no tiroteio na Prainha.

Um dia após o crime, do domingo 27 de setembro, a polícia localizou, no bairro da Praia Grande, em Arraial do Cabo, o carro que teria sido utilizado por Pará para fugir do local do crime. Em outro ponto da cidade, no Morro da Coca-Cola, foi encontrada uma arma, que pode ter sido utilizada no confronto por um traficante rival.

De acordo com a polícia, banhistas atingidos no tiroteio e testemunhas do crime já prestaram depoimento.

Quem tiver informações que levem ao foragido ou ajudem nas investigações pode enviar denúncia anônima, através do aplicativo de mensagens da delegacia, pelo número (22) 98113-6585.

Fonte: g1.globo.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.