Pular para o conteúdo principal

MPRJ apura irregularidades em compras emergenciais de medicamentos e equipamentos de proteção individual feitas pela Secretaria de Estado de Saúde



O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, por meio da Força Tarefa de Atuação Integrada na Fiscalização das Ações Estaduais e Municipais de Enfrentamento à Covid-19 (FTCOVID-19/MPRJ) e da 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Cidadania da Capital, instaurou inquéritos civis para apurar supostas irregularidades nas compras emergenciais, realizadas pela Secretaria de Estado de Saúde, de medicamentos específicos e de equipamentos de proteção individual (EPIs) para o uso em pacientes diagnosticados com a Covid-19.
São alvo das investigações Edmar José Alves dos Santos, ex-secretário de Saúde do Estado do Rio de Janeiro; Gabriell Carvalho Neves Franco dos Santos, ex-subsecretário executivo de Saúde do Estado do Rio de Janeiro; e Gustavo Borges da Silva, ex-superintendente de logística, suprimentos e patrimônio da Secretaria Estadual de Saúde. Além deles, as empresas Avante Brasil Comércio EIRELI, Speed Século XXI Distribuidora de Produtos Médicos e Hospitalares EIRELI, Sogamax Distribuidora de Produtos Farmacêuticos Ltda, Carioca Medicamentos e Material Médico Eireli, Lexmed Distribuidora Eireli Me, Sysgraphic Comércio e Serviço, e Medical Health Comércio e Serviço Ltda, que também estão sob averiguação nos procedimentos.

A portaria leva em consideração notícia de fato dando conta de que os processos de contratação feitos pela Secretaria Estadual de Saúde estão sob questionamento em razão da possibilidade de sobrepreço envolvendo os contratos, com valores até quatro vezes acima do preço atual de mercado, apontando para possível falta de razoabilidade e austeridade nos gastos públicos relacionados ao gerenciamento da crise. O MPRJ ressalta também as evidências de um suposto revezamento ilícito entre os concorrentes nas propostas apresentadas ao Poder Público, de fraude nas concorrências e de um fracionamento ilegal das contratações, burlando diversos princípios que regem as contratações públicas.

O documento destaca que, em um momento de crise pandêmica, “o Estado precisa, mais do que nunca, gerir seus gastos eficientemente, maximizando as aquisições de medicamentos e de material médico-hospitalar, dada a necessidade urgente de se fortalecer o sistema de saúde estadual para evitar seu colapso”. A promotoria relembra que as permissões elencadas na Lei 13.979/2020 não autorizam despesas desnecessárias, tampouco políticas fiscais despidas de metas bem estabelecidas e monitoradas, e que a atual crise financeira atravessada pelo Rio de Janeiro “não suporta medidas que ignorem a necessidade de o Estado reconhecer os desafios que já existem para o reequilíbrio de suas próprias contas, ao mesmo tempo em que atua para preservar garantias fundamentais constitucionalmente previstos, como os direitos à vida e à saúde”.

Acesse abaixo os documentos na íntegra:

Fonte: mprj.mp.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.