Pular para o conteúdo principal

Curta-metragem resgata memória dos sambaquis na Região dos Lagos


 Você já ouviu falar nos sambaquis? A palavra de origem tupi-guarani significa ‘amontoado de conchas’. Muito além de uma definição, o termo apresenta indícios de um povo que habitou essas terras há milênios. Com o intuito de resgatar a memória identitária deste povo na Região dos Lagos, o curta-metragem “Um Jantar no Sambaqui” foi feito por artistas locais. A obra tem a duração de 40 minutos e já está disponível no You Tube. 

 

Idealizado pela artista Liana Turrini, o projeto tem como objetivo principal apresentar como vivia o povo sambaqui . Segundo Liana, o curta é uma viagem no tempo, que nos mostra como o povo pescava e temperava o pescado com aroeira e sal grosso. 

 

– O sambaqui envolve toda uma construção do amontoado. Era um povo que tinha certo tipo de vida e que, ao longo do tempo, foi se aprimorando. Existem 160 sambaquis aqui na região. O próprio Shopping Park Lagos foi construído em cima de vários deles – ressalta.

 

Liana mora da Região dos Lagos há 40 anos e possui o título de cidadã cabo-friense. Ela também foi presidente da Associação de Meio Ambiente de Cabo Frio, que defende o patrimônio dos sambaquis. Ela conta que sempre se encantou com o modo de vida e as curiosidades da pré-história.

 

A artista também afirma que “a história do homem sambaqui está soterrada” e que precisa ser valorizada. Por se tratar de uma viagem no tempo de seis mil anos, o fio utilizado para apresentar o elo entre o passado e o presente foi a restinga. 

 

– O povo sambaquiano viveu há dois mil anos. Não dominava a olaria (barco e cerâmica), a agricultura e a domesticação de animais. Viviam da caça e coleta. Quando os tupinambás saíram da Amazônia, em 1300, resolveram ocupar todo o litoral brasileiro e encontraram o povo sambaqui aqui no litoral – relembra. 

 

Com a direção do Guto Madeira, o processo de gravação e edição do filme durou um mês. O projeto foi contemplado pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro, através do edital Cultura Presente nas Redes. O curta está entre os 70 projetos que foram aprovados de toda a Região dos Lagos. 

 

– Confesso que foi um baita desafio para toda a nossa equipe. O projeto é uma produção totalmente independente de artistas locais. Todo o filme é de nossa produção, desde o som ambiente, figurino, coloração, sonoplastia e imagens capturadas – ressalta Guto, enfatizando que foi um trabalho bem detalhado em um prazo de tempo curto. 

 

“Se a restinga era mãe, o mar era o pai do sambaqui”

 

Liana conta que o texto é de sua autoria. A literatura intelectual-poética da artista contou com dialetos locais, que foram utilizados com o intuito de resgatar a memória de todo o povo. A artista ressalta que os movimentos de agachar e remar estão ligados ao comportamento sambaqui. 

 

No curta, uma receita é realizada para representar como o povo se alimentava na época. A caça e a pesca fazem parte de toda a história do povo. Além da culinária, o artesanato também foi abordado no curta, onde os pratos foram feitos com conchas e fibras da folha do guriri, e os talheres e outros utensílios da cozinha com galhos de aroeira. 

 

– Esta memória identitária resgatada pode gerar um novo olhar para o turismo de base alimentar. A anchova com batata frita e salada pode ser substituída por uma posta de cavala – ressalta Liana. 

 

A obra contemporânea relembra o passado e o transforma para o presente, visando o futuro com base na memória identitária.

Fonte: folhadoslagos.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.