Pular para o conteúdo principal

Apenas metade dos leitos de UTI dos hospitais de campanha do governo do RJ vai ter respirador

Hospital de Campanha de Nova Iguaçu segue em obras — Foto: Reprodução/TV Globo

Nem todos os leitos de UTI dos hospitais de campanha sob responsabilidade do governo do RJ vão ganhar respirador. Dos 520 leitos anunciados nas unidades do Maracanã, São Gonçalo, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Campos e Casimiro de Abreu, só metade vai contar com o aparelho.

Os respiradores são fundamentais no tratamento dos pacientes graves de Covid-19.

Esses seis hospitais de campanha do governo estadual custaram R$ 770 milhões e são geridos pela Organização Social Iabas.

No Rio, há ainda o hospital de campanha do Riocentro, administrado pela prefeitura, e os erguidos no Leblon e no Parque dos Atletas, pela iniciativa privada.

Comitê para fiscalizar hospitais de campanha começa a funcionar no RJ
RJ tem recorde de 4.427 casos de Covid-19 confirmados em 24 horas; total chega a 26.665
Ainda em obras, hospital de campanha de São Gonçalo deve ser inaugurado na quinta-feira
A Iabas explica que a conta dos respiradores foi baseada em uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), publicada há 10 anos.

A regra da Anvisa estabelece um respirador para cada dois leitos de UTI e uma reserva operacional de um aparelho para cada cinco leitos.

'Insuficiente'
Segundo Rogério Silveira, representante da Associação Brasileira de Medicina Intensiva, nos casos de coronavírus, a medida da Anvisa não deveria valer -- já que todos os doentes graves precisam de respiradores.

“Uma situação de pandemia, onde a quantidade de pacientes de falência respiratória chega o tempo todo a essa quantidade absurda, a recomendação da Anvisa não é suficiente. Isso representa a morte de pacientes", afirmou.

"A preocupação maior neste momento, mais do que disponibilidade de ventilação mecânica, é pessoal qualificado para manipular o ventilador, médico e fisioterapeuta”, acrescentou Rogério Silveira.

Atrasos nas obras


Ainda em obras, as unidades de São Gonçalo e de Nova Iguaçu devem ser as próximas a serem inauguradas. A previsão de abertura é na quinta-feira (21).

Em São Gonçalo, que deveria ter sido inaugurado no domingo (17), estão previstos 200 leitos, sendo 40 de UTI.

O atraso neste caso, segundo a Iabas, foi causado por problemas como "a precariedade no acesso, chuvas que atingiram a região, tiroteios e mudança nos planos técnicos" da Secretaria Estadual de Saúde.

O Bom Dia Rio apurou, no entanto, que dificilmente a unidade estará pronta na data prevista.



A OS Iabas disse que trabalha para evitar novos atrasos na entrega dos hospitais de campanha.

Já o governo do estado informou que em uma reunião na segunda-feira (18) o novo secretário de Saúde do RJ, Fernando Ferry, participa de um comitê para acompanhar a entrega desses hospitais. Ele deu 48 horas para que a Iabas entregue um plano completo para a entrega das unidades e dos equipamentos de saúde prometidos.

Calendário de inaugurações dos hospitais de campanha do RJ — Foto: Reprodução/TV Globo

Confira abaixo o calendário de inauguração dos hospitais de campanha:

21/5 – quinta-feira

São Gonçalo
Nova Iguaçu
Dia 22/5 – sexta-feira

Maracanã – parte II
Dia 24/5 – domingo

Friburgo
Dia 25/5 – segunda

Campos
Dia 26/5 – terça

Duque de Caxias
Dia 27/5 – quarta-feira

Casimiro de Abreu

Fonte: g1.globo.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.