Pular para o conteúdo principal

Após pedido de líder do governo, prefeitura ganha novo prazo para mostrar dados do Hospital Unilagos


A novela sobre as informações do hospital de campanha Unilagos ganhou um novo capítulo. Após um período afastado das articulações políticas por causa de problemas pessoais, o líder do governo na Câmara, vereador Miguel Alencar (DEM), entrou em campo para tentar melhorar a relação entre Executivo e Legislativo, que não anda das melhores. 

De início, conseguiu junto aos colegas que fazem parte da Comissão Especial de Saúde um novo prazo, até a próxima terça-feira (2), para entregar não apenas os dados referentes à unidade exclusiva para tratamento de pacientes com Covid-19 como os da entrega das cestas básicas pela Secretaria de Assistência Social.

Há uma semana, a Comissão presidida pela vereadora Letícia Jotta (Pros) e o presidente da Casa, Luis Geraldo (Republicanos) enviaram ofício para a Prefeitura para cobrar as respostas dos requerimentos, e ameaçaram recorrer à Justiça para obtê-las. A própria Comissão já havia cobrado as mesmas informações três semanas antes, com direito a pedido de extensão do prazo feito pelo secretário de Saúde, Iranildo Campos. O pedido de Miguel põe água na fervura, pelo menos, por enquanto.

– Voltei para ajudar a ter esse diálogo entre o Executivo e o Legislativo e somarmos esforços nesse momento, em que é preciso união. Voltei para fazer esse trabalho. Já fui conversar com o Bruno [Aragutti, procurador-geral] para levantarmos esses dados e entregá-los na terça – disse Miguel.

Outro gesto de aproximação anunciado pelo líder do governo é um pedido para que, pelo menos, um integrante da Comissão Especial da Câmara participe da próxima reunião do Gabinete de Crise da Prefeitura. O veto para que vereadores participem dos encontros foi duramente criticado pela vereadora Letícia Jotta, em entrevista recente à Folha.

Após o período de ‘sumiço’, Miguel garantiu que também vai participar da reunião com o Ministério Público e empresários, na próxima semana, que pode definir a reabertura gradual do comércio no município. Questionado, falou do assunto com cautela.

– Não adianta reabrir agora se não houver um plano tanto para proteger a saúde das pessoas e garantir a retomada da economia – disse, confirmando que o governo já trabalha em um plano de reabertura.

Rafael desce o tom – De outro lado, o líder da oposição, vereador Rafael Peçanha (Cidadania) que também ameaçou entrar na Justiça para saber os gastos com o Hospital Unilagos, mudou a estratégia. 

Após receber do governo uma cópia do decreto de requisição administrativa da unidade com o número de leitos disponíveis, Peçanha disse que pediu à Comissão Especial de Saúde para apresentar requerimento solicitando acesso aos relatórios enviados ao governo, a cada 48 horas, sobre os recursos pessoais e materiais usados no hospital de campanha. 

De acordo com ele, o acompanhamento permitirá saber se o que vai ser pago pelo município depois da pandemia corresponde ao que realmente foi gasto. 

– Na verdade, o sistema de requisição administrativa prevê apenas um pagamento posterior, ou seja, em tese, a prefeitura não paga nada à Unilagos agora. Só paga por eventuais perdas à empresa assim que a pandemia passar. Porém, quero acompanhar os critérios que gerarão esse valor. O decreto diz que a cada 48h um grupo de trabalho da prefeitura envia relatório ao prefeito sobre a Unilagos . Estou preparando requerimento para que a Câmara tenha acesso a esses dados, aí saberemos se o pagamento posterior à requisição será justo ou superfaturado – explica.

Fonte: folhadoslagos.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.